Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Onde estão registradas as irregularidades constatadas pelo MEC nos cursos de graduação a distância da Unitins?

    As irregularidades e as fragilidades acadêmicas dos cursos de graduação a distância da Unitins foram expostas na Nota Técnica de Supervisão nº 37/2008 da Coordenação-Geral de Supervisão da Secretaria de Educação a Distância (Seed) do Ministério da Educação, constante do Processo nº 23000.015907/2008-34 e no dia 25 de fevereiro de 2009 foi publicada uma medida cautelar, por meio de despacho do secretário de educação a distância, em consideração à Recomendação PRDC/PRTO nº 2/09 do MPF/TO, vedando o ingresso de novos estudantes na Unitins. Para mais esclarecimentos, os alunos deverão entrar em contato direto com a Unitins pelo endereço eletrônico: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

  • Palestina é destaque na TV Escola

    A TV Escola começa a exibir na próxima segunda-feira, 11, a semana temática sobre a Palestina. A semana conta com cinco episódios que buscam explicar pontos importantes sobre a Palestina e como ela afeta a geopolítica mundial.

    Os programas contam a história de um país que nasceu há centenas de anos, mas que nunca existiu territorialmente. Cada um dos episódios tem aproximadamente 60 minutos de duração. A semana vai de segunda-feira, 11, a sexta-feira, 15 de maio, sempre às 21h.

    Na estreia, o programa Palestina, dividido em duas partes, conta a história da criação do Estado de Israel e a luta pela criação de um Estado palestino. Desde o fim do Império Otomano até as negociações mais recentes entre árabes e israelenses, o documentário, que será veiculado nos dias 11 e 12, mostra a evolução da região.

    Na quarta-feira, 13, a série apresenta o filme Um Lugar Chamado Palestina. Nele é mostrado como o território se transformou em um jogo de interesses, onde os envolvidos, na maioria das vezes, não são palestinos ou israelenses.

    Quinta-feira a semana exibe Mestiçagem, episódio da série Lendas da Ciência. O filósofo francês Michel Serres analisa a construção do conhecimento científico e o seu poder de transformação. Neste programa, a análise é do mundo árabe-islâmico.

    A série chega ao fim na sexta-feira, 15, com Quando o Mundo Falava Árabe. O documentário é um retrato da chamada “época dourada do Mundo Árabe” (século 9 ao século 12), mostrando como os vários aspectos dessa cultura foram relevantes para a formação do modo de vida ocidental.

    A TV Escola pode ser vista na página eletrônica do Ministério da Educação e sintonizada por antena parabólica digital ou analógica em todo o país. O sinal está disponível também nas operadoras de tevê por assinatura DirecTV (canal 237), Sky (canal 27) e Telefônica (canal 694).

    Assessoria de Imprensa da Seed
  • Pelotas será sede de evento sobre educação a distância

    Pelotas será a sede do 1º Encontro da Universidade Aberta do Brasil no Rio Grande do Sul (UAB/RS). Promovido pelo Instituto Federal Sul-rio-grandense e pela Universidade Federal de Pelotas, o evento será realizado no sábado, 18, a partir das 8h30min, na Charqueada Boa Vista.

    O encontro prevê debates em torno de temas como Sistema UAB no âmbito das Instituições Federais de Ensino – limites e potencialidades; Cursos e Pólos UAB – estabelecendo novas aprendizagens.

    De acordo com os organizadores, já estão confirmadas as presenças de prefeitos e secretários de educação dos municípios onde estão instalados os polos de apoio do Sistema UAB no Estado. O evento tem como apoiadores a Universidade Federal do Rio Grande do Sul e a Universidade Federal do Rio Grande.

    Sistema UAB – Criado pelo MEC em 2005, o Sistema UAB tem como prioridade a formação de professores para a educação básica. Para atingir esse objetivo, realiza ampla articulação entre instituições públicas de ensino superior, estados e municípios brasileiros, para promover, por meio da metodologia da educação a distância, acesso ao ensino superior para camadas da população que estão excluídas do processo educacional.

    Tendo como base o aprimoramento da educação a distância, visa expandir e interiorizar a oferta de cursos e programas de educação superior. Para isso, o sistema busca fortes parcerias entre as esferas federais, estaduais e municipais do governo.

