Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Escola baiana registra melhora no rendimento e na convivência

    Atividades interdisciplinares, como visitas a feiras de ciências e matemática fazem parte do calendário e do projeto político-pedagógico e social da escola baiana (foto: educacao.uol.com.br)Redução da violência na escola, aumento do interesse dos estudantes pela aprendizagem, melhora significativa no rendimento escolar e na convivência entre os alunos e destes com os professores. Estes são alguns dos benefícios da educação integral no Colégio Estadual Helena Celestino Magalhães, na capital baiana.

    Segundo o diretor da instituição, Perieldo Jesus de Barros, a educação integral também contribui para suprir a carência de lazer, cultura e acesso dos estudantes a tecnologias digitais. Ele também constata mais zelo pelo patrimônio da instituição e mais respeito aos professores. “Esses motivos fazem a educação integral ser bem aceita por pais e professores”, enfatiza Barros.

    O colégio adotou a educação integral em 2008, quando aderiu ao programa Mais Educação. A partir de 2014, passou a ser oficialmente uma escola de educação integral da rede estadual de ensino da Bahia. “Essa modalidade foi adotada com o objetivo de alcançar a desejada qualidade de ensino, de buscar formas de melhorar o aprendizado do estudante e o seu desempenho nas avaliações”, explica o diretor. Ele cita ainda a vontade de promover a perspectiva de uma vida melhor para os alunos, fora dos perigos das ruas.

    Barros tem 23 anos de magistério e quatro no cargo de diretor. A experiência como gestor escolar, entretanto, é de 13 anos. Com graduação em letras e pós-graduação em educação, ciência e contemporaneidade e em docência no ensino superior, ele faz curso de direito.

    Oficinas — Os estudantes participam de atividades educativas de segunda a sexta-feira, em um total de sete a nove horas de aulas por dia. Eles permanecem na escola no decorrer do dia, com lanche de manhã e à tarde, além do almoço. Todos participam obrigatoriamente das oficinas previstas no currículo. Esporte e lazer (futsal e basquete), cultura e arte (dança, hip-hop, grafitagem e africanidades), uso de mídias e cultura digital (tecnologias digitais, vídeo e rádio) são as opções.

    Ator, bailarino e coreógrafo, Vagner Jesus dos Santos ministra oficina de dança no horário matutino, em articulação com as disciplinas arte e linguagem artística. Há sete anos no exercício da atividade, ele percebe o interesse dos estudantes durante as aulas. “Eles participam com entusiasmo”, revela. Em sua visão, a educação integral proporciona muitos benefícios. Entre eles, o incentivo à participação dos alunos nas atividades lúdicas e pedagógicas, com êxito na integração social, a frequência assídua às aulas e o período por mais tempo na escola, com aprendizagens significativas.

    Diálogo — Para a professora Márcia Regina da Silva Paim, é possível evidenciar a importância do diálogo e das parcerias entre a unidade escolar e a comunidade. “O diálogo auxilia na integração, na participação e no sentimento dos alunos em relação ao bairro, à escola e à comunidade, assim como o aumento do rendimento escolar em algumas situações”, salienta. De acordo com Márcia Regina, as estratégias de educação integral possibilitam experiências e discussões e a realização de atividades interdisciplinares, como feiras de ciências e matemática e a Feira das Nações Africanas, inseridas no calendário e no projeto político-pedagógico e social da escola, com aceitação dos estudantes.

    “A partir da educação integral, houve o entrelaçamento com o programa Mais Educação nas áreas de cultura, informática e mídias, o que corrobora o sentido de criar oportunidade de desenvolvimento holístico de crianças e adolescentes”, enfatiza a professora. Isso, na opinião de Márcia Regina, favorece um ensino que contemple a integração professor, monitor e aluno pela diversidade, inclusão, acesso e permanência e sucesso do estudante dentro e fora do ambiente escolar.

    Há 21 anos no magistério, Márcia Regina tem licenciatura em história e mestrado em história social. Ela leciona no Colégio Helena Celestino Magalhães há seis anos, de manhã e à tarde. Este ano, dá aulas a turmas do nono ano do ensino fundamental e dos três anos do ensino médio.

    Fátima Schenini

    Saiba mais no Jornal do Professor

  • Maratona de projetos tem as inscrições prorrogadas até dia 22

    A segunda edição do Hackathon Dados Educacionais teve o prazo de inscrições prorrogado até as 23h59 de terça-feira, 22. Os concorrentes devem preencher formulário on-line e anexar vídeo com a apresentação da ideia.

    Ao participar do Hackathon, programadores, designers e inventores de todo o Brasil enfrentarão uma maratona de 48 horas, de 16 a 18 de maio, em Brasília, com o objetivo de desenvolver projetos de transparência de informações públicas por meio de tecnologias digitais. O evento é promovido pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), com o apoio da Fundação Lemann, e distribuirá R$ 10 mil em bolsas para a implementação dos projetos mais bem colocados.

    A expectativa é proporcionar um espaço para interação e formulação de ideias sobre apresentação de dados educacionais de maneira relevante e compreensível para a sociedade. O Hackathon (maratona de programação) atende à necessidade de melhorar o acesso aos dados e aos resultados das avaliações do Inep para diferentes públicos.

    Os participantes e equipes selecionados terão as despesas de passagens aéreas, hospedagem e alimentação custeadas pelo Inep. O resultado da seleção será divulgado no dia 28 próximo.

    A ficha de inscrição está disponível nas páginas do evento na internet.

    Assessoria de Comunicação Social, com informações do Inep

  • Quarenta pessoas de 11 estados disputarão maratona de projetos

    O Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) selecionou 40 pessoas de 11 estados para participar da segunda edição do Hackathon Dados Educacionais. O evento é uma maratona de 48 horas que tem o objetivo de desenvolver projetos para transparência de informações públicas, por meio de tecnologias digitais. Inscreveram-se para participar 89 pessoas.

    Conforme previsto no edital, a organização do evento ampliou de 30 para 40 o número de vagas, devido à relevância dos projetos apresentados.

    O Hackathon será realizado entre os dias 16 e 18 de maio, no Hotel Carlton Brasília, e é promovido pelo Inep em parceria com a Fundação Lemann. Os selecionados, sete mulheres e 33 homens, serão divididos em grupos no primeiro dia do evento. Participam universitários, desenvolvedores de aplicativos, softwares e sistemas, designers gráficos, programadores, engenheiros e professores.  

    Os vencedores serão anunciados no dia 18 de maio e receberão bolsas da Fundação Lemann para investir no desenvolvimento dos projetos. O primeiro colocado receberá R$ 5 mil, o segundo, R$ 3 mil e o terceiro, R$ 2 mil.

    Anterior– Em 2013, o projeto Escola que Queremos foi o vencedor do Hackathon. O grupo apresentou um aplicativo que permite selecionar indicadores para a avaliação de uma escola.

    Eduardo Aiache

Fim do conteúdo da página