Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Saiba como recuperar a senha do Enem para participar do Sisu
Início do conteúdo da página
  • Professores criam material didático para jovens e adultos

    Um grupo de professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo produziu material didático de matemática que pode ser empregado em vários cursos. O conteúdo foi idealizado para permitir a integração curricular de disciplinas de conhecimentos gerais e de disciplinas profissionalizantes.

    O material contém fichas temáticas que propõem problemas com base na experiência de vida e profissional dos alunos — pessoas com mais de 18 anos de idade que completaram o ensino fundamental e agora cursam o ensino médio integrado ao ensino profissionalizante. O campus de Vitória do instituto capixaba oferece cursos do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja) em edificações, metalurgia e segurança do trabalho.

    Segundo o professor Rony Cláudio de Oliveira Freitas, coordenador de especialização do Proeja, o material serve de estímulo a outras instituições na criação do próprio material didático de matemática, com base nas especificidades de cada uma.

    Ana Júlia Silva de Souza
  • Professores recebem orientação sobre obras para jovens e adultos

    A partir de segunda-feira, dia 14, professores e diretores de escolas públicas e entidades parceiras do programa Brasil Alfabetizado poderão fazer a indicação dos livros didáticos que serão usados no próximo ano por jovens e adultos matriculados em turmas de alfabetização. As orientações para a escolha, que deve ser feita até 22 de janeiro, estão à disposição, na internet.


    A indicação dos livros envolve uma série de regras a serem observadas para garantir a transparência e a lisura do processo. As normas estão especificadas no termo de acordo. Dele constam os compromissos de cada instituição de ensino com o uso e sigilo da senha de acesso ao sistema e medidas para evitar problemas, como o assédio de editoras.


    A carta de orientações para a escolha explica a importância da consulta prévia ao Guia do Livro Didático, que reúne informações detalhadas sobre as obras aprovadas pelo Ministério da Educação e indica os procedimentos necessários para o registro dos livros selecionados pelas escolas.


    Criado para ajudar no combate ao analfabetismo a partir dos 15 anos, o Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos (PNLA) distribuiu, em 2009, 2,8 milhões de livros. Foram 36 títulos, num investimento de R$ 18,8 milhões.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE

  • Programa abre novo ciclo com 250 mil vagas para alfabetização

    Estados, municípios e o Distrito Federal podem fazer sua adesão ao ciclo 2016 do programa Brasil Alfabetizado a partir desta segunda-feira, 19. Nesta fase, serão ofertadas 250 mil novas oportunidades para alfabetização de jovens e adultos com 15 anos ou mais. O Ministério da Educação vai repassar R$ 132 milhões para custos com material didático e pedagógico, formação dos alfabetizadores, alimentação e transporte dos alfabetizandos.

    “No processo de adesão, os entes executores – estados e municípios – devem apresentar os projetos, a quantidade de alfabetizandos e de alfabetizadores, e explicar como vai ser a formação dos alfabetizadores e como serão organizadas as turmas”, explica a secretária de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do MEC, Ivana de Siqueira. “Eles também deverão indicar como pretendem utilizar os recursos”, complementa. O prazo para adesão a esse ciclo será estendido até o final de fevereiro do próximo ano.

    A oferta de vagas em 2016 supera em 50% o número disponível no ciclo 2015, ainda em execução. Nesta fase, 168 mil pessoas estão sendo alfabetizadas em todo o país. Atualmente, 12,8 milhões de brasileiros com mais de 15 anos não são alfabetizados, segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD). “A alfabetização de jovens e adultos é uma ação compartilhada, que deve ser executada em regime de cooperação”, destaca Ivana. “É uma responsabilidade da União com estados e municípios.”

    O Brasil Alfabetizado é um programa voltado à alfabetização de jovens, adultos e idosos, que atende as pessoas excluídas do processo de educação em razão das desigualdades sociais. A secretária do MEC ressalta, no entanto, que ele é uma iniciativa do governo federal para incentivar estados e municípios a abrir os seus próprios ciclos de alfabetização. “O processo de alfabetização não pode terminar com a conclusão de um curso. O estado e o município também devem apresentar as possibilidades de continuidade dessa educação para o alfabetizando que começou agora o processo de escolarização”, afirma.

    A resolução Nº 9, de 16 de dezembro, que abre o ciclo 2016 do programa Brasil Alfabetizado e estabelece os procedimentos para a adesão dos entes executores, foi publicada no Diário Oficial da União desta segunda-feira, 19, e republicada na quinta-feira, 22. O processo de adesão deverá ser feito por meio da página do programa. Dúvidas poderão ser esclarecidas pelo telefone (61) 2022.9171.

    Assessoria de Comunicação Social 

  • Programa do livro didático terá edital na sexta-feira

    Foto: Wanderley PessoaA Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) do Ministério da Educação lança na sexta-feira, 4, o edital do Programa Nacional do Livro Didático para Educação de Jovens e Adultos (Pnldeja), em parceria com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). A iniciativa, inédita, vai beneficiar cerca de 5,7 milhões de estudantes.

    A partir do lançamento, editoras interessadas devem fazer a pré-inscrição das obras no FNDE, pela internet. A Secad será responsável pela avaliação dos títulos, que devem atender critérios estabelecidos pelo edital. Pela primeira vez, serão contempladas publicações de educação de jovens e adultos específicas para educação no campo, educação escolar indígena e quilombola e educação em prisões.

    O Pnldeja incorpora o Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos (PNLA), responsável pelo atendimento a estados e municípios participantes do programa Brasil Alfabetizado e a escolas públicas com turmas de alfabetização. O novo programa amplia o atendimento, com a inclusão de segmentos de educação de jovens e adultos que correspondem ao ensino fundamental.

    O processo de indicação das obras também será diferente em relação ao PNLD para o ensino regular. As escolas terão ampla participação no processo, mas a escolha será centralizada pelas secretarias municipais e estaduais de educação, que definirão as obras para todas as escolas.

    De acordo com o diretor de políticas de educação de jovens e adultos do Ministério da Educação, Jorge Teles, o fornecimento do livro didático completa um ciclo de institucionalização da educação de jovens e adultos como política pública de Estado. Outros avanços conquistados foram a inclusão dessa modalidade de ensino no Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb), nos programas de transporte e merenda escolar e no Guia de Tecnologias.