    Assessoria de imprensa do IF Sul-rio-grandense
  • Polos da Universidade Aberta do Brasil serão reformados

    Trinta e sete polos de apoio ao programa de educação a distância Universidade Aberta do Brasil (UAB) vão receber R$ 7,4 milhões para reforma e ampliação de suas instalações. Convênios neste sentido foram assinados nesta quarta-feira, 30, em Brasília, entre as prefeituras responsáveis pelos polos e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

    Equipados com biblioteca, sala de webconferência e laboratórios de disciplinas específicas, como informática, física e biologia, os polos são o ponto de encontro dos 170 mil estudantes matriculados na UAB e seus professores e tutores, para tirar dúvidas e praticar o que foi aprendido nas aulas pela internet. Atualmente, há 556 polos espalhados pelo país.

    Talentos– “Este programa representa uma ótima oportunidade de formação e qualificação de mão de obra local, e ajuda a fixar talentos potenciais no próprio município”, comemora o prefeito de Rio Brilhante (MS), Donato Lopes da Silva. Estruturado na Escola Agrotécnica Oacir Vidal, o polo da UAB na cidade receberá R$ 234 mil para a construção de um auditório, alojamentos para alunos e professores e passarelas para interligar os diversos blocos do colégio.

    Prioridade– Gerenciada pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a Universidade Aberta do Brasil é um sistema integrado por 91 instituições públicas de ensino superior que oferecem 640 cursos voltados prioritariamente a professores da educação básica da rede pública que ainda não possuem graduação. Dirigentes, gestores e demais profissionais da educação também têm prioridade nos cursos. Entre os temas curriculares oferecidos, destacam-se educação de jovens e adultos, educação ambiental, educação patrimonial e práticas das redes de ensino pública e privada no Brasil.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE

    Conheça os polos da UAB beneficiados com os convênios.

  • Por que foi tomada a decisão de transferência dos estudantes da Unitins?

    Considerando que a Unitins é instituição pública e foi credenciada para a modalidade de educação a distância nessa condição, o Ministério Público Federal verificou irregularidade de cobrança de mensalidades pela Unitins. Diante disso, foi assinado um Termo de Ajuste de Conduta em comum acordo entre o Ministério da Educação e a Universidade do Tocantins, com a interveniência do Ministério Público Federal do Tocantins, no qual a Unitins compromete-se a transferir os alunos para outras instituições de educação superior em situação regular no Ministério da Educação.
  • Por que não posso concluir o curso com gratuidade na própria Unitins?

    De acordo com a declaração dos dirigentes da Unitins, a instituição não tem possibilidade de atender aos estudantes sem a cobrança de mensalidades, pois não há possibilidade de financiamento destas por parte do Governo do Estado do Tocantins, além de não ser papel do governo estadual financiar a educação superior em outros estados. Portanto, para preservar o direito dos estudantes e garantir o aproveitamento dos estudos concluídos até a transferência, o Termo de Ajuste de Conduta prevê que a Unitins procederá à transferência dos estudantes regulares matriculados em cursos de graduação na modalidade a distância para outras instituições credenciadas para oferta de cursos superiores na modalidade a distância ou presencial, conforme opção do estudante.

  • Por que serão realizadas as transferências de alunos da Unitins?

    Considerando a impossibilidade de atender aos atuais estudantes sem a cobrança de mensalidades, a Unitins procederá à transferência dos estudantes regulares matriculados em cursos de graduação na modalidade a distância para outras instituições credenciadas para oferta de cursos superiores na modalidade a distância ou presencial, conforme opção do estudante. Para mais esclarecimentos, os alunos deverão entrar em contato direto com a Unitins pelo endereço eletrônico: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..

  • Prefeituras começam a adquirir computadores para as escolas

    Prefeitos poderão adquirir computadores utilizando a linha de crédito do BNDES. (Foto: Fabiana Carvalho)Rio de Janeiro, Uberaba (MG) e São Bernardo do Campo (SP) foram os primeiros municípios do país a aderir à ata de preço do Ministério da Educação que possibilita a compra de computadores portáteis para estudantes das redes públicas, dentro do Programa Um Computador por Aluno (Prouca).

    Em cerimônia realizada no Palácio do Planalto, com a presença do presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, o ministro da Educação, Fernando Haddad, destacou que o computador portátil chegará na escola a 200 dólares, com toda a logística de entrega, garantia e instalação. “Isso combinado com a capacitação de professores e oferta de conteúdos educacionais. De nada adianta o computador se não houver a formação dos professores”, afirmou.

