Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Ministro lança Cadastro Nacional de Docentes
Início do conteúdo da página
  • Professores farão réplicas de museu para deficientes visuais

    Desde 1974, o Museu do imigrante de Bento Gonçalves (RS) contribui para a preservação do patrimônio histórico e cultural da cidade. No entanto, as obras disponíveis em exposições ainda não podem ser exploradas pelas mãos curiosas de deficientes visuais. Para sanar o problema, surgiu a idéia de construir réplicas em miniatura de peças do museu e torná-las acessíveis ao público deficiente.

    Para viabilizar esse plano, foi firmada uma parceria entre o campus Bento Gonçalves do Instituto Federal Rio Grande do Sul e o Museu do Imigrante. O projeto Olhos D´Alma prevê a instalação de uma oficina de artes, que será composta por artistas plásticos e professores de desenho cedidos pela prefeitura. A eles caberá produzir as réplicas. Para a aquisição de materiais e a infraestrutura da oficina, o programa Educação, Tecnologia e Profissionalização Para Pessoas com Necessidades Especiais (Tec Nep) liberou R$ 30 mil.

    De acordo com Andréa Poletto Sonza, educadora especializada e coordenadora do núcleo de inclusão do campus Bento Gonçalves, os deficientes visuais poderão conhecer a arte divulgada pelo museu de maneira mais fácil. “A oficina vai permitir também a capacitação das pessoas que fazem parte do núcleo de inclusão do campus”, disse. Andréa garantiu que a oficina começará a funcionar no segundo semestre.

    Ana Júlia Silva de Souza


  • Competição esportiva promove encontro de 2 mil estudantes

     O vôlei é uma das modalidades dos jogos. Foto: Arquivo Rede FederalDois mil estudantes da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, vindos de todas as regiões do país, vão disputar 11 modalidades esportivas na terceira edição dos Jogos Brasileiros das Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica (JIF 2010). A competição acontece em Brasília, de 23 a 29 de maio.

    Nesta quarta-feira, 7, os delegados esportivos de 25 estados e do Distrito Federal se reuniram, em Brasília, com representantes dos ministérios da Educação, do Esporte, da Comissão Brasileira de Desporto Universitário e do Governo do Distrito Federal. Na pauta do encontro, sistema de inscrição de alunos, infraestrutura e logística dos jogos.

    De acordo com o secretário de educação profissional e tecnológica do MEC, Eliezer Pacheco, os jogos serão uma oportunidade de integrar ainda mais a rede federal. “O esporte tem um papel agregador, que consegue movimentar as pessoas em torno de um objetivo comum. É uma experiência excelente ter 2 mil alunos da rede nesse clima de companheirismo”, destacou.

    O encontro de delgados do JIF 2010 segue até esta sexta-feira, 9, no auditório do edifício sede do Ministério da Educação, em Brasília. Mais informações sobre a competição podem ser obtidas na página eletrônica do evento.

    Assessoria de Imprensa da Setec

  • Concursos preencherão 8,9 mil vagas na educação profissional

    Ensino profissional será beneficiado com a contratação de 5 mil professores.O Ministério do Planejamento autorizou a abertura de concurso público para a contratação de 8,9 mil profissionais de educação, sendo 5 mil professores e 3,9 mil técnicos administrativos, para a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Em 2010, todos os institutos federais de educação, ciência e tecnologia promoverão concursos públicos.

    As vagas autorizadas serão distribuídas entre as instituições federais de educação profissional em todo país, e os salários variam de R$ 1,5 até 6,5 mil. Os editais serão lançados este mês. A autorização foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União do dia 31 de dezembro de 2009.

    A demanda por novos professores e técnicos administrativos veio com a expansão da rede federal, iniciativa que entregou 102 novas escolas em 2009. Para os docentes, são 5 mil vagas e salários com piso de R$ 2,8 mil para profissionais com graduação e teto de 6,5 mil para doutores com dedicação exclusiva. Já para técnicos, são 3,9 mil vagas e remuneração média de 1,5 mil.

    A contratação de servidores indica o aumento dos investimentos em educação profissional. “Com esses 8,9 mil novos profissionais, injetaremos R$ 300 milhões anuais no setor” destacou Alexandre Vidor, coordenador-geral de orçamento e gestão da rede federal. Outras 8,8 mil vagas para concursos públicos da rede devem ser autorizadas até o fim do ano. Os cargos foram criados pelo Congresso Nacional para garantir a expansão da rede. A política permitiu outras 11,2 mil contratações desde 2006.

    Crescimento – O número de professores e técnicos administrativos não foi o único a aumentar com a política de expansão. Antes da iniciativa, o país contava com 140 escolas federais de educação profissional. Hoje, são 236 escolas em funcionamento, e esse total deve chegar a 380 até o fim deste ano. No mesmo período, o total de alunos subirá dos atuais 215 mil para 500 mil.

