Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Consulta sobre polos de inovação apresenta resultado preliminar

    Foi divulgado nesta quarta-feira, 4, o resultado preliminar da chamada pública para a implantação de polos de inovação nos institutos federais de educação, ciência e tecnologia. No total, 13 propostas foram recebidas e cinco foram selecionadas. O resultado pode ser conferido na página da Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (Embrapii), organização social ligada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, parceira da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação na condução dessa ação. O resultado final será publicado até 19 de março.

    A implantação de polos de inovação tem o objetivo de promover o aumento da competitividade e da produtividade do parque industrial nacional pelo desenvolvimento da pesquisa aplicada. Foram selecionadas propostas dos institutos federais da Bahia, na área de equipamentos médicos; do Ceará, de sistemas embarcados e mobilidade digital; do Espírito Santo, de metalurgia; Fluminense, de monitoramento e instrumentação para o ambiente, e Minas Gerais, de sistemas automotivos inteligentes.

    Polos de inovação – Os polos serão unidades compostas por laboratórios de pesquisa aplicada, atuando em uma área de competência específica e serão implantados nos campi dos institutos federais selecionados. Alunos e professores do próprio instituto, profissionais das indústrias e pesquisadores do Brasil e até do exterior serão responsáveis pela execução dos projetos de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (PD&I).

    Para o secretário de Educação Profissional e Tecnológica, Marcelo Feres, trata-se de uma importante agenda do Governo Federal para o fomento à inovação e aprimoramento da indústria nacional. “Os polos vão atuar na captação de projetos de inovação, incremento tecnológico, desenvolvimento de projetos com potencial de mercado e na qualificação de recursos humanos para as indústrias e instituições de ciência e tecnologia. Tenho certeza que representarão um salto de qualidade no desenvolvimento de novos produtos e na oferta de mão de obra qualificada”, observa Marcelo Feres.

    O campus Formiga é a unidade do Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG) que receberá o polo de inovação. Localizada no interior do estado, Formiga, sede do campus, fica distante cerca de 150 quilômetros da cidade de Betim, parque produtivo de uma importante multinacional do setor automobilístico que já possuí convênio com o IFMG.

    Responsável técnico pela proposta do IFMG, Washington Santos Silva, destaca as possibilidades que a implantação de um polo de inovação pode gerar para o desenvolvimento da região e da própria instituição. “Nossa perspectiva é atuar na captação de indústrias do setor automobilístico, de telefonia e agrícola; temos capacidade técnica e um corpo de pesquisadores qualificado. Vamos aproveitar a oportunidade até para repensar o nosso processo de ensino-aprendizagem”, disse.

    Assessoria de Comunicação Social

    Acesse o resultado da consulta pública na página da Embrapii

  • Institutos federais terão apoio para projetos de pesquisa e extensão tecnológica

    O torneio de educação profissional visa à preparação de estudantes dos institutos federais para competições de conhecimento e competências técnicas de abrangência regional, nacional e internacional (foto: Isabella Doring, est., superv. Ayrton Costa)A Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação, em parceria com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), abriu inscrições para seleção e financiamento de projetos de pesquisa aplicada e extensão tecnológica. Uma das modalidades a serem financiadas é a preparação para competições que envolvam projetos desenvolvidos nos institutos federais de educação, ciência e tecnologia. O prazo de inscrições vai até o dia 23 próximo.

    De acordo com a Chamada Pública CNPq/Setec nº 17/2014, o investimento global chagará a R$ 40 milhões, liberados em parcelas anuais até 2016. Os projetos selecionados terão 24 meses de duração. O apoio governamental destina-se às linhas de pesquisa, desenvolvimento e inovação, extensão tecnológica, torneio de educação profissional e soluções tecnológicas. A linha torneio de educação profissional está voltada para a preparação de estudantes dos institutos federais para competições de conhecimento e competências técnicas de abrangência regional, nacional e internacional.

    A equipe Jaguar, da unidade de Volta Redonda do Instituto Federal do Rio de Janeiro (IFRJ), é um exemplo de projeto bem-sucedido. Alunos de nível técnico na área de robótica móvel são preparados para competições, sob a coordenação do professor Helton Rodrigo de Sousa Sereno. O projeto, que conta com a colaboração direta de 16 alunos bolsistas, obteve a primeira posição na edição da Copa do Mundo de Robótica (RoboCup) realizada em João Pessoa, em julho último. A competição reuniu 25 equipes de 13 países. Em setembro último, a equipe do IFRJ participou, também com destaque, da Olímpiada do Conhecimento, em Belo Horizonte.

    Qualidade — Para o professor Helton Sereno, a Chamada Pública nº 17/2014 é a oportunidade para um salto de qualidade na execução de projetos como o da equipe Jaguar. “Já estamos em fase final de elaboração do nosso projeto. A chamada nos abre a perspectiva de uma preparação qualificada, com mais aporte de recursos financeiros, materiais e humanos”, disse. “Afinal, como campeões mundiais da RoboCup, vamos defender o título na próxima edição, na China, em 2015.”

    Aluna do último ano do curso técnico em automação, Alice Pereira de Oliveira, 18 anos, retrata como a participação no projeto e a condição de bolsista têm contribuído para seu crescimento acadêmico. “Antes do projeto, eu não tinha muito contato com a área técnica do curso. Hoje, na prática, observo muitas situações estudadas em sala de aula”, afirmou. “A bolsa ajuda a custear despesas com alimentação e transporte, o que permite dedicar mais tempo aos estudos e à preparação para as competições de robótica.”

    Para apresentar projeto, o candidato deve ter o currículo cadastrado e atualizado na Plataforma Lattes, ser professor ou técnico administrativo e manter vínculo com instituição de Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. No caso de servidor aposentado, é necessário comprovar, na Plataforma Lattes, que mantém atividade acadêmico-científica, além de apresentar declaração da instituição executora do projeto.

    Assessoria de Comunicação Social

Fim do conteúdo da página