    Em uma primeira etapa, o Rio de Janeiro comprará 112 mil computadores, o que representa o atendimento de 20% dos 650 mil alunos da rede pública municipal. A prefeitura vai utilizar a linha de crédito ofertada pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

    A secretária municipal de Educação do Rio de Janeiro, Cláudia Costin, explicou que, como a rede é muito grande, os equipamentos serão enviados primeiro para escolas de tempo integral e ginásios do amanhã (localizadas em comunidades carentes), beneficiando alunos de primeiro ao nono anos. Claúdia destacou também que já desenvolve, com a secretaria de Educação a Distância (Seed) do MEC, um portal de aulas digitais para todas as disciplinas, usado por toda a rede escolar.

    Para o prefeito de Uberaba, Anderson Adauto Pereira, a aquisição do computador portátil é um passo decisivo para o aprendizado futuro dos estudantes do seu município. “O computador é uma ferramenta de trabalho para a criança”, disse.

    De acordo com Pereira, a prefeitura vai adquirir 1.020 computadores para alunos de sexta a nona séries de cinco escolas. Os professores também receberão. Uma gincana foi realizada entre as escolas urbanas e rurais, para a escolha das que participarão da primeira fase de implementação do projeto, previsto para o primeiro semestre de 2011.

    A secretária municipal de Educação de São Bernardo do Campo, Cleusa Repulho, afirmou que o projeto pedagógico do município será focado nos alunos de oito a dez anos. Serão comprados 15 mil computadores portáteis para os estudantes e 5 mil para professores de 69 escolas. “No nosso município o computador será usado em grupo e individualmente, conforme a atividade desenvolvida”, disse. A rede municipal de São Bernardo tem 90 mil alunos.

    Estados, municípios e Distrito Federal podem adquirir os computadores portáteis com recursos próprios ou com linha de crédito concedida pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). No caso de opção pela linha de crédito do BNDES, é necessário recorrer a agentes financeiros credenciados, com limite de compra de 25% do total de alunos da rede pública estadual ou municipal. Para as regiões Centro-Oeste, Norte e Sudeste, cada equipamento custa R$ 344,18, com entrega, garantia e instalação; para o Nordeste e o Sul, R$ 376,94, com os mesmos serviços.

    Cada equipamento tem quatro gigabytes de armazenamento, 512 megabytes de memória, tela de cristal líquido de sete polegadas, bateria com autonomia mínima de três horas e peso de até 1,5 quilograma. É equipado para rede sem fio e conexão de internet, além de itens de segurança.

    Instituído pela Lei nº 12.249, de 11 de junho de 2010, o Prouca faz parte da política nacional de tecnologia educacional do Ministério da Educação. O programa teve início em 2007, em fase experimental, em São Paulo, Porto Alegre, Brasília, Piraí (RJ) e Palmas. Este ano, na segunda fase do projeto, foram distribuídos 150 mil computadores a estudantes de 300 escolas da rede pública. Os professores passam por capacitação para uso do equipamento em projetos pedagógicos.

    Adriane Cunha

    Leia mais:
    Compra de computador portátil liberada a estados e municípios
  • Presidente sanciona lei que cria Dia Nacional da Educação a Distância

    O presidente da República, Michel Temer, sancionou a Lei 13.620 que institui a data de 27 de novembro como o Dia Nacional de Educação a Distância. A medida foi publicada no Diário Oficial da União (DOU) da última segunda-feira, 15.

    Para o secretário substituto de Regulação e Supervisão da Educação Superior do Ministério da Educação, Rubens Martins, o estabelecimento de uma data nacional para a Educação a Distância significa o reconhecimento da importância desta modalidade. “Em um mundo em que as tecnologias de informação e comunicação se aprimoram e se popularizam, as metodologias e ferramentas de educação a distância determinam um conjunto ampliado de possibilidades de inclusão e de acesso ao conhecimento, de troca de experiências, de novos formatos de aprendizagem”, salienta Martins.

    Com o objetivo de ampliar a oferta de cursos de educação superior no país, o MEC publicou, em junho do ano passado, uma portaria que amplia a oferta de cursos na modalidade a distância, melhora a qualidade da atuação regulatória do Ministério nessa área, aperfeiçoando procedimentos, desburocratizando fluxos e reduzindo o tempo de análise e o estoque de processos. “Além disso, os avanços terão impacto determinante na transformação da sala de aula como é hoje configurada, bem como nas relações entre estudantes e professores”, reforça Martins.