    Assessoria de Imprensa da Setec
  • Entrega de medalhas encerra comemorações de centenário

    Destinada a dirigentes e entidades que contribuíram para o desenvolvimento da educação profissional e tecnológica brasileira, a medalha Nilo Peçanha será entregue nesta quarta-feira, 15, em Brasília. Entre os 98 agraciados estão políticos, professores, reitores, ex-reitores, diretores de escolas e filósofos.

    A entrega da medalha encerra as comemorações do centenário da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. “A educação profissional brasileira vive o melhor momento de sua história”, disse o secretário de educação profissional do Ministério da Educação, Eliezer Pacheco. “A medalha é uma homenagem às pessoas que de alguma maneira contribuíram, e muitos continuam contribuindo, com essa modalidade de ensino.”

    Nilo Peçanha (1867-1924) foi o presidente da República de julho de 1909 a novembro de 1910. Ele criou 19 escolas de aprendizes e artífices, que originaram a educação profissional no Brasil. De 1909 a 2002, foram criadas 140 unidades federais de ensino técnico-profissionalizante. Hoje, são 342, que oferecem, de forma gratuita, cursos de formação técnica e tecnológica em todos os estados e no Distrito Federal.

    Desde 2003, foi registrado aumento de 148% no número de matrículas em toda a rede, formada por 38 institutos federais de educação, ciência e tecnologia, dois centros federais de educação tecnológica (Cefet), uma universidade tecnológica e 25 escolas vinculadas a universidades federais. O número de estudantes, que era de 140 mil em 2003, hoje chega a 348 mil.

    Assessoria de Imprensa da Setec
  • Instituições do Rio Grande do Sul e Colômbia fazem parceria

    Porto Alegre – O Instituto Federal Sul-rio-grandense assinou convênio com duas instituições de ensino colombianas para a troca de experiências em cursos das áreas ambiental e de sistemas para internet. O acordo, firmado com a Universidad de Ciencias Aplicadas y Ambientales (UDCA) e a Corporación Tecnológica de Bogotá (CTB), prevê intercâmbio tecnológico e científico, além do desenvolvimento de recursos.

    De acordo com a assessoria de assuntos internacionais do instituto, a parceria segue as diretrizes da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação, que incentivam as instituições pertencentes à Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica a estreitar relações com países da América Latina e África.

    “Esses convênios proporcionam uma visão mais ampliada sobre a educação profissional e tecnológica e servem também para compararmos o que está sendo feito por outros países nesta área”, diz Antônio Carlos Barum Brod, reitor do instituto.

    Conforme Lia Pachalski, titular da assessoria internacional, o objetivo da Setec, no caso específico de convênios com a América Latina, é fortalecer um grande bloco regional e promover a educação e o desenvolvimento econômico dos países que o compõem.

    Este é o terceiro acordo firmado entre o Instituto Sul-rio-grandense e escolas colombianas. O primeiro a ser assinado foi com a Lasalle Colleges International de Bogotá, na área de vestuário e moda.

    Em Pelotas (RS), os reitores da UDCA, German Anzola, e da CTB, Hernan Maurício Chaves, visitaram a reitoria do instituto e os campi Pelotas e Pelotas-Visconde da Graça. O instituto federal e as duas instituições colombianas são membros da Associação das Universidades da América Latina e do Caribe para a Integração (AUALCPI), fato que viabilizou ainda mais o novo convênio entre Brasil e Colômbia.

    Assessoria de Imprensa do Instituto Federal Sul-rio-grandense
  • Instituto tem pós-graduação em gestão estratégica de negócios

    O Campus Guarapari do Instituto Federal do Espírito Santo lançou o curso de pós-graduação lato sensu em gestão estratégica de negócios. O curso visa oferecer qualificação profissional pública e gratuita de excelência na área de gestão estratégica, atendendo às demandas de grandes e pequenas organizações, bem como das pessoas interessadas. O curso é voltado para graduados em todas as áreas de conhecimento.

    Segundo a coordenadora da comissão de elaboração do projeto da pós-graduação, Simone de Souza, o município de Guarapari precisa da mão de obra especializada, por estar em franca expansão, e essa demanda pode ser atendida com a ajuda do curso. Empresas como Petrobrás, Vale do Rio Doce e a mineradora São Marco atuam em Guarapari.

    As inscrições para o curso deverão ser feitas de 15 de julho a 3 de agosto no campus Guarapari. O processo de seleção será por meio de prova de conhecimentos específicos e análise de currículo. Ao todo são oferecidas 40 vagas. As aulas terão início em 13 de setembro.

