Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Com apoio do MEC, Embrapii credencia 11 grupos de pesquisas de universidades federais como unidades de inovação
Início do conteúdo da página
MEC 2020

Autorregulação do ensino superior privado será discutida em 2020

  • Quinta-feira, 02 de janeiro de 2020, 10h43

Em entrevista especial, secretário de Regulação e Supervisão da Educação Superior comenta prioridades para o ano


Guilherme Pera, do Portal MEC

A autorregulação das instituições de ensino superior privadas será um dos temas em pauta no Ministério da Educação (MEC) em 2020. Comandada pelo economista Ricardo Braga, a Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior (Seres) é a área responsável pelo assunto.

Em entrevista especial para o Portal MEC, o secretário fala sobre as perspectivas de atuação.

A autorregulação das instituições de ensino superior privadas é um tema que o ministro Abraham Weintraub já citou publicamente. Em que pé está esse assunto?

Para 2020, a autorregulação [das instituições de ensino privadas] deve ser um dos principais tópicos. Nós vamos trabalhar em cima de benchmarks [busca das melhores práticas] para trazer sugestões e ver como se organiza ou pode estar organizada a regulação em outros países.

A partir daí, montaremos um grupo de trabalho para desenvolver estudos mais profundos e levar isso adiante. 

Quais são as vantagens do Diploma Digital, lançado pelo MEC recentemente?

O Diploma Digital vem com um custo bem menor para as instituições de ensino superior. Traz uma segurança maior para as empresas que necessitam fazer uma contratação — a tendência é que com a evolução da implementação você tenha menos fraudes, isso dá uma segurança maior para todo o sistema.

Além disso, o estudante vai ter acesso ao seu diploma de forma digital, muito mais fácil de consultar, de carregar, de fazer uso de forma geral.

[Nota da redação: O Diploma Digital foi lançado em dezembro de 2019. A iniciativa é um trabalho conjunto da Seres com a Secretaria de Educação Superior (Sesu). Na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), um projeto-piloto concluiu que o certificado físico custa R$ 390,26 e a versão digital, R$ 85,15.]

O que destacaria sobre desburocratização?

2020 será um ano de nos debruçarmos sobre os fluxos que passam pelas três diretorias [da secretaria], responsáveis por regular, fiscalizar e determinar políticas regulatórias. Existe um fluxo muito grande, foram editadas muitas portarias ao longo dos anos. Isso tem gerado uma morosidade nos processos de fiscalização e regulação.

Nossa ideia é trabalhar em uma simplificação, um estudo de todas essas portarias que foram editadas nos últimos anos, para resultar em um processo mais simples de fiscalização e de regulação do setor de ensino superior privado.

Saiba mais sobre a Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior aqui e sobre o currículo de Ricardo Braga aqui.

X
Fim do conteúdo da página