    As instituições de ensino superior podem se credenciar para cursos de educação a distância sem o credenciamento para cursos presenciais. Com isso, as instituições poderão oferecer exclusivamente cursos a distância, na graduação e na pós-graduação lato sensu, ou atuar também na modalidade presencial.

    O objetivo é ajudar o país a atingir a Meta 12 do Plano Nacional de Educação (PNE), que determina a elevação da taxa bruta de matrícula na educação superior para 50% e a taxa líquida em 33% da população de 18 a 24 anos. Na mesma linha, as instituições públicas ficam automaticamente credenciadas para oferta de educação a distância, devendo ser recredenciadas pelo MEC em até cinco anos após a oferta do primeiro curso.

    Para garantir segurança e qualidade, a oferta de cursos requer autorização prévia do MEC para seu funcionamento, exceto para as instituições de ensino superior que possuem autonomia, e que todas as instituições devem manter cursos de graduação em funcionamento, não sendo permitida a oferta somente de pós-graduação lato sensu.

    Outra inovação que a portaria trouxe foi a criação de polos de educação a distância pelas próprias instituições já credenciadas para esta modalidade de ensino. O documento detalhou ainda a quantidade de polos que as instituições poderão criar, baseado no conceito institucional (CI) mais recente da instituição.

    As instituições de ensino superior que possuem CI 3 podem criar até 50 polos por ano, as com CI 4 podem criar 150 e as com CI 5 podem criar até 250 polos por ano. Elas também podem optar por continuar atuando somente na sede. Essa medida permite a ampliação da oferta por meio de polos de educação a distância pelas instituições já credenciadas, já que antes do decreto recentemente publicado os processos de credenciamento de polos eram analisados pelo MEC, com tempo de análise bastante prolongado.

    Avaliações – As avaliações in loco realizadas pelo MEC passaram a se concentrar na sede das instituições e não mais nos polos. Entretanto, na visita, os avaliadores verificam se a estrutura da instituição atende aos cursos propostos, bem como à quantidade de estudantes a serem atendidos na sede da instituição e nos polos. Para os cursos, as Diretrizes Curriculares Nacionais continuam sendo referência, inclusive para verificar os momentos presenciais obrigatórios e outras especificidades de cada área.

    Cursos sem atividades presenciais passaram a ser permitidos, mas exigem autorização prévia do MEC e visita de avaliação in loco, mesmo para as instituições com autonomia.

    Assessoria de Comunicação Social 

  • Primeiro mestrado a distância foca professor da rede pública

    O exame nacional de acesso ao programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (Profmat) selecionará candidatos para 1152 vagas. A prova consiste de 35 questões de múltipla escolha e três discursivas e está marcada para dia 19 de fevereiro, das 13 às 17 horas. O mestrado profissional é oferecido prioritariamente para professores das redes públicas de educação básica da área de matemática.

    O Profmat é o primeiro mestrado profissional a distância dentro do sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) e será realizado por uma rede de 54 instituições de ensino superior em todas as regiões do país. O programa será coordenado pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que fornecerá uma bolsa de estudos aos mestrandos.

    O curso é composto de períodos semipresenciais, nos quais as disciplinas têm duração de 12 semanas. As atividades presenciais de cada disciplina semipresencial ocorrem todas as semanas, em todos os polos de atendimento designados pelas instituições associadas. Tais atividades têm duração de três horas por semana, na sexta-feira, sábado ou domingo.

    As atividades a distância podem ser realizadas pelo discente nos polos de atendimento ou na sua própria residência, com o apoio das instituições e de material didático elaborado e distribuído gratuitamente, e são fundamentais para o bom desempenho do discente na disciplina. A duração estimada é de quatro a seis horas por semana para cada disciplina.  

    Em janeiro e fevereiro as atividades serão ministradas apenas em regime presencial, nos polos das instituições associadas participantes do Profmat. O calendário será definido pelas instituições associadas, para adaptação ao período de férias escolares em sua região. Devem durar quatro semanas e para cada disciplina haverá uma aula por dia, em todos os dias úteis, com três horas de duração.

    O mestrado profissional enfatiza estudos e técnicas diretamente voltadas para uma qualificação profissional de alto nível, mas garante as mesmas prerrogativas do mestrado acadêmico. Pretende promover a formação continuada de professores das redes públicas de educação, no nível de pós-graduação, com uso de tecnologias de educação a distância, e está em consonância com o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020.

    Acesse outras informações sobre o Profmat na página da Sociedade Brasileira de Matemática.

    Conheça as instituições associadas ao Profmat.