    Ana Júlia Silva de Souza
  • Institutos federais expõem projetos de acessibilidade

    Projetos de acessibilidade desenvolvidos por instituições da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica estarão expostos na 11ª edição da Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade (Reatech), que tem início na tarde desta quinta-feira, 12, e vai até domingo, 15, em São Paulo. De acordo com os organizadores, o evento deve atrair 48 mil visitantes. A entrada será gratuita.

    A rede federal será representada por seis institutos federais de educação, ciência e tecnologia, que apresentarão 12 projetos pedagógicos e de tecnologia acessível idealizados por estudantes, professores e pesquisadores, em cooperação com núcleos de atendimento a pessoas com necessidades educacionais específicas (Napnes). Os projetos foram desenvolvidos para atender estudantes com deficiência de instituições da rede federal.

    Um dos projetos é o banco de recursos humanos acessível, desenvolvido pela Rede Nacional de Pesquisa e Inovação em Tecnologias Digitais (Renapi), que congrega pesquisadores de tecnologia digital dos institutos federais. Por meio do banco, já em fase de testes, o profissional com deficiência pode procurar vagas de trabalho em empresas cadastradas no sistema integrado. Da mesma forma, as empresas podem usar o cadastro para oferecer eventuais vagas a profissionais com deficiência. “O banco tem como uma de suas metas subsidiar ações relacionadas à empregabilidade de pessoas com deficiência do Brasil”, explica Andrea Poletto Sonza, gerente do projeto de acessibilidade virtual da Renapi e assessora de educação inclusiva do Instituto Federal do Rio Grande do Sul.

    Libras— Para facilitar a aprendizagem de alunos surdos em sala de aula, o Instituto Federal do Amazonas apresentará uma tabuada na língua brasileira de sinais (libras). Idealizada pela professora Mariê Pinto, da rede estadual de ensino, a tabuada em libras já está na terceira edição, publicada pelo instituto amazonense.

    Segundo a professora, a ideia surgiu a partir da própria experiência em sala de aula, ao ensinar matemática a alunos surdos do ensino fundamental. “Eu era professora em uma escola de surdos de Parintins (AM) e ficava angustiada por não encontrar um material específico”, lembra. A tabuada também é adotada no ensino de alunos surdos do instituto.

    A instituição amazonense também vai expor livro didático em libras para o ensino de espanhol. “O livro em espanhol tem toda a tradução e imagens adaptadas para o ensino dos estudantes surdos”, diz Dalmir Pacheco, coordenador do Napne local. “Ele é usado no instituto desde o ano passado.”

    Cadeira— Em Pelotas, Rio Grande do Sul, alunos do Instituto Federal Sul-Rio-Grandense desenvolveram uma cadeira de rodas motorizada, controlada por voz. De acordo com o professor de eletrônica Rafael Galli, que coordenou o desenvolvimento da pesquisa, o projeto partiu dos próprios estudantes, que integram núcleo de desenvolvimento tecnológico conhecido como Laboratório 14. “A ideia surgiu de quatro alunos, e dentro de nossas possibilidades desenvolvemos o protótipo”, afirma Galli. A cadeira obedece a cinco comandos básicos (esquerda, direita, para a frente, para trás e avançar).

    Também exporão projetos de acessibilidade na Reatech os institutos federais do Ceará (tablet acessível, de baixo custo, para deficientes visuais), de Santa Catarina (protótipo para acessibilidade de cadeirantes à educação profissional) e Farroupilha (Memórias em Foco — exposição adaptada a pessoas com deficiência).

    Danilo Almeida
  • Institutos federais oferecerão cursos a servidores de escolas

    Entre os cursos oferecidos pelo Profuncionário está o de alimentação escolar, que capacitará servidores para preparar a merenda, conforme o cardápio e orientações definidas por nutricionista (foto: fnde gov br)Institutos federais de educação, ciência e tecnologia oferecerão, ao longo deste ano, 66 mil vagas em cursos técnicos a distância para funcionários das redes estaduais e municipais de educação. As primeiras turmas serão abertas em maio, nos estados de Minas Gerais, Bahia, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e Paraná. A proposta é qualificar 12 mil profissionais de escolas públicas brasileiras. A partir de agosto, estão previstas mais 54 mil vagas em outras unidades da Federação.

    A ação integra o Programa Nacional de Formação Inicial em Serviços dos Profissionais da Educação Básica dos Sistemas de Ensino Público (Profuncionário), que oferta formação técnica de nível médio a servidores dos quadros efetivos escolares.

    A formação abrange as áreas de alimentação escolar, multimeios didáticos, secretaria escolar e infraestrutura escolar. Os cursos, previstos no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos, fazem parte do eixo tecnológico de apoio educacional e têm carga horária de 1,2 mil horas.

    Para participar de cursos no âmbito do Profuncionário, os interessados devem ser servidores do quadro efetivo estadual ou municipal, estar em efetivo exercício na escola, desempenhar a função relacionada ao curso que deseja fazer e comprovar ensino médio completo.