    Teles destacou, ainda, a formação de professores e alfabetizadores, em cursos a distância, pelo sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) e, de forma presencial, por universidades públicas.

    Juliana Meneses
  • Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja)

    Conheça a história e as ações do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos (Proeja)

  • Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos – PNLA 2009

    ABERTA A ADESÃO AO PNLA 2009 para as redes públicas de ensino estaduais, municipais e do Distrito Federal e Futuras Entidades parceiras do PBA 2009 Até o dia 30 de abril de 2009


    Adesão

    As redes públicas de ensino que ofereçam turmas de alfabetização na modalidade educação de jovens e adultos e as futuras entidades parceiras do PBA 2009 que desejarem receber livros didáticos, em 2009, deverão aderir ao PNLA por meio da assinatura do Instrumento de Adesão que está disponível no Sistema Brasil Alfabetizado até o dia 30 de abril de 2009.
    (Após clicar no link acima, informe o CNPJ da instituição, o CPF do dirigente e selecione o Tipo de adesão “Rede Pública de Ensino” ou “Entidade parceira do PBA 2009”).


    Condições de participação – Redes públicas de ensino

    a) A efetivação do Instrumento dar-se-á mediante a distribuição das obras didáticas – livro do alfabetizando e manual do alfabetizador - aos alunos e aos professores de alfabetização da modalidade educação de jovens e adultos, de acordo com os dados do censo escolar da educação básica, realizado pelo INEP e com as competências dos partícipes do PNLA 2009 previstas na Resolução CD/FNDE nº 01, de 13 de fevereiro de 2009;
    b) As redes de ensino que optarem pelo recebimento das obras didáticas, para o período letivo de 2009, receberão a obra mais distribuída conforme a escolha realizada no exercício de 2008 em sua unidade federativa ou região;
    c) Para o PNLA 2010 e 2011, haverá um novo processo de escolha de obras didáticas, conforme regras específicas.


    Condições de participação – Futuras entidades parceiras do PBA 2009

    a) Compromisso em firmar o Termo de Adesão ao Programa Brasil Alfabetizado 2009 e executar suas ações;
    b) A efetivação da Instrumento dar-se-á mediante a distribuição das obras didáticas – livro do alfabetizando e manual do alfabetizador - aos alfabetizandos, alfabetizadores, tradutores-intérpretes de LIBRAS e coordenadores de turmas cadastrados no Sistema Brasil Alfabetizado – SBA 2009, conforme a Resolução CD/FNDE nº 01, de 13 de fevereiro de 2009;
    c) As entidades parceiras do PBA 2009 que optarem pelo recebimento das obras didáticas, para o período letivo de 2009, receberão a obra escolhida por sua entidade em 2008. As entidades que não aderiram ao PNLA 2008 receberão a obra mais distribuída conforme a escolha realizada no exercício de 2008 em sua unidade federativa ou região;
    d) Para o PNLA 2010 e 2011, haverá um novo processo de escolha de obras didáticas, conforme regras específicas.

  • Projeto capacita pescadores e agricultores em Mato Grosso

    Pescadores do Rio Paraguai, em Cáceres, com idades que variam de 30 a 80 anos, fazem curso de alfabetização e do ensino fundamental com profissionalização na área em que já trabalham (foto: guiadapesca.com.br)Pescadores do Rio Paraguai e pequenos agricultores de uma comunidade tradicional do município de Cáceres, em Mato Grosso, são protagonistas de projeto de alfabetização de jovens e adultos e ensino fundamental combinado com educação profissional, ganhador da Medalha Paulo Freire de 2011. O projeto Proeja-Fic, que reúne as duas comunidades, é desenvolvido há dois anos pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso, em Cáceres.

    Estão envolvidos no projeto 138 pescadores e 68 agricultores. O curso completo tem duração de quatro anos e meio, com certificação correspondente ao ensino fundamental.

    De acordo com a coordenadora do projeto, Inêz Aparecida Deliberaes Montecchi, o Proeja-Fic [Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos na Formação Inicial e Continuada Integrada com Ensino Fundamental] oferece dois cursos. Um com cinco turmas de pescadores, piloteiros de barcos e cozinheiros de hotéis e restaurantes da orla do Rio Paraguai. O outro reúne pequenos produtores rurais de Vila Aparecida, distante 50 quilômetros do centro urbano de Cáceres.

    Para os pescadores, que têm idade de 30 a 80 anos, o instituto federal criou curso de alfabetização e ensino fundamental com profissionalização na área de pescados. A parte profissionalizante compreende uma série de itens, como coleta de peixes, limpeza, conservação, alimentação e segurança do trabalho. O curso é intensivo no período do defeso — época do ano em que a pesca é proibida —, que vai de novembro a fevereiro, com aulas das 17 às 21 horas, e de março a outubro, com aulas mensais em acampamentos à beira do rio.

    De acordo com Inêz, as atividades dos alunos são acompanhadas pelos professores, nesses acampamentos, durante os oito meses de pesca liberada. No transporte, são usados dois barcos, de 6 metros de comprimento e motor de 20 HP, adquiridos pelo instituto com recursos da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação. O acampamento mais distante fica próximo da reserva ecológica Paiamã, a quatro horas de barco a partir de Cáceres.

    Trabalham com os pescadores cinco professores da Secretaria de Educação de Cáceres, parceira do projeto. Eles abordam o conteúdo das disciplinas básicas do ensino fundamental. Outros cinco professores do instituto ensinam o conteúdo de educação profissional na área de pescados.  Conforme a coordenadora do projeto, os 138 pescadores já estão alfabetizados.

    Agricultores — O curso para os agricultores da Vila Aparecida tem o mesmo núcleo básico do ensino fundamental agregado à formação profissional em processamento de produtos de origem animal — produção de leite, queijo, iogurte, linguiça e hambúrguer; higiene e manipulação; perigos da reprodução de bactérias e contaminação.