    Assessoria de Comunicação Social
  • Pró-Licenciatura - Apresentação

    O programa oferece formação inicial a distância a professores em exercício nos anos/séries finais do ensino fundamental ou ensino médio dos sistemas públicos de ensino. O Pró-Licenciatura ocorre em parceria com instituições de ensino superior que implementam cursos de licenciatura a distância, com duração igual ou superior à mínima exigida para os cursos presenciais, de forma que o professor-aluno mantenha suas atividades docentes.

     

    O objetivo é melhorar a qualidade de ensino na educação básica por meio de formação inicial consistente e contextualizada do professor em sua área de atuação. O programa toma como ponto de partida a ação do professor na escola em que desenvolve seu trabalho, de forma que sua experiência do dia a dia sirva de instrumento de reflexão sobre a prática pedagógica.

     

    Para participar, as secretarias estaduais e municipais devem aderir ao programa. O professor interessado precisa estar em exercício há pelo menos um ano, sem habilitação legal exigida para o exercício da função (licenciatura). A formação é gratuita e os professores selecionados pelas instituições de ensino superior para ingresso no curso recebem bolsa de estudos. O programa é desenvolvido no âmbito da Universidade Aberta do Brasil.

     

    Contatos

  • Pró-Licenciatura - Contato

    E-mail:
    O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

  • Professor do Acre inova com projetos de física e astronomia

    Aulas de astronomia em Rio Branco: estudantes passam a compreender melhor o planeta e sua relação com outros astrosA maior motivação do professor Aires Pergentino da Silva para trabalhar com a educação de jovens e adultos é constatar a força de vontade dos estudantes em querer aprender, em buscar o conhecimento e valorizar o professor. Formado em física, com pós-graduação em ensino de astronomia, ele atua há dez anos no magistério e há seis trabalha com jovens e adultos.

    “Já trabalhei com ensino fundamental, ensino médio regular e com pré-vestibular, mas minha paixão é a educação de jovens e adultos”, destaca Aires, que leciona física para alunos de ensino médio na Escola do Serviço Social do Comércio (Sesc) de Rio Branco, Acre. Para ele, o desafio de ensinar na educação de jovens e adultos é grande, mas compensador e estimulante. “Os alunos são, na maioria das vezes, profissionais, que entendem o valor do trabalho para a dignidade humana”, diz Aires, que também trabalha na Secretaria de Educação do estado como técnico curricular de física. “Por isso, eles sabem respeitar e valorizar o professor e qualquer outro profissional.”

    Aires trabalha com educação de jovens e adultos na modalidade a distância. A cada semestre são realizados oito encontros com os alunos para reforço do conteúdo das apostilas. “Cada módulo tem um conjunto de disciplinas”, explica o professor. “A apostila dessas disciplinas é direcionada para o estudo em casa. Uma vez por semana, os alunos têm aula de uma disciplina.”

    Projetos

    Este ano, Aires desenvolveu com alunos de 22 a 40 anos de idade os projetos Física Divertida: Brincando se Aprende e Astronomia para Todos. Com o Física Divertida, os estudantes construíram brinquedos com base em princípios científicos e os levaram a um orfanato. “No momento da distribuição, os alunos aproveitaram para ensinar física, com uma linguagem acessível”, revela o professor.

    O projeto Astronomia para Todos teve início com o estudo da Bandeira Nacional e de seus aspectos astronômicos até chegar na observação do céu com instrumentos apropriados. “O objetivo geral era compreender melhor nosso planeta e sua relação com outros astros do sistema solar e fora dele”, destacou o professor.

    Fátima Schenini


    Saiba mais no Jornal do Professor
  • Professores brasileiros fazem curso de pedagogia no Japão

    As cidades de Nagoya, Hamamatsu e Ota, no Japão, são pontos de encontro de 300 professores brasileiros que começaram este mês um curso de pedagogia a distância. A formação será feita pela Universidade Federal de Mato Grosso, filiada à Universidade Aberta do Brasil (UAB), e em parceria com a Universidade Tokai.


    A abertura do curso e as primeiras 16 horas de aula presencial aconteceram na sede da Universidade Tokai, na cidade de Hiratsu, nos dias 11 e 12 deste mês. Mas o curso, que tem duração de quatro anos, será desenvolvido em três pólos da Universidade Tokai, em Nagoya, Hamamatsu e Ota, cidades que concentram a maioria dos trabalhadores brasileiros no Japão.