    Quem atender aos requisitos e pretende se qualificar deve entrar em contato com a respectiva secretaria municipal ou estadual de educação à qual é vinculado. Caberá ao órgão encaminhar os interessados aos institutos federais que ofertarão os cursos técnicos.

    Cursos

    Alimentação escolar – O profissional estará apto a preparar a alimentação dos estudantes, conforme o cardápio e orientações definidas por nutricionista. E também poderá organizar e executar os fluxos de aquisição, higienização e armazenamento de alimentos, entre outras atividades.

    Multimeios didáticos – A formação é voltada para os funcionários que promovem a mediação entre recursos tecnológicos e prática educativa escolar. Além disso, o técnico em multimeios didáticos é responsável por indicar novos recursos tecnológicos para a ampliação, armazenamento e atualização do acervo multimidiático da escola.

    Secretaria escolar
    – Responsável por colaborar com a gestão escolar, na organização de registros escolares e por operacionalizar processos de matrícula e transferência de estudantes, de organização de turmas e de registros do histórico escolar.

    Infraestrutura escolar
    – Dentre outras funções, o servidor atuará na manutenção preventiva e corretiva dos equipamentos escolares, além de auxiliar na preservação do ambiente intra e extraescolar.

    Mais informações sobre os cursos no Catálogo Nacional de Cursos Técnicos.

    Danilo Almeida
  • Jogos têm início em Brasília com presença de 2 mil alunos

    Cerca de dois mil estudantes de todo o Brasil assistiram no domingo, 23, em Brasília, à abertura oficial dos Jogos Brasileiros das Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica (JIF 2010). Para a maioria dos estudantes, os jogos representam a primeira oportunidade de participar de uma grande competição desportiva.

    Aluna do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia, Shirley Espinola, 15 anos, enfrentou um dia e meio de viagem para disputar medalha no judô. Na bagagem da estudante, que treina há três anos, muita expectativa. “Treinei muito para chegar a um evento desse tipo, do qual nunca participei”, disse. “Quero vencer e também conhecer gente de todo o Brasil.”

    A cerimônia de abertura, no Ginásio do Cruzeiro, teve o juramento dos atletas e a exibição de um vídeo, que mostrou a tocha olímpica em diferentes pontos turísticos do Brasil. Estudante do instituto federal de Brasília, Guilherme Machado Pontes, 18, acendeu a pira. Para fechar o evento de abertura, um espetáculo artístico de alunos da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica reuniu na quadra os principais ritmos da cultura brasileira.

    O secretário de educação profissional e tecnológica do Ministério da Educação, Eliezer Pacheco, disse que os jogos são motivo de orgulho e confraternização. “Espero que a rede federal saia daqui fortalecida, não só pela alegria que as delegações estão demonstrando, mas pelo intercâmbio entre as culturas e, acima de tudo, pelo que o esporte é capaz de fazer no desenvolvimento do cidadão”, afirmou.

    Os JIF 2010 são realizados pelo Ministério da Educação, em parceria com o Ministério do Esporte, Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU) e Governo do Distrito Federal. Os resultados e as tabelas das competições estão na página eletrônica dos jogos.

    Assessoria de Imprensa da Setec

    Leia outras matérias sobre o JIF 2010.


  • Lula inaugura campus de escola técnica do Rio Grande do Norte

    Nesta segunda feira, 1º de fevereiro, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, inaugura, de forma simultânea, 78 unidades federais de educação profissional. Todas as regiões do país serão contempladas. Com as 63 escolas entregues desde o início do governo Lula, ocorre a duplicação do número de unidades da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Até 2002, a rede contava com 140 escolas. A cerimônia será realizada no Brasília Alvorada Hotel, em Brasília, de onde será transmitida para todo o país pelas emissoras TVMEC e NBR, a partir das 17h.

    As novas escolas resultam da política de expansão da rede federal, implantada em 2005. Outras 99 estão em obras e devem ficar prontas até o fim do ano. O número total de escolas de educação profissional chegará, então, a 380, com mais de 500 mil vagas. Os investimentos ultrapassam a casa de R$ 1,1 bilhão.

    Rio Grande do Norte
    - O Rio Grande do Norte terá mais uma escola de educação profissional inaugurada: o campus avançado Cidade Alta, localizado em Natal, do Instituto Federal do Rio Grande do Norte. A unidade já está funcionando e atende a 108 estudantes.

    O Rio Grande do Norte tinha cinco escolas de educação profissional até 2005. Pelo plano de expansão da rede federal, já foram implantadas no estado outras nove escolas, nos municípios de Ipanguaçú, Currais Novos, Natal, Apodi, Caicó, Pau dos Ferros, João Câmara, Santa Cruz, Macau e Zona Norte de Natal.

