Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Saiba como será o funcionamento das escolas cívico-militares
Início do conteúdo da página
Ações internacionais

Reunião da Comissão Mista Brasil-União Européia em Brasília

  • Terça-feira, 20 de março de 2007, 17h08

Representantes do MEC, do Ministério das Relações Exteriores e da Comissão Européia de temas educacionais participaram na tarde desta terça-feira, 20, da 10ª Reunião da Comissão Mista Brasil-União Européia. Os membros integraram um encontro técnico para discutir cooperação acadêmica e intelectual entre o Brasil e a União Européia, nas áreas de educação superior e pós-graduação. O destaque da reunião foi o programa Erasmus Mundus.

O programa destina bolsas de graduação, mestrado e doutorado para intercâmbio acadêmico de professores e alunos entre Brasil e União Européia. O Brasil é o segundo maior beneficiário do Erasmus Mundus — financiado pela União Européia — com 43 bolsistas brasileiros na Europa, atrás apenas da China. Mesmo assim, a conclusão da reunião é de que o programa precisa ser redefinido. “Hoje, o Erasmus Mundus funciona de maneira muito fragmentada e é isso que queremos mudar. Ele é aberto e negociado entre as universidades sem a participação do governo brasileiro”, explicou o chefe da Assessoria Internacional do MEC, Alessandro Candeas. Segundo o assessor, não há, por exemplo, definição de quais áreas educacionais devem ter prioridade no intercâmbio.

Ampliação — A Europa quer ampliar o acordo com o Brasil e unificar todos os programas de bolsas num grande programa Erasmus Mundus, em que haverá um projeto específico para o país. Como o atual Erasmus e demais programas de financiamento ainda estão em vigor, a idéia é que o novo Erasmus Mundus entre em vigor em até dois anos.

Para definir os contornos do novo acordo, uma das ações propostas pela discussão desta terça-feira foi a criação de um grupo de trabalho com representantes brasileiros e europeus. Os membros brasileiros se comprometeram a fechar a lista de participantes dentro de dez dias. O grupo definirá detalhes práticos como universidades participantes, número de bolsas oferecidas e requisitos necessários à candidatura de bolsas.

O interesse da Comissão Européia e do Brasil é trabalhar em conjunto na definição das áreas de intercâmbio que, por enquanto, não coincidem com as demandas brasileiras de formação acadêmica. “Estudantes, professores e universidades se candidatam sem haver planejamento. Brasil e Comissão Européia querem se engajar em todas as etapas do processo, desde a seleção das áreas e das universidades participantes”, disse Candeas. Segundo ele, a idéia é formar um consórcio de universidades européias e brasileiras, a partir da experiência brasileira em acordos do tipo com outros países, como com os Estados Unidos.

Outras iniciativas — Entre as propostas apresentadas pelos membros brasileiros, estão ainda a criação de um Centro de Estudos Europeus no Brasil e a formação de uma rede de brasilianistas europeus (que agrega estudiosos sobre o Brasil na Europa). O Brasil pretende incluir os dois temas na agenda que discute a ampliação do Erasmus Mundus para o país. A idéia é que o programa financie também o intercâmbio de pesquisadores das duas instituições entre Brasil e Europa.

Maria Clara Machado

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página