Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > MEC apresenta programa de inovação no ensino superior para reitores de universidades
Início do conteúdo da página
Formação/valorização de profissionais da educação

"Proibimos a palavra gasto em educação"

  • Quarta-feira, 16 de julho de 2008, 17h31

Presidente Lula discursa durante cerimônia de sanção de projeto de lei que cria piso salarial nacional do magistério e outras medidas na área de educação (Foto: Ricardo Stuckert/PR)O presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, acredita não haver nada mais digno para uma nação do que apresentar altos índices em educação nas estatísticas internacionais. “Em 2004, decidimos proibir a palavra 'gasto' em educação. Na verdade, é investimento. E investir em educação, bem como em saúde, lazer e trabalho é investir em segurança pública, dar oportunidade ao povo de ter opções que não sejam a criminalidade”, afirmou o presidente na cerimônia de sanção do piso nacional do magistério, nesta quarta-feira, 16, no Palácio do Planalto.

Segundo o presidente, as medidas anunciadas nesta quarta-feira terão efeito completo em dez ou quinze anos, com avanços graduais neste período. Para Lula, o importante é criar oportunidades para que os jovens desenvolvam seu potencial. “Queremos um ser humano que não esteja sempre a optar entre a morte, o crime organizado, o desemprego, o analfabetismo, mas um ser humano que esteja optando entre as coisas que ele queira fazer na vida.”

Ao defender os investimentos em educação, o presidente fez uma comparação entre a eficiência do dinheiro destinado à educação e à construção de presídios. “Mostraríamos às pessoas que é muito mais barato, muito mais lógico investir para que as pessoas não virem criminosas do que tentar cuidar de um criminoso de alta periculosidade”, disse. Na visão de Lula, a educação é fundamental para oferecer perspectivas de vida digna à população e desenvolvimento ao país.

Para o ministro da Educação, Fernando Haddad, a criação de um piso nacional, inserido na Constituição, transforma o magistério em carreira de estado. “A carreira do magistério, agora, é interesse da União. Começa com o piso, mas passa sobretudo pela questão da formação.”

A partir de 1º de janeiro de 2009, os professores passarão a receber dois terços da diferença do salário atual e dos R$ 950 instituídos pelo piso salarial. A integralidade do piso será paga a partir de 1º de janeiro de 2010. “Essa é a primeira distinção que resgata a missão dos professores para o desenvolvimento do país.”

Letícia Tancredi

Confira o discurso do presidente na íntegra.
Ouça o áudio do discurso.

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página