    As aulas acompanham o período letivo convencional, ministradas das 17h30 às 21h30 — o horário foi escolhido pelos alunos. Segundo Inêz, 23 alunos de uma das três turmas que iniciaram as aulas em janeiro receberão certificados em fevereiro próximo. Os demais, todos já alfabetizados, seguem com as aulas e a formação profissional.

    Na Vila Aparecida, as aulas de alfabetização e das disciplinas do ensino fundamental são ministradas por seis professores do município. A formação profissional está sob a responsabilidade de cinco professores do instituto.

    Ionice Lorenzoni

    Confira os cinco projetos ganhadores da Medalha Paulo Freire, entregue no dia 14 deste mês, na Universidade Federal da Paraíba (UFPB)


  • Projetos de educação para jovens e adultos recebem prêmio

    Foto: Wanderley PessoaA Medalha Paulo Freire, que reconhece experiências e políticas bem sucedidas de educação de jovens e adultos, será entregue a quatro entidades na próxima quinta-feira, 17. A premiação será feita após a abertura do 11º Encontro Nacional de Educação de Jovens e Adultos, que acontece em Belém, de 17a 20.

    Receberão a Medalha Paulo Freire, o programa Reescrevendo o Futuro, da Universidade do Estado do Amazonas; o projeto Cine Sesc, do Sesc Ler, de Quixeramobim (CE); o projeto Experimental de Educação de Jovens e Adultos, da secretaria municipal de educação de Divinópolis (MG); e o projeto Relendo o Mundo pelas Lentes da Educação, da secretaria municipal de Mangaratiba (RJ).

    Criada pelo Decreto nº 4.834/2003, mesmo instrumento que regulamentou o programa Brasil Alfabetizado, a Medalha Paulo Freire é concedida a universidades, secretarias e organizações da sociedade civil que se destacam pelo esforço na promoção da alfabetização de jovens e adultos no país. O prêmio, que tem o nome de um dos mais notáveis educadores brasileiros, foi entregue pela primeira vez em 2005.

    A medalha foi criada pelo artista e escultor pernambucano Francisco Brennand. A escolha de Brennand não considerou apenas o talento do artista, mas também a aproximação dele com Paulo Freire. Brennand (1927) e Freire (1921-1997) nasceram em Recife e ali iniciaram suas atividades. Foi também Francisco Brennand que ilustrou o primeiro material usado pelo educador na experiência com alfabetização de adultos, em Angicos (RN), em 1963.

    11º Encontro – O Encontro Nacional de Educação de Jovens e Adultos vai discutir a Identidade dos Fóruns de EJA: conquistas, desafios e estratégias de luta. Participam do evento delegados dos fóruns de todas as unidades da Federação. O programa, a relação dos delegados e os documentos estão na página eletrônica do 11º Eneja.

    Ionice Lorenzoni
  • Provas do Encceja Nacional ocorrerão neste domingo, dia 5, com 1,6 milhão de inscritos

    Chegou a hora para jovens e adultos que não concluíram os ensinos fundamental ou médio na idade adequada colocarem em prática seus conhecimentos e buscarem a tão sonhada certificação de conclusão. O teste final será no próximo domingo, 5, quando ocorre a aplicação do Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos (Encceja Nacional 2018), em 592 municípios de todo o Brasil. As provas serão realizadas nos turnos matutino e vespertino.

    Este ano, mais pessoas farão o Encceja Nacional. Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), autarquia federal vinculada ao Ministério da Educação que é responsável pela aplicação do exame, mais de um milhão de pessoas deve se submeter às provas. As inscrições para esta edição bateram recorde e alcançaram 1.695.607 inscritos. Desse total, 356.326 desejam obter o certificado de conclusão do ensino fundamental e 1.339.281, do ensino médio.

    É importante conferir os locais de prova na página do participante, e se o documento com foto usado na inscrição está válido e em bom estado. Além disso, é preciso verificar os documentos permitidos pela organização do Encceja 2018 para garantir presença em sala de aula, de preferência os utilizados no ato da inscrição. Entre os aceitos, estão passaporte do Mercosul, cédula de identidade (RG) e Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

    O Encceja Nacional é direcionado aos jovens e adultos que não tiveram a oportunidade de concluir seus estudos em idade própria e que atendam ao artigo 38, parágrafos 1º e 2º, da Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996: tenham, no mínimo, 15 anos completos na data de realização do exame, para quem busca a certificação do ensino fundamental; ou, no mínimo, 18 anos completos na data de realização do exame, para quem busca a certificação do ensino médio.

    A edição 2018 abrange 28 municípios a mais que em 2017, cuja edição marcou o retorno da certificação do ensino médio para o exame e teve 1.575.561 inscritos, o equivalente a 7,08% a menos que em 2018. O exame foi realizado pela primeira vez em 2002 para aferir competências, habilidades e saberes de jovens e adultos que não concluíram o ensino fundamental ou ensino médio na idade adequada. Antes, a certificação para alunos da educação de jovens e adultos (EJA) era feita por meio de provas realizadas pelas secretarias municipais ou estaduais de educação, outra opção para obtenção do certificado.

    Certificado - Embora seja organizado e aplicado pelo Inep, a emissão do certificado e declaração de proficiência no exame aos jovens e adultos é de responsabilidade das secretarias estaduais de educação e dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, que firmam termo de adesão para participarem do exame.  

    Os testes têm quatro aplicações, com editais e cronogramas distintos: Encceja Nacional para residentes no Brasil; Encceja Nacional PPL, para residentes no Brasil privados de liberdade ou que cumprem medidas socioeducativas; Encceja Exterior, para brasileiros residentes no exterior; e Encceja Exterior PPL, para residentes no exterior privados de liberdade ou que cumprem medidas socioeducativas. As aplicações fora do Brasil são realizadas em parceria com o Ministério das Relações Exteriores (MRE).

    Além desta edição do Encceja Nacional, o Inep aplicará o Encceja Exterior, no dia 16 de setembro, para os brasileiros que vivem em outros países. Também serão realizadas avaliações para pessoas privadas de liberdade (PPL) no Brasil, em 18 e 19 de setembro, bem como no exterior, entre os dias 17 e 21 de setembro.