    Assim, o número de escolas no estado saltará de cinco para 15. Nas novas unidades estão sendo investidos cerca de R$ 45 milhões, somente em instalações físicas, mobiliário e equipamentos. Quando estiverem em pleno funcionamento, as escolas atenderão a 12 mil estudantes.

    Assessoria de Comunicação Social
  • Lula inaugura campus na Paraíba com 729 matriculados

    Foto: Divulgação SetecO presidente Luiz Inácio Lula da Silva inaugura nesta terça-feira, 28, o campus Campina Grande do Instituto Federal da Paraíba (IFPB). Na escola foram investidos R$ 5 milhões. A solenidade será transmitida para todo o Brasil pela TV NBR e TV MEC, a partir das 11h.

    A escola faz parte do plano de expansão da educação profissional do Governo Federal, iniciado em 2005 e previsto para ser concluído no final do próximo ano. Estão sendo construídas 214 escolas, com investimento de R$ 1,1 bilhão. Destas, já estão em funcionamento 82 unidades em todas as regiões do país, com 38 mil novas matrículas.

    Até 2002, a rede federal contava com 140 unidades. Atualmente a rede já possui 222 escolas e 215 mil vagas de cursos técnicos, licenciaturas e cursos superiores de tecnologia. No final de 2010 serão 354 escolas e 500 mil vagas.

    Nível médio – O campus do IFPB oferece cursos técnicos de nível médio em informática e mineração. Também tem o curso superior de tecnologia em telemática. Atualmente, 729 estudantes estão matriculados na instituição. Já foram contratados por concurso 40 professores e 33 técnico-administrativos para a instituição. O campus está localizado na Rua Tranquilino Coelho Lemos, 671, Bairro Jardim Dinamérica.

    Histórico– No ano de seu centenário, a rede federal dá mais um salto de qualidade. Desde 29 de dezembro de 2008, quando o Diário Oficial  da União publicou a Lei 11.892, instituindo a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, 75 unidades descentralizadas de ensino (uneds), 39 escolas agrotécnicas, 31 centros federais de educação tecnológica (cefets), 7 escolas técnicas federais e 8 escolas vinculadas a universidades deixaram de existir para formar os institutos federais.

    São 38 institutos federais presentes em todos os estados, oferecendo ensino médio integrado, cursos superiores de tecnologia e licenciaturas. Também integram os institutos as novas escolas que estão sendo entregues dentro do plano de expansão da rede federal.

    Essa rede é formada ainda por instituições que não aderiram aos institutos federais, mas também oferecem educação profissional em todos os níveis. São dois cefets, 25 escolas vinculadas a universidades e uma universidade tecnológica. Saiba mais no Portal do MEC.

    Assessoria de imprensa da Setec

    Veja a relação completa das escolas do plano de expansão.

    Veja a relação de escolas já em funcionamento, com respectivas matrículas.

    Confira as notícias sobre os Institutos Federais

  • Lula inaugura unidade de ensino profissional em Goiás

    Nesta segunda feira, 1º de fevereiro, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, inaugura, de forma simultânea, 78 unidades federais de educação profissional. Todas as regiões do país serão contempladas. Com as 63 escolas entregues desde o início do governo Lula, ocorre a duplicação do número de unidades da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Até 2002, a rede contava com 140 escolas. A cerimônia será realizada no Brasília Alvorada Hotel, em Brasília, de onde será transmitida para todo o país pelas emissoras TVMEC e NBR, a partir das 17h.

    As novas escolas resultam da política de expansão da rede federal, implantada em 2005. Outras 99 estão em obras e devem ficar prontas até o fim do ano. O número total de escolas de educação profissional chegará, então, a 380, com mais de 500 mil vagas. Os investimentos ultrapassam a casa de R$ 1,1 bilhão.

    Goiás — O município goiano de Iporá recebe nesta segunda-feira uma escola federal de educação profissional. Quando estiver em pleno funcionamento, a unidade, que teve investimento superior a R$ 4 milhões, atenderá 1,2 mil estudantes.

    Antes de o governo federal adotar a política de expansão da rede, Goiás tinha seis escolas federais de educação profissional, em Goiânia, Urutaí, Rio Verde, Ceres, Jataí e Morrinhos. Hoje, o estado conta os institutos federais de educação, ciência e tecnologia de Goiás e Goiano.

    Quatro escolas surgiram depois de 2005, em Inhumas, Itumbiara, Uruaçu e Iporá. Outras três estão em construção, em Anápolis, Luziânia e Formosa. Cada nova unidade custa, em média R$ 5 milhões.

    O número de escolas saltará para 13 até o fim da expansão, com investimentos de R$ 35 milhões. Cada nova unidade deve contratar, por concurso público, 60 professores e 40 técnicos administrativos.

