Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
TV Escola

Biologia é o novo módulo dos percursos educativos para o Enem

  • Quinta-feira, 16 de agosto de 2018, 10h11

Depois dos percursos educativos de matemática e língua portuguesa, a TV Escola, emissora vinculada ao MEC, lança nesta sexta, 17, o terceiro módulo de aprofundamento de estudos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), desta vez em biologia. Plataforma digital desenvolvida para os estudantes que se preparam para o Enem, o percurso educativo apresenta todas as questões do exame desde 2012, divididas por conteúdo pedagógico, pelo grau de dificuldade e pela incidência percentual dos temas em todos os exames.

Os percursos, elaborados por meio de projeto da TV Escola que complementa o programa Hora do Enem, não apenas apresentam o caminho para resolução de exercícios, mas servem de apoio a qualquer pessoa interessada em estudar. Além das questões do Enem, a plataforma oferece links para videoaulas, materiais pedagógicos e múltiplos conteúdos de aprofundamento dos estudos.

O percurso de biologia foi desenvolvido com a curadoria da professora Mônica de Cassia Vieira Waldhelm e traz uma visão mais ampla da disciplina. Ali estão todos os temas da biologia e, principalmente, a articulação desses temas com a vida contemporânea.  Assim como os demais percursos, utiliza a terminologia de conteúdos da matriz de referência do Enem, em articulação com os programas curriculares e livros didáticos tradicionalmente adotados na maioria das escolas brasileiras. O objetivo é facilitar a busca por tópicos de estudos abordados nas questões de diversas edições do exame.

As questões – “Somos confrontados, tanto em escala global quanto local, para problemas envolvendo meio ambiente, sustentabilidade, saúde, biotecnologia, nutrição e outros temas, sempre sob o enfoque socioambiental e ético”, explica a professora Mônica. “Ao resolver uma questão de ecologia, por exemplo, o estudante precisa ver além da simples resolução. Minha sugestão: aproveitem para explorar aspectos evolutivos (as adaptações morfofisiológicas dos seres envolvidos ao ambiente), aspectos bioquímicos (lembrando os processos metabólicos que mantém a vida nos ecossistemas) e o contexto histórico e socioambiental, identificando como posicionamentos políticos interferem no cenário ambiental global. Assim, você, estudante, estará revisando e relacionando tópicos diversos que certamente serão exigidos em outras questões do Enem”.

Para atribuir um grau de dificuldade a cada questão, foram levados em conta o nível de exigência em cada competência/habilidade e os requisitos conceituais para sua resolução. São consideradas fáceis as questões de compreensão textual ou que requerem a aplicação imediata de um conceito mais conhecido, geralmente trabalhado desde o ensino fundamental.

Já questões que requerem maior concentração na leitura de texto ou imagem variada, mobilizando conceitos abordados predominantemente no ensino médio, são consideradas médias. Por fim, classificam-se como difíceis as questões que exigem habilidade de leitura, interpretação de gráficos, esquemas, tabelas ou experimentos complexos, em geral sob uma perspectiva interdisciplinar.

“Há muitos recursos midiáticos que podem ajudar na compreensão de conceitos destacados no percurso”, lembra Mônica. “O relevante é que sugerimos fontes confiáveis onde o estudante poderá encontrar material como vídeos, animações, simulações e textos complementares. O objetivo é que o estudante explore essas múltiplas possibilidades e busque outras”.

Articulação – Uma das mais importantes características do Enem é proposição de questões que vão além da “decoreba” e exigem articulação de conceitos. O estudante também é instado a trabalhar outros recursos, como a capacidade de análise, interpretação e inferência – o que representa o desafio de resolver problemas e interpretar diferentes textos sob diferentes linguagens, como mapas, gráficos, charges, fotos e tabelas, entre outras.

O percurso educativo, pontua Mônica, não deve ser encarado como “treinamento” “ou “adestramento com macetes” para o candidato se sair bem no Enem.  “Na preparação para a realização desse exame, é preciso ir além de livros e sites da internet”, alerta a professora. “É necessário ampliar seu quadro de referências culturais. Vá a museus, exposições variadas, parques naturais, busque livros e filmes que extrapolem o enfoque sensacionalista e provoquem reflexões, leia jornais e revistas da atualidade, converse com amigos e pessoas de diferentes idades, classes sociais, profissões e visões de mundo. ”

A curadora do percurso educativo de biologia reforça que o estudante deve criar e seguir métodos. “Habitue-se a registrar por escrito suas ideias, seja na forma de diários, cartas, poesias, mapas conceituais ou esquemas”, sugere. “Pense, por exemplo, na competência de construir argumentação, exigida/mobilizada em diversas questões de diferentes áreas do conhecimento. Onde se aprende a argumentar? Argumenta-se em um debate oral, em uma redação, em uma apresentação de trabalhos, na vida pessoal etc. Dependendo da área/disciplina do Enem, essa argumentação tomará por base conceitos específicos”.

Clique aqui para saber mais sobre os percursos educativos da TV Escola, que  são uma plataforma aberta e gratuita.

Assessoria de Comunicação Social

 

X
Fim do conteúdo da página