    Acesse a página do participante no portal do Inep.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Publicações - Proeja

    Proeja - Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - Educação Profissional Técnica de Nível Médio / Ensino Médio

     

    Proeja - Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - Formação Inicial e Continuada / Ensino Fundamental

     

    Proeja - Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - Educação Profissional e Tecnológica Integrada à Educação Escolar Indígena

     

    Fórum Proeja - Carta de Santa Maria

    Fórum Proeja - Carta de Belo Horizonte

     

    Documento final Proeja 2007

     

    Encontro Proeja FIC 2010

     

    Folder do Programa (versão Português, Inglês e Espanhol)

     

  • Realidade vivenciada pelos alunos possibilita novos projetos e tecnologias em escola do Piauí

    O sistema de irrigação foi criado coletivamente a partir das experiências dos estudantes (Arte: ACS/MEC)Projeto pedagógico desenvolvido com os alunos da educação de jovens e adultos (EJA) no Centro Educacional Sesc Ler, no município de Acauã, Piauí, foi além da sala de aula. Iniciado em 2013, durante período de escassez de água, comum naquela região do Semiárido, o projeto Agricultura Familiar em Contexto: da Vivência à Sobrevivência possibilitou o cultivo de frutas e verduras na escola e na residência dos alunos.

    O sistema, que usa garrafas plásticas e um equipo — dispositivo usado em aplicação de soro para controle de fluxo e dosagem de líquidos —, foi criado coletivamente com os estudantes a partir de suas próprias experiências. De acordo com o professor Almir Francisco de Sousa, a sala de aula, “apropriando o contexto dos alunos, repensa com eles novas possibilidades, a partir da própria realidade, para nela intervir”.

    Usado inicialmente em uma plantação de melancias na horta da escola, o projeto foi disseminado entre as famílias dos alunos e passou a ser adotado em diferentes locais e com outras espécies de plantas. Isso foi possível por se tratar de uma tecnologia artesanal, que aproveita materiais reciclados, como embalagens de refrigerantes e de sabonetes líquidos.

    Segundo Almir, hoje na direção do centro educacional, a experiência reafirma a importância da condição do professor enquanto aprendente. “É na escuta dos alunos que precisamos focar o nosso saber-ouvir”, diz. “Devemos enxergá-los como participantes no processo de definição do currículo, na organização do planejamento e na avaliação, a partir de suas necessidades de aprendizagem, com o desafio de torná-las significativas e contextualizadas à realidade.”

    De acordo com o professor, a colheita das melancias foi o principal indicador do resultado do experimento e comprovou a funcionalidade do sistema de irrigação. “A aplicabilidade da tecnologia construída, simples e acessível, que ultrapassou os muros da escola e chegou aos quintais e roças dos alunos e seus familiares, irrigando outras culturas, como caju, abóbora, laranja e goiaba, foi um benefício significativo provocado pela invenção”, avalia.

    Premiação — Agraciado com menção honrosa, em abril deste ano, durante a premiação da Medalha Paulo Freire, promovida pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação, o projeto continua a desenvolver ações, testes e experimentos. Assim, o sistema de irrigação foi instalado recentemente em uma goiabeira do pomar da escola, enquanto outra árvore da mesma espécie foi deixada exposta ao clima característico da região. “O resultado foi notório: a árvore com o sistema de irrigação produziu frutos viçosos e em maior quantidade ao receber dosagem controlada e sem desperdício de água; a outra frutificou em menor quantidade e de forma atrofiada”, revela Almir.

    Pedagogo, com especialização em gestão escolar e em docência dos anos iniciais do ensino fundamental, das populações do campo e carcerária, na modalidade da educação de jovens e adultos, Almir, 30 anos, ingressou no Sesc Ler há seis, na função de professor, nessa área. Mas sua experiência com a EJA tem mais tempo. “Comecei aos 16 anos, com alfabetização solidária, dando aulas na casa de um aluno”, revela. “Ao perceber a carência e a necessidade dos estudantes em recuperar o tempo perdido, meu gosto pela área aumentou.”

    Além de aulas a turmas da EJA do primeiro ao quarto ano do ensino fundamental, no período noturno, o Centro Educacional do Sesc Ler oferece aulas de educação infantil, de manhã; à tarde, de orientação escolar, recreação e lazer, por meio do Projeto Habilidades de Estado (PHE).

    Estímulo — Para Rozenilda Castro, coordenadora estadual do Projeto Sesc Ler Piauí, o trabalho com diferentes comunidades no campo da educação de jovens e adultos tem sido, antes de tudo, um estímulo à inventividade no currículo e nas estratégias pedagógicas para a permanência dos alunos em sala de aula. “Os desafios nos alertam, mas é na busca de superações que focamos os nossos olhares e as nossas ações”, analisa.

    De acordo com a coordenadora, muitas vezes, basta escutar os alunos com muita atenção, pois eles dão pistas o tempo todo. “Então, fazemos um exercício constante com nossa equipe pedagógica: o que os alunos nos dizem? E o que fazemos com o que escutamos dos nossos alunos?”

    Há 30 anos no Sesc Piauí e há 12 no Projeto Sesc Ler — desde que foi implantado no estado —, Rozenilda coordena cinco centros educacionais do Serviço Social do Comércio (Sesc), nos municípios de Acauã, Guaribas, Piripiri, São João do Piauí e São Raimundo Nonato. Pedagoga, com mestrado em educação, ela cursa doutorado em educação na Universidade Federal do Piauí (UFPI).

    Fátima Schenini

    Saiba mais no Jornal do Professor

    Leia também:

  • Recém-alfabetizados conhecerão autores clássicos brasileiros

    Mário Quintana, Carlos Drummond de Andrade e Luiz Gonzaga integram um time de autores consagrados que serão lidos por brasileiros jovens e adultos que estão aprendendo a ler nas cidades e nas áreas rurais. Textos literários de 12 autores fazem parte da publicação O pequeno livro das grandes emoções, que a Unesco, em parceria com o Ministério da Educação, lança nesta quarta-feira, 2, em Belém.

    Poemas, contos e letras de músicas compõem a coletânea reunida em 60 páginas ilustradas. O grupo de escritores é formado por Quintana, Drummond, Paulo Mendes Campos, Clarice Lispector, Cora Rónai, Victor Giudice, Humberto Teixeira, Luiz Gonzaga, Lygia Fagundes Telles, Chico Buarque, Marina Colasanti e Cora Coralina. O livro é parte das atividades da Unesco para promover a Década da Educação, que começou em 2003 e vai até 2012.