    Assessoria de Comunicação Social
  • Parceria com norte-americanos busca aprimorar ensino técnico

    Com o objetivo de conhecer novas experiências de ensino e melhorar a educação profissional no país, os professores Widomar Carpes, do Instituto Federal de Santa Catarina, Sandro Teixeira e Elton Neves, do Instituto Federal Sul-rio-grandense, vão conhecer a prática do ensino profissionalizante na área de soldas e construção naval nos Estados Unidos.

    A visita ao San Antonio College, universidade localizada no estado do Texas, faz parte do projeto Brasil-EUA para o fortalecimento da educação profissional e tecnológica, que envolve a embaixada norte-americana e a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação (Setec).

    Os professores brasileiros vão participar de reuniões e conhecer desde o material didático até a metodologia das aulas relacionadas aos processos de soldagem e construção de navios. “Queremos ver de perto quais os processos que eles usam, as formas de montagem de navios e as estruturas das aulas e dos laboratórios”, destaca o professor Carpes.

    Entre as atividades programadas para o período está uma visita ao porto da cidade de Corpus Christi, também no Texas, que é referência em indústria de construção naval. “A experiência que trouxermos vai ser aplicada diretamente nas regiões portuárias de Itajaí, em Santa Catarina, e de Rio Grande, no Rio Grande do Sul”, afirma Carpes. No estado catarinense, o instituto está implantando um campus em Itajaí. A instituição gaúcha já possui um campus em Pelotas, próximo à cidade portuária de Rio Grande.

    O projeto Brasil-EUA para o fortalecimento da educação profissional e tecnológica vem ocorrendo desde 2007 e abrange todas as regiões do país, cada qual com uma instituição parceira nos Estados Unidos. A Alamo Colleges é a parceira da região Sul e, por meio dela, três áreas da educação profissional estão sendo aprimoradas: soldas, robótica e permanência e êxito dos alunos.

    Assessoria de imprensa do Instituto Federal de Santa Catarina

  • Programa expõe participação feminina em Semana de Ciência

    O Programa Mulheres Mil terá um estande em Brasília na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, evento que se realiza em 540 cidades de todo o país, a partir desta quarta-feira, 19, até domingo, 23 de outubro. De acordo com a coordenadora do Centro Nacional de Referência do programa, Jane Christina Pereira, o objetivo da participação é divulgar as ações do Mulheres Mil e sensibilizar o público visitante para a questão de gênero.

    Um manequim com um coração no lugar da cabeça destaca textos de mulheres atendidas pelo Mulheres Mil. Os textos, fixados com elásticos pretos, formam uma teia que Jane interpreta como teia de possibilidades, devido a ações de formação e de capacitação que o Mulheres Mil oferece às mulheres que atende e acolhe, todas em situação de vulnerabilidade social.

    “Quando você está desempregada as pessoas meio que te esquecem, não lembram de você, não te respeitam”, diz uma das frases expostas na instalação. As frases foram retiradas de livros que descrevem ações do programa e que procurm dar voz a pessoas atendidas.

    Capacitação – O Programa Mulheres Mil tem o objetivo de capacitar mulheres em todo o país, por intermédio dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia e várias outras instituições parceiras. Atualmente, está em implantação, ou já em funcionamento, em 100 unidades dos institutos.

    Assessoria de Imprensa da Setec, com informações da Assessoria de Imprensa do Instituto Federal de Brasília

    Saiba mais sobre o programa Mulheres Mil  

    Leia mais:
    Portal de conteúdo educativo é atração em evento nacional



  • Projeto Mulheres Mil avança para sua institucionalização

    Gestores dos 13 projetos do Programa Mulheres Mil estão reunidos, em Brasília, para compartilhar as experiências desenvolvidas no processo de implantação da ação nos estados. Coordenado pela Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação, em parceria com a Associação dos Colleges Canadenses, a meta do projeto piloto era beneficiar 1 mil mulheres das regiões Norte e Nordeste.

    De 2008, quando começou a oferta das qualificações, até hoje, o projeto qualificou mais de 700 mulheres e está contribuindo para a inserção das alunas no mundo do trabalho, por meio de empregos formais, organização de empreendimentos individuais e criação de cooperativas.

    Rodrigo Torres Lima, coordenador da assessoria internacional da Setec, ressalta que estão sendo realizadas várias ações para garantir a institucionalização e a ampliação do projeto, entre elas a criação do Centro de Referência do Mulheres Mil, que ficará responsável pela disseminação das metodologias e treinamento dos profissionais da rede federal.

    “O encontro vai proporcionar, a partir da troca das experiências, a sistematização do método de acesso, permanência e êxito, desenvolvido pelo Brasil em parceria com Canadá”, prevê Torres.

    Inovando o processo de acesso, as alunas foram selecionadas nas próprias comunidades e o ingresso nos institutos federais está sendo regularizado por meio de editais de seleção, que têm como critérios a vulnerabilidade educacional e econômica das beneficiadas.

