Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Ministro rebate declarações falsas e diz que professores e estudantes são prioridade do MEC

    O ministro da Educação, Mendonça Filho, em pronunciamento gravado na tarde de terça-feira, 27, reforçou a importância dos professores na educação brasileira e rebateu acusações infundadas divulgadas em mídias sociais. Um site de procedência político-partidária faltou com a verdade ao atribuir a “burocratas do MEC” a afirmação de que os professores têm “regalias”.

    “Essa é mais uma das inúmeras mentiras que já foram divulgadas, desde que assumimos a gestão do MEC, em maio”, afirmou o ministro. Ele citou as campanhas mentirosas em mídias sociais sobre o fim de programas como o Mais Educação e o Brasil Alfabetizado. Para o ministro, tais campanhas visam apenas a tumultuar e gerar pânico na população.

    “A verdade prevalece. Nada disso aconteceu, muito pelo contrário. Programas como o ProUni [Programa Universidade para Todos], o Mais Educação e o Fies [Fundo de Financiamento Estudantil] foram ampliados”, afirmou. Durante o pronunciamento, Mendonça Filho disse que as inverdades continuam, agora com falsas declarações atribuídas a ele e à equipe do MEC. “Isso é tudo mentira de uma rede manipulada por setores radicais vinculados a alguns partidos que estão insatisfeitos com as mudanças que estamos promovendo no Ministério da Educação e que levarão em consideração a valorização dos professores e o bem-estar dos alunos, crianças e jovens do Brasil”, declarou.

    O ministro destacou o respeito que tem pelos professores e pediu à população que não dê ouvidos a esse tipo de contrapropaganda, disseminada por “aqueles que pouco fizeram pela educação no Brasil, apesar do grande volume de recursos liberados para a educação nos últimos anos”, disse. “Aos professores, o meu abraço fraterno. Conto com vocês para que possamos avançar com as crianças e jovens do Brasil.” 

    Assessoria de Comunicação Social

  • Programa discute relação entre infância, adolescência e mídia

    Muito comum para os adultos, as tecnologias têm entrado cada vez mais cedo na rotina de crianças e adolescentes. O programa Salto para o Futuro, da TV Escola, desta quarta-feira, 3, debate os limites da participação e o impacto que o mundo digital tem nesse público. Para a discussão, os convidados são David Kleemann, consultor e analista de mídia, e Regina de Assis, diretora de Educação, Cultura e Comunicação da TV Escola.

    Estudos recentes revelam que essa exposição da infância e adolescência à internet gera riscos. Um estudo apresentado no Fórum Econômico Mundial, em fevereiro deste ano, reuniu dados de 34 mil crianças de 29 países e revelou que 56% das crianças entre oito e 12 anos de idade estão expostas a ameaças digitais como cyberbullying, vício em videogames e comportamento sexual on-line. Outros pesquisadores indicam ainda que o tempo que as crianças passam na frente da tela contribui para esses riscos.

    David Kleemann acredita que o importante não é apenas supervisionar o tempo que os usuários mais novos ficam na internet, mas sim acompanhar o tipo de conteúdo on-line consumido. “Eu acho que é muito melhor observar o conteúdo que eles estão consumindo, quando e o porquê de estar usando a mídia. Observar as necessidades de cada criança individualmente, se estão usando a tecnologia para escapar de algo ou ir atrás de algo mais interessante”, opina o britânico.

    Para os pais, que normalmente são os responsáveis por administrar o acesso das crianças e adolescentes à internet, a professore Regina de Assis dá alguns conselhos de como direcionar o uso das mídias para os usuários mais jovens. “Primeiro ponto que os pais devem se preocupar no acesso de seus filhos é: para que eles usam o celular? É por uma questão de segurança? Se for para isso, tudo bem. Mas se for para ficar horas jogando, então tem que haver uma negociação, um acordo. Fácil não é, mas é possível.”

    Salto para o Futuro é apresentado por Murilo Ribeiro e Barbara Pereira, todas as quartas-feiras, às 20h, na TV Escola. O programa fica disponível também no canal do YouTube, no portal oficial e no aplicativo da emissora disponível nas plataformas digitais.

    Assessoria de Comunicação Social

     

Fim do conteúdo da página