    O pequeno livro das grandes emoções também será o principal instrumento de trabalho de uma oficina de leitura para alunos e professores da educação de jovens e adultos de escolas públicas de Belém. A oficina acontecerá nos dias 2 e 3 de dezembro, no Centro de Estudos Supletivos Professor Luiz Otávio Pereira, sob a coordenação da professora e escritora Maria Valéria Rezende, segunda colocada no Prêmio Jabuti de literatura 2009. O lançamento da publicação e a oficina integram as atividades da 6ª Conferência Internacional de Educação de Jovens e Adultos (Confitea), que acontece em Belém, de 1º a 4 de dezembro.

    Entre os objetivos da publicação da Unesco e do MEC estão o de promover o contato de jovens e adultos recém-alfabetizados com textos literários de qualidade e de diversos estilos.

    Ionice Lorenzoni
  • Recursos do Fundeb para redes públicas podem ser antecipados

    O MEC trabalha para garantir a continuidade dos estudos de jovens e adultos recém-alfabetizados (Foto: Arquivo/MEC) As redes públicas do ensino fundamental podem solicitar ao Ministério da Educação a antecipação de recursos para manter novas turmas de educação de jovens e adultos que ainda não foram contempladas pelo Fundo de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb). É isso que diz a Resolução 48, do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), em vigor desde outubro de 2012.

    A antecipação tem o objetivo de garantir o ingresso imediato de recém-alfabetizados das áreas urbanas, do campo, das prisões, de quilombolas e indígenas, explica o diretor de políticas de educação de jovens e adultos da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi), Mauro José da Silva.

     

    Os recursos se destinam a diversas ações, como o pagamento de professores e de materiais didáticos. “Nossa meta é ampliar o atendimento, fixar o aprendizado e o letramento, assegurar a continuidade dos estudos a que esses cidadãos têm direito”, explica Mauro da Silva. No ano seguinte ao ingresso na educação de jovens e adultos, quando a escola preencher o censo da educação básica do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), essas turmas entram no fluxo anual do Fundeb.

     

    O censo demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com dados coletados em 2010, dá o quadro da realidade do país: dos 65 milhões de jovens e adultos sem o ensino fundamental, apenas 3,9% estão matriculados na educação de jovens e adultos; e dos 22,3 milhões sem o ensino médio, 4,8% estão em turmas de jovens e adultos. O diretor explica que foi para modificar essa realidade que o FNDE publicou a Resolução 48/2012.

     

    Cursos– Conforme a Resolução 3/2010 do Conselho Nacional de Educação, que traz as diretrizes operacionais para a educação de jovens e adultos, são as redes públicas de ensino que definem aspectos como a duração dos cursos e a idade mínima para ingresso e prestação de exames. O formato mais usado no ensino fundamental divide o período em duas fases: anos iniciais – do primeiro ao quarto ano – e anos finais – do quinto ao nono. Cada fase pode ser cumprida em dois anos.

     

    Para apoiar esses estudantes, o MEC criou o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD-EJA), que reúne obras específicas para o público adulto. Aos estudantes de toda a educação básica pública – da educação infantil ao ensino médio, incluindo jovens e adultos – o governo federal garante a merenda e o transporte escolar.

     

    No ensino médio, a educação de jovens e adultos tem duração de 1.200 horas. Em 2014, o Ministério da Educação vai distribuir livros didáticos específicos para eles.


    Ionice Lorenzoni

     

    Confira a Resolução nº 48/2012

     

     

  • Redes devem aderir a programa de livros para alfabetização

    As redes de ensino de todas as unidades da Federação e municípios que possuem turmas de alfabetização e ensino fundamental na modalidade educação de jovens e adultos (EJA), assim como as entidades parceiras do Programa Brasil Alfabetizado, devem fazer a adesão ao Programa Nacional do Livro Didático para Educação de Jovens e Adultos (PNLD EJA) até 27 de agosto.

    O PNLD EJA incorpora o Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos (PNLA), atualmente responsável pelo atendimento dos estados e municípios participantes do Brasil Alfabetizado e das escolas públicas com turmas de alfabetização. O novo programa amplia o atendimento, incluindo o primeiro e o segundo segmentos de EJA, que correspondem aos anos iniciais e finais do ensino fundamental regular.

    A iniciativa, que vai beneficiar cerca de 5,7 milhões de educandos, em 2011, é da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

    O processo de escolha das obras também traz um diferencial em relação ao PNLD para o ensino regular. Os professores e gestores das escolas têm ampla participação no processo, mas a escolha será coordenada pelas secretarias municipais e estaduais de educação, que definirão as obras para todas as suas escolas.

    As turmas de alfabetização das redes de ensino e do Brasil Alfabetizado serão contempladas com livros didáticos de alfabetização de jovens, adultos e idosos que abrangem os componentes curriculares de letramento e alfabetização linguística e numeramento e alfabetização matemática.

    As redes que oferecem ensino fundamental na modalidade EJA que fizerem essa opção receberão materiais de história e geografia regionais destinados ao primeiro e segundo segmentos.

    As turmas do primeiro segmento de EJA contarão com coleções didáticas, abrangendo os componentes curriculares de alfabetização (língua portuguesa e matemática), de língua portuguesa, matemática, ciências, história, geografia e arte.

    Já o segundo segmento da modalidade de ensino será beneficiado com coleções didáticas que abrangerão os componentes curriculares de língua portuguesa, matemática, ciências, história, geografia, arte e língua estrangeira moderna (inglês ou espanhol).

    O processo de adesão pode ser feito na página do PNLD na internet. Os interessados devem consultar também as orientações para adesão ao PNLD EJA 2011 na página eletrônica da Secad.

    Juliana Meneses

    Orientações para a adesão ao PNLD EJA 2011


    Matéria republicada com alteração de informações
  • Resolução garante recursos e a abertura de novas turmas

    Resolução publicada nesta segunda-feira, 3, pelo Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia vinculada ao Ministério da Educação, garante o prosseguimento do programa de Educação de Jovens e Adultos (EJA) e destina recursos para a abertura de novas turmas. Serão reprogramados R$ 90 milhões que estavam disponíveis para o programa nos estados, municípios e Distrito Federal. O MEC vai completar com mais R$ 12 milhões.