    A coordenadora do Projeto de Formação de Professores pelo Acordo Brasil-Japão, Kátia Morosov Alonso, da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), explica que o curso atende a professores brasileiros sem graduação ou com graduação em área diferente daquela em que trabalham. O vestibular, que aconteceu em maio, teve 506 inscritos para 300 vagas.


    Estrutura - Para oferecer o curso de pedagogia, a UFMT montou uma estrutura que compreende coordenações geral, de curso e pedagógica, a participação de 17 orientadores educacionais, materiais didáticos impressos e como ferramenta a Plataforma Moodle. Nos pólos, os professores brasileiros têm o auxílio de três tutores bilíngües (línguas portuguesa e japonesa) selecionados no Japão pela Universidade Tokai. Esta universidade também oferece a infra-estrutura dos pólos (biblioteca, laboratórios, computadores) e apoio para as atividades dos grupos de estudos e videoconferências.


    Segundo Kátia Alonso, os cursistas estudarão neste semestre o que é e como funciona a educação a distância e os módulos de antropologia e sociologia. Ao final de cada módulo os alunos são avaliados. As aulas do semestre estão previstas para encerrar em 20 de dezembro.


    O curso, na modalidade a distância, tem duração de quatro anos (2009-2013), divididos em oito semestres e carga de 3.360 horas. A cada semestre o curso tem três momentos presenciais, sendo dois por viedeoconferência e um encontro com os professores da UFMT, no Japão.


    Dados do portal da Embaixada do Brasil em Tóquio indicam que funcionam no Japão 71 escolas brasileiras, das quais, 52 foram homologadas pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), e 19 estão em processo de homologação. Kátia Alonso estima que hoje 80% dos professores que trabalham em escolas brasileiras no Japão, lecionam na educação infantil e nas séries iniciais do ensino fundamental. É para eles que a universidade oferece a licenciatura em pedagogia.


    Ionice Lorenzoni

  • Professores de SC vão receber capacitação para tempo integral

    Gestores e professores de Santa Catarina receberão formação para educação em tempo integral. Na última quarta-feira, 31, o ministro da Educação, Mendonça Filho, assinou termo de cooperação entre o MEC, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), a secretaria de educação de Santa Catarina e o Instituto Ayrton Senna, como parte do projeto de expansão das escolas de ensino médio em tempo integral. O valor estimado para a ação é de R$ 3,8 milhões, dos quais R$ 1.177.380 são advindos da Capes.

    “É um convênio muito importante porque cria um projeto piloto de formação de professores que possibilita a implementação da educação de tempo integral”, afirmou o secretário de Educação de Santa Catarina e presidente do Conselho Nacional de Educação (CNE), Eduardo Deschamps. Ele explica que o cronograma de trabalho já começa a valer desde a assinatura do memorando. Segundo o secretário, a intenção é que o projeto tenha início no segundo semestre deste ano. A vigência do acordo é de 1º de julho de 2017 a 31 de agosto de 2018.

    As atividades visam apoiar a implementação gradual do Programa de Educação Integral pela Secretaria de Educação de Santa Catarina nas escolas parceiras ao longo de três anos. Logo no primeiro ano, serão beneficiados 1.485 alunos em 40 turmas e, aproximadamente, 210 professores, além de 30 coordenadores pedagógicos e diretores. Nas gerências regionais, a gestão do programa compete a nove profissionais, que serão formados com 20 gestores e 12 formadores destacados na secretaria para gerir o programa.

    Serão oferecidos 12 módulos de educação a distância para a formação de gestores escolares, regionais e professores. Também serão realizadas reuniões de mentoria individuais ou em dupla. Inicialmente, o programa abrangerá 15 das 731 escolas que compõem a rede estadual. Ao todo, serão atendidas nove de 36 gerências regionais de educação, que respondem, juntas, por 522 escolas, localizadas em 14 municípios catarinenses.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Programa ensina estudante a usar tecnologia durante a aula

    As tecnologias da informação e da comunicação (TICs) estão cada vez mais presentes na sala de aula. Pensando nisso, o Ministério da Educação criou o Aluno Integrado, programa que proporciona formação em TICs para estudantes da rede pública de ensino brasileiro. Com o programa, os alunos se tornam parceiros do professor e da escola, auxiliando tanto nas aulas, como no cuidado com os equipamentos dos laboratórios.  