    Outra inovação foi a criação de cursos de qualificação profissional, sintonizados com o potencial econômico da região e as experiências profissionais das alunas, que são avaliadas e certificadas com as metodologias de avaliação e reconhecimento da aprendizagem prévia (Arap), repassada pelos colleges canadenses.

    Atualmente, estão sendo oferecidos cursos nas áreas de turismo (camareira), alimentos, artesanato, saúde (cuidador de idoso), processamento de alimentos e pesca (beneficiamento de marisco) e corte e costura. Além da qualificação, foram celebradas parcerias com as secretarias de educação dos estados para a oferta de alfabetização e ensino fundamental.

    O encontro prossegue até esta sexta-feira, 27, quando será finalizada a elaboração de um documento base que vai orientar a implantação dos projetos nos demais institutos federais.

    Assessoria de Imprensa da Setec  


    Mais informações sobre o projeto Mulheres Mil
  • Reitor empossado prevê cursos técnicos inéditos em Brasília

    O ministro da Educação, Fernando Haddad, deu posse nesta segunda-feira, 23, ao novo reitor pro tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília, professor Aléssio Trindade. Criado em dezembro de 2008, o instituto terá cinco campi, quando estiver em pleno funcionamento — Brasília, Taguatinga, Gama, Samambaia e Planaltina.

    “O Distrito Federal não poderia ficar de fora da expansão da rede. É rico, mas também tem mazelas e uma parte da população que precisa de cuidados, assim como em qualquer região do país”, afirmou Haddad. O ministro lembrou que Brasília, em 50 anos de existência, tinha apenas uma escola pública de educação profissional, que comportava em torno de 200 alunos. Com a instalação dos novos campi, o número de estudantes poderá chegar a cerca de 5 mil.

    O reitor recém-empossado informou que as atividades das novas unidades já começam em 2010, mesmo que em instalações provisórias. “Teremos, ao menos, dez cursos técnicos inéditos no Distrito Federal, entre eles o de química e móveis. Além disso, o instituto de Brasília terá o primeiro curso técnico em reciclagem do país”, disse Trindade.

    O professor Aléssio Trindade é mestre em engenharia elétrica pela Universidade Federal da Paraíba. Sua primeira formação foi como técnico em eletrotécnica pela Escola Técnica Federal da Paraíba. Até 1998, deu aula em diversas disciplinas na mesma escola, como eletricidade, eletrônica, rádio e televisão, informática e projetos de antenas coletivas.

    Assessoria de Comunicação Social
  • Reitores dos institutos federais de Alagoas e Pará tomam posse

    O reitor Sérgio Teixeira Costa, de Alagoas, o ministro Janine Ribeiro, o secretário-executivo Luiz Cláudio e o reitor Cláudio Alex, durante a cerimônia de posse no MEC (Foto: Mariana Leal/MEC) Tomaram posse nesta terça-feira, 28, na sala de atos do Ministério da Educação, os reitores dos institutos federais de educação, ciência e tecnologia de Alagoas (IFAL) e do Pará (IFPA), Sérgio Teixeira Costa e Cláudio Alex da Rocha, respectivamente. A solenidade contou com a presença do ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, do secretário-executivo do MEC, Luiz Cláudio Costa, e do titular da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec), Marcelo Feres.

    Na cerimônia, Janine Ribeiro salientou que a rede de educação profissional e tecnológica, que cresceu imensamente – de 145 unidades em 2002 a 562 em 2013 – é testemunha da capacidade brasileira de preparar e habilitar o trabalhador. “Para as necessidades do país, não cabe mais exercer trabalho tecnológico e profissional que não satisfaça, é necessário mão de obra qualificada, essa é a tarefa essencial dos institutos”, afirmou o ministro.

    O reitor do IFPA, Cláudio Alex da Rocha, eleito para sua primeira gestão, também ressaltou o crescimento da educação profissional e tecnológica no Brasil, creditando esse aumento à sensibilidade dos últimos governos federais. “No Pará, temos 18 campi, sendo um avançado, e a amplitude de oferta cobre mais da metade dos municípios do estado, com toda a sua diversidade”, afirmou.

    Já para Sérgio Teixeira Costa, reconduzido ao cargo de reitor do IFAL, o desafio atual é consolidar a expansão da rede. Ele aponta os números em Alagoas: “No início com quatro campi, saltamos para 15 e, de 4,5 mil estudantes, para 15 mil. A Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica é um dos maiores projetos que já existiram no Brasil, uma verdadeira revolução pela educação.”

    Para a manutenção dessas conquistas, Janine lembrou as atuais dificuldades financeiras do país, já que se aguarda a liberação do orçamento para 2015. O ministro disse que se dirigia aos reitores “de colega para colega, educador em posição de gestão”, ratificando assim o norte dado à sua administração: “Temos que coibir o desperdício, a duplicação desnecessária de tarefas, os gastos desnecessários, ser exemplo de responsabilidade com a sociedade e com a coisa pública.”

