Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Política educacional

Governo quer incentivar pós-graduação em engenharia

  • Sexta-feira, 18 de setembro de 2009, 17h45
A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) quer incentivar a pós-graduação em engenharias. O tema foi discutido no encontro da diretoria da instituição com o Conselho Pleno da Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes), nesta quinta-feira, 17. Os diretores apresentaram os mais recentes programas e iniciativas da Capes e ouviram questões dos reitores de universidades federais de todo o país.

De acordo com o presidente da Capes, Jorge Guimarães, há desequilíbrio entre as áreas do conhecimento, especialmente no que se refere às ciências exatas. "Estamos preocupados com o fato de que apenas 11% dos cursos de pós-graduação são de engenharias", afirmou.

"Colocamos a engenharia como prioridade, pois é um segmento que gera emprego, desenvolvimento e, consequentemente, renda", explica Guimarães.

Para o presidente da Capes, a razão da defasagem na formação superior nas exatas tem origem na educação básica, que não forma professores para áreas como matemática, física e química, em número e qualidade suficientes. "A Capes possui hoje dois grandes desafios: formação em engenharias e educação básica. E as duas coisas estão interligadas", explicou.

Assimetria regional – O debate sobre a distribuição regional dos recursos mostra que ainda há um grande desequilíbrio entre as regiões brasileiras. Segundo o diretor de Programas e Bolsas no País, Emídio Cantídio "é preciso ações assimétricas para diminuir as assimetrias", ao comentar os esforços da Capes em fomentar a pós-graduação nas regiões Norte e Centro-Oeste do País.

Conheça o Pró-engenharias, a Universidade Aberta do Brasil e o Plano Nacional de Formação de Professores.

Assessoria de Comunicação da Capes
Assunto(s): Capes , Andifes
X
Fim do conteúdo da página