Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Educação profissional para mil mulheres

    Da esquerda pra direita: Paul Hunt (embaixador do Canadá), Eliezer Pacheco (secretário de educação profissional do MEC) e Paulo de Miranda (ministro da Agência Brasileira de Cooperação no lançamento do Mulheres Mil em Brasília (Júlio César Paes)Uma esperança, uma oportunidade de estudar e se preparar para entrar em campo. Segundo a aluna Vera Lúcia Francisca da Silva, 37 anos, moradora da Vila Chico Mendes, em Pernambuco, é isso que representa o Mulheres Mil. O programa foi lançado nesta segunda-feira, 24, pelo Ministério da Educação e pelo governo do Canadá, por meio da Associação dos Colleges Canadenses, parceiros na execução da ação. O público-alvo são mulheres brasileiras de 18 a 60 anos de idade. Elas trabalham em atividades diversas. São marisqueiras, faxineiras, artesãs, donas de casa, costureiras, agricultoras e cozinheiras. 

    O secretário de educação profissional do MEC, Eliezer Pacheco, ressaltou a potencialidade de inclusão do programa e a importância da parceria com o Canadá. “O Mulheres Mil está oferecendo acesso à educação profissional para trabalhadoras do Norte e do Nordeste, regiões que historicamente sofrem diversos tipos de exclusão. Estamos satisfeitos com esse trabalho conjunto e queremos ampliá-lo cada vez mais”, diz.

    Para o embaixador da Canadá, Paul Hunt, o Mulheres Mil contribuirá para o combate às desigualdades e a promoção da equidade, tendo a educação como o instrumento de mudanças. “O ensino profissional e tecnológico é fundamental para o desenvolvimento social e econômico de um país”, observou. “Estamos muito honrados por poder compartilhar com o Brasil a experiência dos colleges, que há mais de duas décadas promovem acesso a populações desfavorecidas.”

    Educação profissional para mil mulheresCom investimento de R$ 7 milhões, a meta é promover a inclusão no mundo do trabalho de mil mulheres desfavorecidas. Os cursos ofertados são nas áreas de corte e costura, artesanato, beneficiamento de couro de peixe, processamento de frutas, reciclagem de lixo, gastronomia e turismo.

    As capacitações estão sendo feitas pelos Centros Federais de Educação Profissional e Tecnológica (Cefets) de Alagoas, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Roraima, Sergipe, além da escola técnica de Tocantins. Em cada Estado, a escolha do curso levou em conta a vocação econômica da região e também das principais interessadas, as mulheres beneficiadas pelo programa.

    Participaram da cerimônia de lançamento a representante da Agência Canadense para o Desenvolvimento Internacional, Anne Godê, Paulo Miranda, ministro da Agência Brasileira de Cooperação, o presidente do Conselho dos Diretores dos Centros de Educação Tecnológica (Concefet), Paulo César Ferreira, o vice-presidente da Associação Comunitária dos Colleges Canadenses, Paul Brennan e o presidente da Rede Norte e Nordeste de Educação Profissional e Tecnológica (Redenet), Sergio França.

    Conheça o portal Mulheres Mil.

    Assessoria de imprensa da Setec

Fim do conteúdo da página