Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Trilhas da Educação

Orquestra estudantil reúne alunos de mais de 60 escolas da rede municipal de Pelotas (RS)

  • Sexta-feira, 26 de abril de 2019, 12h36


O programa Trilhas da Educação, da Rádio MEC, que vai ao ar nesta sexta-feira, 26, vai contar como o amor à música reuniu alunos de mais de 60 escolas públicas de Pelotas, no Rio Grande do Sul. Depois de formar uma orquestra dentro de um colégio estadual da cidade, a professora de música Lys Ferreira deu mais um passo e partiu para o ensino da música na rede municipal de ensino.

Quatro anos depois, o projeto deu origem à Orquestra Estudantil Municipal, criada pela Secretaria de Educação e Desporto de Pelotas, em 2018. “A princípio, formamos turmas que somam, em todos os instrumentos, 100 alunos que estão tendo aula do projeto e 40 que participam da orquestra. Tem violino, viola, violão, violoncelo, piano, teclado, violão, trompete, clarinete, flauta e percussão”, conta a professora.

Desde o ano passado, o número de interessados não parou de crescer: o projeto recebeu 150 inscrições em 2019. Para a adesão, os estudantes passaram por uma seletiva. Com todas as vagas preenchidas, os selecionados que acabaram não sendo chamados foram para uma lista de espera.

Espaço – No dia a dia, para atender aos alunos, a professora organizou um cronograma de ensino. As aulas e os ensaios também ganharam um espaço maior, a sala de música da antiga Estação Férrea de Pelotas. O ambiente foi cedido pela administração municipal, uma das parceiras da orquestra.

Nas segundas-feiras, os estudantes têm encontros com o ensaio da orquestra, e no decorrer da semana, quarta e sexta, os alunos são atendidos em turmas. “Não são aulas individuais, é um ensino coletivo do instrumento”, explica Lys Ferreira. “As aulas são de uma hora, uma hora e meia, dependendo do tamanho da turma, e o ensaio é de duas horas e meia de duração”, completa.

Para a professora, as aulas de música e a participação na orquestra são benéficas para o desempenho escolar dos alunos, mas não somente para isso. Ela observa que, além das lições em sala, os laços criados entre eles, a partir da convivência em grupo, são os grandes valores aprendidos.

“Esse exercício do convívio acaba sendo prazeroso. Os estudantes aprendem muito sobre diferenças, sobre tolerância, sobre entender o próximo. São coisas que a música facilita pela alegria que ela nos traz”, acredita.

Gabriel Ávila, de 14 anos, é aluno da 9ª série do ensino fundamental e entrou na orquestra, no ano passado. “Decidi entrar [na orquestra] porque eu já tocava violão sozinho. Nunca tive professor e violino. Queria aprender, tinha vontade de participar de uma orquestra, então, entrei para ver como era”, conta o estudante.

A Orquestra Estudantil Municipal de Pelotas já fez várias apresentações em escolas e festivais de música. Para Gabriel, a mais marcante foi a que ocorreu no 9° Festival Internacional Sesc de Música, em janeiro deste ano. “Já tinha me apresentado em outros lugares, mas acho que a maior apresentação que a gente tinha feito foi lá. Então, foi bem legal, bem interessante, bem diferente”, relata Gabriel.

O repertório do grupo é bem variado, assim como o público. “Tem todo tipo de música. Tem concerto, mas a gente toca para a ‘gurizada’ da idade deles”, destaca a professora.

Os instrumentos utilizados pelo grupo foram doados pela prefeitura da cidade. O projeto conta ainda com ajuda da comunidade para gastos pontuais como troca de cordas para os materiais e de cabos eletrônicos. Demais parcerias, como o Projeto AfinaSul, do Conservatório de Música, e do Programa de Extensão em Percussão – ambos da Universidade Federal de Pelotas –, também têm sido fundamentais para o andamento do trabalho com os estudantes.

Assessoria de Comunicação Social

 

X
Fim do conteúdo da página