    Assessoria de Comunicação Social

  • Seminário discute questões relacionadas às licenciaturas

    Ouro Preto (MG)– Um seminário realizado pelos institutos federais discute em Ouro Preto (MG), até a próxima quinta-feira, 27, questões relacionadas à formação docente em instituições de ensino tecnológico, com o objetivo de adequação às diretrizes dos institutos. O Seminário Nacional das Licenciaturas dos Institutos Federais (Senalif), que teve início nesta segunda-feira, 24, acontece no campus do Instituto Federal de Minas Gerais naquela cidade.

    De acordo com o secretário de educação profissional e tecnológica do MEC, Eliezer Pacheco, o encontro se revela como uma grande contribuição para o desenvolvimento da educação básica no país. “O seminário marca o início de uma caminhada para a construção de uma proposta de licenciatura enraizada na prática docente, na relação com a sociedade, no experimento e na realidade”, enfatizou, na abertura do evento.

    O reitor do instituto, Caio Bueno Silva, observou que “desde que o país existe, sempre houve exclusão”. Para ele, é o reflexo de um modelo pedagógico equivocado, “que culminou em uma nação de analfabetos”. O resgate e a inclusão devem se dar pela educação, defendeu. “A grande revolução que temos que colocar em prática é formar jovens e, para isso, é preciso formar os professores por meio de uma licenciatura diferente da aplicada nos dias de hoje”, afirmou.

    Dentre os temas que serão discutidos durante a semana no seminário estão os desafios da formação docente na contemporaneidade, os institutos federais e a missão de torná-los centros de excelência em licenciatura, o perfil das licenciaturas nos institutos e o relato de experiências por Dante Moura (Instituto Federal do Rio Grande do Norte), Venilson Fonseca (Instituto Federal de Minas Gerais) e Marcelo Bonetti (Instituto Federal de São Paulo).

    Assessoria de Imprensa do Instituto Federal de Minas Gerais


    A programação completa pode ser obtida na página oficial do evento.
  • Seminário promove intercâmbio de experiências entre gestores

    Dirigentes da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica estão reunidos em Brasília, nesta quinta e sexta-feira, 9 e 10, para o seminário temático Internacionalização e Educação Tecnológica na América Latina e Europa: os casos de França, México e Colômbia. O encontro tem como objetivo promover o intercâmbio de experiências.

    “Este evento permite formar uma nova cultura nas relações internacionais dentro da rede federal”, ressaltou Gleisson Rubin, diretor de articulação e projetos especiais da educação profissional do Ministério da Educação. “Um caminho que não é apenas de busca, mas também de oferta de experiências por parte de nossas instituições.” Ele destacou que o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) estuda o modelo da rede federal para servir de base ao continente africano.

    O secretário de educação profissional e tecnológica do MEC, Eliezer Pacheco, lembrou a missão dos dirigentes da rede federal. “É importante que o desenvolvimento que a educação profissional vive hoje seja apropriado pelo povo brasileiro”, disse.

    O seminário encerra o programa de capacitação dos dirigentes da rede federal, que teve carga horária superior a 200 horas de atividades. Ao longo de seis meses, foram abordados temas como gestão estratégica de pessoas e equipes, comunicação organizacional, liderança, planejamento e gestão estratégica, entre outros.

    Danilo Almeida
  • Acordo estabelece criação de novos centros de equoterapia

    Equoterapia exige coordenação motora, concentração e agilidade. (Foto: Arquivo Setec)A criação de centros de equoterapia ligados aos institutos federais e a formação de recursos humanos nas áreas de equitação e hipologia são alguns dos objetivos do termo de cooperação assinado nesta quinta-feira, 10, entre a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação, a Associação Nacional de Equoterapia (ANDE) e o Instituto Federal de Brasília (IFB).

    A equoterapia é uma atividade que integra as áreas de saúde, educação e equitação para o desenvolvimento psicológico e social de pessoas com deficiência. A atividade reúne exercícios de coordenação motora, flexibilidade, concentração e agilidade para promover um maior equilíbrio físico e psíquico.

    O método já é utilizado no campus Concórdia, do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense; no campus Barbacena, do Instituto Federal Sudeste de Minas; nos campus Rio Verde e Ceres, do Instituto Federal Goiano; e no campus Iguatu, do instituto do Ceará.

    “O termo assinado hoje é mais um passo na consolidação dos institutos federais como instituições inclusivas e inovadoras”, disse Eliezer Pacheco, secretário de educação profissional do MEC. A criação dos centros de equoterapia é uma iniciativa do programa Tecnep, da Setec.

    Assessoria de Imprensa da Setec
Fim do conteúdo da página