    De acordo com a titular da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do MEC, Ivana de Siqueira, o aporte visa atender a demanda urgente de 50 milhões de pessoas em todo o país que ficaram de fora da educação básica – 43 milhões não terminaram o ensino fundamental e outros 7 milhões não concluíram o ensino médio.

    “É uma situação de emergência e, por isso, mesmo na atual situação do país, em recessão, temos que pensar em quem está fora da escola”, observa Ivana. A resolução reafirma as prioridades da EJA, que são o público do programa Brasil Alfabetizado, para que possa seguir nos estudos, além de populações quilombolas, indígenas, das grandes cidades e os que cumprem pena nas unidades prisionais de todo o país.

    Ainda neste mês, o Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle (Simec) será aberto para que estados, municípios e o Distrito Federal possam aderir ao programa. O coordenador-geral da Educação de Jovens e Adultos da Secadi, Carlos Humberto Spezia, explica que todos os municípios que não ofertaram a educação de jovens e adultos têm a oportunidade de abrir novas turmas.

    “A prefeitura vai informar ao FNDE o número de alunos a serem atendidos com base nos dados do Censo, e receberá um valor por aluno para ofertar essa turmas”, disse. O recurso pode ser utilizado para o pagamento de material didático, alimentação, transporte e outros.

    Acesse a Resolução nº 5, de 31 de março de 2017, publicada no Diário Oficial da União nesta segunda-feira, 3.

    Assessoria de Comunicação Social 

  • Sai edital do exame para jovens sob medida socioeducativa e detentos

    As inscrições para o Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para detentos e jovens sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade (Encceja Nacional PPL) serão de 15 a 26 de julho. O edital do exame foi publicado na edição de sexta-feira, 28 de junho, do Diário Oficial da União (DOU).

    O exame, aplicado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), é direcionado àqueles que não concluíram os estudos na idade adequada e serve como oportunidade de obter os certificados do ensino fundamental e médio. O participante deve ter, no mínimo, 15 anos de idade para certificação do fundamental e, pelo menos, 18 anos, para o ensino médio, na data da aplicação. As provas serão aplicadas em 8 e 9 de outubro.

    Adesão – As unidades prisionais e socioeducativas interessadas em aplicar o Encceja Nacional PPL deverão ser indicadas pelos órgãos de administração prisional e socioeducativa brasileiros. É obrigatório firmar termo de adesão, responsabilidades e compromissos com o Inep entre 8 e 19 de julho de 2019, exclusivamente pela internet, por meio do Sistema de Adesão e Inscrição PPL.

    Cada unidade prisional ou socioeducativa indicada terá um responsável pedagógico que, além das inscrições dos participantes, ficará encarregado de acessar os resultados e pleitear a certificação.

    Exame – O exame é dividido em quatro provas objetivas por nível de ensino e uma redação. Cada prova objetiva tem 30 questões de múltipla escolha. Aqueles que buscam a certificação do ensino fundamental serão avaliados nas seguintes áreas do conhecimento: Ciências Naturais; História e Geografia; Língua Portuguesa, Língua Estrangeira Moderna, Artes, Educação Física e Redação; e Matemática.

    Para o ensino médio, o exame exigirá conhecimento nas áreas de Ciências da Natureza e suas Tecnologias; Ciências Humanas e suas Tecnologias; Linguagens e Códigos e suas Tecnologias e Redação; Matemática e suas Tecnologias.

    Assessoria de Comunicação Social, com informações do Inep

  • Saiba mais - Proeja

    Inserção Contributiva


    O projeto de Inserção Contributiva foi criado pela Coordenação Geral de Políticas de Educação Profissional e Tecnológica no intuito de diagnosticar a situação dos cursos PROEJA em algumas  instituições federais, procurando identificar as causas do alto índice de abandono dos cursos e estabelecer estratégias de monitoramento e avaliação para superação da evasão, com a assessoria da SETEC e demais parceiros.


    Ao longo dos anos de 2007 e 2008 foram realizadas visitas em instituições que apresentaram um alto índice de desistência dos cursistas. Nessas visitas foram feitos apontamentos com sugestão de melhoria para todas as instituições e atualmente estão sendo feitas visitas para avaliar se os encaminhamentos foram atendidos bem como se houve uma redução significativa da evasão nos cursos PROEJA.


    Para conhecer melhor as etapas de implantação do projeto de inserção contribuitiva clique aqui 


    Diálogos PROEJA


    Os Diálogos PROEJA são encontros micro-regionais, realizados pelas instituições federais, voltados para equipe técnica, docentes e estudantes dos cursos PROEJA.  Esses encontros foram pensados a partir da análise de dados levantados no projeto de Inserção Contributiva e têm como objetivos:


    1. Facilitar, motivar e estimular a troca de experiências;
    2. Discutir e encaminhar propostas para superação dos desafios pedagógicos do PROEJA na micro-região;
    3.  Apresentar e expor os trabalhos da especialização PROEJA;
    4. Apresentar e expor os trabalhos desenvolvidos no projeto PROEJA CAPES/SETEC;
    5. Integrar várias ações PROEJA realizadas nas instituições federais;
    6. Divulgar o PROEJA para estados, municípios e entidades interessadas;
    7. Viabilizar o encontro dos estudantes PROEJA da micro-região.

    Até o presente momento foram realizados 14 Diálogos PROEJA, totalizando um repasse de R$ 427.944,71. Essa ação foi muito bem recebida pelos institutos federais e, diante disso, a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica ampliará o número de encontros para o ano de 2010.


    Especialização PROEJA


    Desde 2006 a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica - SETEC, no intuito de  apoiar a promoção e a implementação de políticas sistemáticas de formação de docentes e gestores, de produção de conhecimento e de infra-estrutura técnica para os campos educacionais envolvidos no Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - PROEJA,  convida instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica para apresentar projetos de cursos de Pós-Graduação lato sensu em Educação Profissional Integrada à Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos - Especialização PROEJA.
     