    O Aluno Integrado é parte do Programa Nacional de Formação Continuada em Tecnologia Educacional (Proinfo Integrado), que envolve a distribuição de laboratórios, a capacitação de professores para o uso das TICs nas escolas e oferta de conteúdos educacionais. Em 2009, foi realizado um projeto piloto com a participação de 2.700 alunos indicados pelos coordenadores do Proinfo Integrado e pela União dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) em todos os estados.

    Segundo Demerval Bruzzi, diretor de produção de conteúdo e formação da Secretaria de Educação a Distância (Seed) do MEC, a iniciativa funciona como uma estratégia para reduzir a evasão escolar, pois aumenta a autoestima do aluno, a interação com o professor e ainda dá oportunidade para ingressar no mercado de trabalho.

    O estudante Jackson Bruno dos Santos, do município de Esplanada (BA), também acredita nisso. Ele participou do piloto do Aluno Integrado. “Tudo o que aprendi nesse curso vou levar para a sala de aula e para a vida. No curso, aprendemos que a sociedade vive em rede e o computador já está em muitos lares. É importante ter esse conhecimento”, diz.

    O curso é oferecido para alunos a partir do nono ano, com carga horária de 180 horas (cinco meses), dividido em quatro módulos. Por meio de uma plataforma desenvolvida especialmente para o aprendizado de informática a distância, os jovens aprendem sobre educação a distância, história da informática. Os participantes também têm aulas de hardware (equipamentos), manutenção de computadores e sistemas operacionais.

    O conteúdo utilizado nos cursos foi elaborado por estudantes de instituições de ensino superior parceiras do programa, como a Universidade Federal de Goiás (UFG) e a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), com material fornecido por algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo. O MEC já recebeu 75 mil pedidos de vagas para este ano.  

    Para participar, os interessados devem procurar o representante da Undime local ou o coordenador do Proinfo Integrado nas secretarias de educação estaduais ou municipais. O aluno também pode enviar uma O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. eletrônica.

    Rafânia Almeida
  • Programa formará 12 mil professores em 18 estados

    O Programa de Formação Inicial para Professores em Exercício na Educação Infantil (Proinfantil) deve beneficiar 12 mil educadores de creches e pré-escolas a partir de julho, quando entrará na terceira etapa. A meta foi anunciada na reunião executiva dos gestores do programa, em Brasília. O encontro, que termina nesta quinta-feira, dia 30, avalia as duas primeiras etapas e estabelece o planejamento para a próxima, na qual o número de estados participantes passará de nove para 18.


    O Proinfantil passa a contar com a parceria de mais 13 universidades federais no processo de capacitação. Com isso, terá o apoio de 17 instituições. A expansão, segundo o secretário de educação a distância do Ministério da Educação, Carlos Bielschowsky, é prova da eficiência e do amadurecimento do programa. “É um curso produzido não apenas para oferecer conteúdos, mas melhorar o processo de ensino”, afirma.  Bielschowsky salienta que a evolução ocorreu tanto do ponto de vista operacional quanto pedagógico. “É o resultado da integração do MEC com estados, municípios e as universidades federais.”


    Resultado de parceria entre as secretarias de Educação a Distância (Seed) e de Educação Básica (SEB), estados e municípios, o Proinfantil já formou 9,5 mil profissionais na modalidade normal. A meta é atender 32 mil professores com conteúdos pedagógicos e psicológicos. Os beneficiados recebem material específico para a educação a distância e participam de encontros presenciais. O curso, com duração de dois anos, permite ao professor obter informações, compartilhar conhecimentos e esclarecer dúvidas.

    Assessoria de Imprensa da Seed

  • Programa incentiva professor a buscar chance de formação

    O programa Caminhos da Escola desta quinta-feira, 27, vai a Limoeiro, Pernambuco, para mostrar como funciona a educação a distância. O personagem é o auxiliar de serviços gerais José Aluísio de Moura, que sonhava em fazer curso universitário, mas esbarrava na falta de recursos e de uma instituição de educação superior próxima de casa.

    Aluísio cursa pedagogia na Universidade Federal da Paraíba e computação na Universidade Federal Rural de Pernambuco, ambas as disciplinas a distância. Ele afirma que essa modalidade de ensino é a oportunidade de formação para professores que precisam estudar sem deixar de trabalhar.

    A edição do programa que vai ao ar nesta quinta-feira, às 22h, conta com a participação de Eduardo Bueno, escritor, tradutor, editor e jornalista. Autor do livro Terra Brasilis, que já vendeu mais de um milhão de exemplares, Bueno conversa descontraidamente com alunos do Colégio Estadual Ruben Berta, de Porto Alegre, sobre a profissão de professor e a importância da literatura na formação do jovem.