    Com o aumento da demanda, ao longo dos anos, os pólos de oferta da Especialização PROEJA foram ampliados. Confira quais os pólos que atenderam a esse convite:


    Especialização PROEJA 2006


    Especialização PROEJA 2007 
     

    Especialização PROEJA 2008


    Especialização PROEJA 2009

     

    Os objetivos da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (SETEC) ao instituir a Especialização PROEJA podem ser sintetizados em três grandes linha: (a) formar profissionais especialistas da educação por meio do desenvolvimento de conhecimentos, métodos, atitudes e valores pertinentes à atividade da docência no PROEJA; (b) contribuir para implementação democrática, participativa e socialmente responsável de programas e projetos educacionais, bem como identificar na gestão democrática ferramentas que possibilitem o desenvolvimento de estratégias, controle e organização do PROEJA; (c) colaborar no desenvolvimento de currículos integrados de Educação Profissional com a Educação Básica na modalidade EJA, reconhecendo a avaliação como dinâmica, contínua, dialógica e participativa e, ainda, como importante instrumento para compreensão do processo de ensino aprendizagem.


    Programa de Apoio ao Ensino e à Pesquisa Científica e Tecnológica em Educação Profissional Integrada à Educação de Jovens e Adultos - PROEJA­CAPES/SETEC


    O PROEJA-CAPES/SETEC tem por objetivo estimular no País a realização de projetos conjuntos de pesquisa utilizando-se de recursos humanos e de infra-estrutura disponíveis em diferentes IES e/ou demais instituições enquadráveis nos termos deste Edital, possibilitando a produção de pesquisas científicas e tecnológicas e a formação de recursos humanos pós-graduados em educação profissional integrada à educação de jovens e adultos, contribuindo, assim, para desenvolver e consolidar o pensamento brasileiro na área.
     

    Para obter maiores informações sobre esse programa clique aqui e acesse o edital. 

    Assistência ao Estudante PROEJA


    Desde 2007, com o objetivo de acompanhar e monitorar os cursos PROEJA em andamento a SETEC elaborou um projeto denominado: Projeto de Inserção Contributiva que foi realizado em mais de 21 instituições da Rede Federal que apresentaram um índice de evasão/desistência superior a 30% no período de 2006/2007. A consolidação dos dados revelou que, dentre as causas da evasão naquelas escolas, a ausência de transporte e alimentação adequados para o estudante.
     

    Nesse sentido é que se insere a proposta deste Ministério, iniciada em 2008, com a criação da Assistência ao Estudante PROEJA, por meio da qual, até o momento, foram descentralizados R$ 4.815.700,00 (R$ 100,00 por estudante), com 9.120 estudantes atendidos em 2008. No intuito de obter informações que possam orientar futuras adequações e melhorias da Assistência, em 18 de novembro de 2008, foi enviado um questionário avaliativo a todas as instituições que foram contempladas com a assistência estudantil.
     

    Segundo os dados da avaliação levantados em 2008, o recurso de R$ 100,00 destinado ao estudante PROEJA contribuiu para a permanência no curso. Dos 2678 estudantes PROEJA que responderam ao item do questionário “A Assistência Estudantil ajuda a resolver algum problema financeiro que limita a ida a escola” 2508 estudantes responderam que concordam com essa afirmativa.
     

    Constatando que as avaliações dessa ação foram em sua maioria positivas, a SETEC segue fomentando a assistência ao estudante, mediante envio de plano de trabalho justificado, planilha com os dados (nome, matrícula,  número de documentos e identificação do curso)  dos estudantes freqüentes dos cursos PROEJA, a partir dos recursos do Programa 1062, Ação 6380 - Fomento ao Desenvolvimento da Educação Profissional.
     

    Para saber quais as instituições foram beneficiadas com a assistência estudantil em 2009 clique aqui


    PROEJA FIC
     

    No dia 08 de abril de 2009 a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica - SETEC do Ministério da Educação - MEC lançou  o Ofício Circular nº 40 GAB/SETEC/MEC  convidando às Instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica para que, em parceria com os municípios brasileiros, elaborassem propostas para implantação do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos,  Formação Inicial e Continuada com o Ensino Fundamental (PROEJA FIC).
     

    Buscando contribuir para melhoria e ampliação da oferta de formação para trabalhadores, a SETEC/MEC ao lançar esse convite considerou que a implantação dos cursos PROEJA FIC envolveriam as seguintes ações:
     

    A - Formação continuada de profissionais para implantação dos cursos PROEJA FIC:


    1)  Docentes, profissionais da educação, técnicos e gestores que estarão envolvidos na implantação e desenvolvimento dos cursos nas escolas municipais.


    2)  Docentes, profissionais da segurança pública, técnicos e gestores que estarão envolvidos na implantação e desenvolvimento dos cursos nos estabelecimentos penais.
     

    B - Implantação dos cursos PROEJA FIC.
     

    C - Produção de material pedagógico para os cursos PROEJA FIC.
     

    D - Monitoramento, estudo e pesquisa com vista a contribuir para a implantação e consolidação de espaços de integração das ações desenvolvidas, bem como de investigação das questões atinentes ao PROEJA, considerando a realidade das escolas municipais ou, conforme o caso, da educação em estabelecimentos penais .
      

    Em relação ao Financiamento, conforme disposto no Ofício Convite, o valor máximo a ser descentralizado por turma de trinta (30) alunos prevista no projeto: sessenta e cinco mil  reais (R$65.000). Esse valor deverá ser investido em: 
      
    - Material de Consumo
     
    - Laboratório de formação básica
     
    - Aquisição, modernização ou adaptação de laboratórios de educação profissional, exceto obras. 
     
    - Material Bibliográfico
     
    - Pagamento de pessoa física para execução do curso de Formação do PROEJA FIC
     
    - Diárias e Passagens para profissionais que ministrarão o curso Formação do PROEJA FIC e farão o monitoramento dos cursos ofertados. 
     
    - Pagamento de pessoa física e jurídica para design, diagramação e impressão.


    Para obter maiores informações acessem os links abaixo:


    Ofícios Circular nº 40/2009
     

    Resultado Proeja Fic
     

    Cursos PROEJA FIC nos municípios

  • Santa Catarina promove fórum regional do Proeja

    Gestores, docentes, discentes e técnicos administrativos envolvidos com o programa que une educação de jovens e adultos à qualificação profissional, o Proeja, estarão reunidos, de 21 a 23 de setembro, no Instituto Federal de Santa Catarina, para o Fórum Regional de Pesquisa e Experiências em Proeja da Região Sul.

    Estão inscritos 400 participantes, todos da região Sul do país. Outros fóruns regionais semelhantes serão promovidos em Brasília, Manaus (AM), Teresina (PI), Santa Maria (RS), Rio de Janeiro (RJ) e Salvador (BA).

    O Proeja é um programa que possibilita a jovens e adultos uma formação profissional articulada com escolarização. A estratégia oferece cursos técnicos de nível médio, cursos de formação inicial e continuada com o ensino médio e de formação inicial e continuada com o ensino fundamental.

    No encontro de Santa Catarina serão divulgadas pesquisas desenvolvidas em cursos de pós-graduação lato e stricto sensu, além de serem difundidas experiências do Proeja na área de gestão, seleção, recepção e permanência de alunos. Além de palestras e oficinas, estão previstas apresentações de relatos de experiências de professores e alunos.

    Carta – O encontro também pretende levantar questões como a concepção do programa, os cursos dessa modalidade de ensino, o perfil dos estudantes, e a construção de currículos do Proeja. Um dos grandes desafios, por exemplo, é investir na formação continuada de professores dessa área. Ao final da discussão, será encaminhada uma carta contendo as principais deliberações ao MEC.

    Desde 2003, o Instituto Federal de Santa Catarina oferece cursos que atendem ao público jovem e adulto. O fórum é resultado de parceria entre o Instituto Federal de Santa Catarina, a Universidade Tecnológica Federal do Paraná, a Secretaria de Estado de Educação do Mato Grosso de Sul e o Instituto Federal do Mato Grosso do Sul.

    Ana Júlia Silva de Souza

  • Secretarias de Educação podem aderir ao programa até dia 31

    As secretarias de educação dos estados, do Distrito Federal e dos municípios têm prazo até 31 deste mês para informar ao Ministério da Educação sobre a abertura de novas turmas de educação de jovens e adultos, conforme prevê a Resolução nº 48, de dezembro de 2013.

    Mauro Silva, diretor de políticas de alfabetização e educação de jovens e adultos do Ministério da Educação, considera que o novo prazo de adesão é necessário para que estados e municípios possam consolidar o processo de planejamento e inserção de dados no Sistema Integrado de Monitoramento, Execução e Controle do MEC (Simec).

    Conforme dados da diretoria de educação de jovens e adultos, até o momento, aderiram ao programa 606 municípios e as secretarias estaduais do Espírito Santo, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Santa Catarina e Tocantins. Mauro Silva explica que a Paraíba e o Piauí são as unidades da Federação que se destacam pelo número de municípios com maior adesão. A Paraíba aparece com 105 municípios e o Piauí, com 64.

    Ionice Lorenzoni

    Confira a Resolução nº 48/2013

    Matéria republicada com correção de informações

  • Separados por uma grade, alunos aprendem e esperam a liberdade

    Professor e alunos separados por uma grade. De um lado da sala, um quadro para o professor escrever. Do outro, um quadro para os estudantes. É assim o ambiente onde são dadas as aulas do curso de auxiliar técnico em gestão na qualidade de serviços, combinado com o ensino fundamental – modalidade educação de jovens e adultos, na Penitenciária Federal de Mossoró (RN). Participam da formação 13 detentos com média de 35 anos de idade que cumprem penas na unidade federal.

     

    O curso, que certifica a conclusão do ensino fundamental com qualificação profissional, chegou à penitenciária de Mossoró a partir de uma parceria firmada entre o câmpus Mossoró do Instituto Federal de Educação do Rio Grande do Norte, a Secretaria Estadual de Educação e o Departamento Penitenciário Nacional (Depen), órgão do Ministério da Justiça, em 2011. A primeira turma concluiu o curso no início de 2013 e a segunda começou as aulas em maio deste ano.

     

    A coordenadora do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na modalidade de Jovens e Adultos (Proeja) no câmpus Mossoró, Lúcia Lima, conta que os detentos demonstram interesse pelo curso porque ele traz uma série de vantagens no cotidiano da prisão.

     

    Sem as aulas, ela explica, os presidiários passam 22 horas nas celas individuais. Quando estão estudando, nas segundas, terças e sextas-feiras, eles têm aulas de manhã, banho de sol, e aulas de tarde. Além disso, os dias de aula contam para a remissão da pena – a cada 12 horas de aula a redução é de um dia. A primeira turma certificou 12 alunos. Um deles não concluiu o curso porque foi transferido para outra unidade prisional.

     

    A coordenadora do curso informa que não basta a boa vontade dos estudantes para o sucesso da formação. No câmpus Mossoró, os cinco professores da parte profissional tiveram que se preparar, se informar e vencer alguns medos relativos ao ambiente para dar as aulas na penitenciária de segurança máxima. Temas como ética e valorização da vida, ética e cidadania, por exemplo, chocam o tempo todo com a realidade deles, diz a coordenadora, e é preciso conduzir a discussão sem censurá-los.

     

    Nos 2,5 anos da vigência da parceria, segundo a coordenadora, não houve qualquer dificuldade, porque os internos tiveram bom comportamento em todas as aulas e se mostraram interessados e envolvidos. Ao final de cada disciplina são feitas avaliações sobre o curso, com a participação de alunos e professores. Segundo Lúcia, um estudante fez um cordel e leu para a turma falando sobre sua satisfação com as aulas.

     

    O curso de Gestão em Qualidade de Serviços ministrado na Penitenciária Federal de Mossoró combina parte presencial e a distância. Ao final de cada aula, os detentos levam tarefas para serem cumpridas individualmente, na cela. No conjunto são 1,4 mil horas, sendo 1,2 mil do curso regular do ensino fundamental e 200 horas de formação profissional.

     

    Ionice Lorenzoni

Fim do conteúdo da página