    O programa mostra ainda o desafio de alunos do Colégio Estadual Itália,  também de Porto Alegre, em campanha de combate ao bullying. Eles usam música e teatro para mostrar como as agressões físicas e verbais, a exclusão e o preconceito afetam a vida de todos na escola.

    O programa Caminhos da Escola é exibido às quintas-feiras, às 22h, pela TV Escola, com reprises aos sábados, às 17h, e segundas-feiras, às 22h. A TV Escola pode ser sintonizada com antena parabólica digital ou analógica em todo o país e na página eletrônica do MEC. O sinal está disponível também nas operadoras de tevê por assinatura via Embratel (canal 123), Sky (canal 112) e Telefônica (canal 694).

    Assessoria de Imprensa da Seed
  • Programa Salto para o Futuro promove debate sobre a Conae

    O programa Salto para o Futuro, da TV Escola, promoverá, na sexta-feira, 24, um debate especial sobre a Conferência Nacional de Educação (Conae), que será lançada na quinta-feira pelo ministro da Educação, Fernando Haddad. A Conae constituirá, em 2010, um fórum democrático com propostas que visam promover a melhoria da área em todos os seus níveis e modalidades.


    A edição especial do programa, que irá ao ar às 19h, mostrará a importância da participação da sociedade, gestores, pais, estudantes, professores e entidades representativas na discussão da educação brasileira. As ideias apresentadas até o fim do ano serão avaliadas na conferência nacional, que ocorrerá em abril de 2010.


    O debate contará com a participação do coordenador-geral de articulação e fortalecimento dos sistemas de ensino da Secretaria de Educação Básica do MEC, Arlindo Queiroz. Também foram convidados o professor emérito da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e coordenador do grupo de pesquisas História, Sociedade e Educação no Brasil, Dermeval Saviani, além do professor adjunto da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), Jamil Cury. A comunidade poderá participar do programa pelo telefone 0800-021-6689, ou enviando mensagem para O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo..


    O Salto para o Futuro especial será reapresentado no dia 27, às 8h e às 15h. A TV Escola pode ser assistida no portal do MEC ou sintonizada via antena parabólica, digital ou analógica, em todo o país. O sinal está disponível ainda nas operadoras de tevês por assinatura DirecTV (canal 237) e Sky (canal 27).

    Assessoria de Imprensa da Seed

  • Programa Salto para o Futuro terá entrevistas e debates

    Após 18 anos no ar, o programa Salto para o Futuro passa a ser exibido em formato diferente para acompanhar as mudanças na TV Escola. O novo programa, que vai ao ar nesta segunda-feira, 13, às 19h, será dividido em revista, entrevista e debate.


    A semana começa com o formato de revista. Nas segundas, terças e quartas-feiras, o programa delineará os grandes eixos de apresentação de questões relevantes no cenário da educação. Na quinta-feira, irão ao ar as entrevistas com especialistas. O programa contará com três entrevistados, que vão ampliar o assunto proposto.


    As sextas-feiras serão dedicadas aos debates, com transmissão ao vivo e amplo espaço para interatividade, via telefone e mensagens eletrônicas. Ao longo de toda a série, agora com 48 minutos de duração, um fórum na internet e uma linha telefônica estarão disponíveis para permitir o envio de questões aos convidados.


    Segundo o secretário de educação a distância do Ministério da Educação, Carlos Eduardo Bielschowsky, as alterações feitas na programação foram de extrema importância. “O Salto é um programa maravilhoso, mas precisava passar por uma reformulação após 18 anos no ar”, disse. “Com isso, o deixamos mais dinâmico para abordar temas fundamentais do dia a dia do professor.”


    O coordenador-geral da TV Escola, Érico da Silveira, ressalta a relevância de o novo formato não se prender tanto ao estúdio e ir mais as ruas. “O Salto passa de um programa de debates a uma revista eletrônica. Ele sai do estúdio e vai para onde a educação acontece”, destacou.


    No programa de hoje, é proposta uma discussão sobre o currículo escolar, conhecimento e cultura, com base nas diversidades da sociedade.


    A TV Escola pode ser sintonizada via antena parabólica, digital ou analógica, em todo o país. O sinal está disponível também nas operadoras de tevê por assinatura DirecTV (canal 237) e Sky (canal 27).

    Assessoria de Imprensa da Seed

Fim do conteúdo da página