Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias
Início do conteúdo da página
  • O ministro Janine Ribeiro e o embaixador Raffaele Trombetta firmaram o compromisso para a oferta de cursos de italiano a estudantes de universidades públicas e a futuros bolsistas do Ciência sem Fronteiras e de outros programas de mobilidade acadêmica (foto: Isabelle Araújo/MEC)Estudantes brasileiros de graduação e pós-graduação podem contar em breve com cursos on-line e intercâmbio para o aprendizado de italiano pelo programa Idiomas sem Fronteiras. É o que prevê memorando de entendimento assinado esta semana entre o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, e o embaixador da Itália no Brasil, Raffaele Trombetta.

    Considerada a aprendizagem de línguas estrangeiras como ferramenta indispensável para o desenvolvimento de programas de mobilidade e para a internacionalização da educação superior, o Ministério da Educação brasileiro e a Embaixada da Itália pretendem oferecer a aprendizagem de italiano a estudantes de universidades públicas, a futuros bolsistas do programa Ciência sem Fronteiras e a outros programas de mobilidade acadêmica.

    O memorando prevê ações como um curso on-line, em níveis A1 e A2, com o limite de mil senhas de acesso, destinado a estudantes brasileiros de universidades públicas aprovados em edital de seleção do Idioma sem Fronteiras–Italiano, e a estudantes homologados pelo Ciência sem Fronteiras com destino à Itália. Além disso, o documento prevê o auxílio, pelo país europeu, para o ensino presencial de italiano nos núcleos de línguas das instituições de educação superior cadastradas no Idiomas sem Fronteiras, além da articulação para elaboração de testes válidos como comprovação de nivelamento no idioma.

    O memorando prevê ainda o intercâmbio entre professores brasileiros e italianos para o aperfeiçoamento do idioma estrangeiro no país receptor, simultaneamente à experiência de ministrar aulas de português e italiano para estrangeiros em universidades. O memorando é válido por quatro anos.

    Assessoria de Comunicação Social

     

  • Ao abrir o 1º Encontro Nacional de Coordenadores do Programa Idioma Sem Fronteiras, na tarde desta quarta-feira, 10, em Brasília, o ministro da Educação, Henrique Paim, falou da importância do momento educacional que o país está atravessando, com o avanço dos quesitos de idioma das nossas universidades. “Conseguimos com muita luta e esforço fazer com que os estudantes brasileiros tenham oportunidade, por meio deste programa, de estudar nas melhores universidades do mundo e assim, aumentar a produção científica do país”, afirmou.

    O encontro, que se estenderá até sexta-feira, 12, tem o objetivo de debater a internacionalização das universidades federais, a partir de uma política linguística em colaboração da área de ensino-aprendizagem de língua inglesa e outras línguas. O evento reúne docentes coordenadores do programa de todas as universidades federais credenciadas, além de professores graduandos de cursos de letras que atuam nas aulas presenciais dos núcleos de línguas.

    A presidenta do Programa Idioma Sem Fronteiras do Ministério da Educação, Denise Martins de Abreu e Lima, ressaltou que por conta do sucesso do programa Inglês Sem Fronteiras é que outros idiomas vão começar a integrar. “Já tem ação em andamento com o lançamento das 1,5 mil vagas ofertadas para o curso on-line de língua francesa”, observou. “Precisamos articular com as universidades para fazer este processo funcionar em 2015 e nos anos seguintes com uma estruturação mais adequada”, pontuou.

    Também participaram da cerimônia de abertura o secretário substituto de Educação Superior do MEC, Dilvo Ristoff, e o coordenador-geral de acompanhamento e monitoramento de resultados da diretoria de relações internacionais da Coordenação de Aperfeiçoamento do Pessoal de Nível Superior (Capes), Adi Balbinot Junior.

    Assessoria de Comunicação Social

  • No próximo mês de março, 120 estudantes de graduação dos Estados Unidos, ou profissionais recém-formados em várias áreas de conhecimento, começam a atuar como assistentes nos núcleos de língua inglesa de 35 universidades federais do Brasil. O intercâmbio educacional é realizado pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), em parceria com a Comissão Fulbright Brasil.

    Essa modalidade de intercâmbio é o objetivo do Programa Professores Assistentes de Língua Inglesa, que desde o ano passado recepciona estudantes dos Estados Unidos para dar suporte ao Programa Idioma sem Fronteiras. Cada assistente receberá uma bolsa mensal, no valor de 1.600 dólares, e poderá permanecer no país por nove meses.

    De 2 a 6 de março, os bolsistas participam de seminário de orientação, em São Paulo, onde receberão informações sobre pesquisa e ensino no Brasil. Logo depois, serão encaminhados para as universidades onde vão atuar.

    Simone Sarmento, vice-presidente do Programa Idioma sem Fronteiras, modalidade língua inglesa, explica o papel e a importância do apoio dos bolsistas: “Esses norte-americanos não são propriamente professores de línguas, mas têm formação nas humanas e vêm agregar valor ao ensino e ao desenvolvimento de proficiência. Eles não assumem turmas, mas podem atuar desenvolvendo projetos.”

    Rovênia Amorim

  • O Brasil está entre os 64 países convidados para encontro promovido pela principal associação mundial de professores de língua inglesa, o Teachers of English to Speakers of Other Languages (Tesol), na quinta-feira, 9, e na sexta, 10, em Atenas, Grécia. Entre os destaques do encontro estará uma apresentação sobre o programa Idiomas sem Fronteiras (IsF), do Ministério da Educação, considerado referência no cenário internacional.

    Sobre o programa, falarão no encontro a presidente do núcleo gestor do IsF, Denise Abreu e Lima, e o vice, Waldenor Moraes Filho. O encontro em Atenas será uma oportunidade de inclusão nos debates das iniciativas do MEC na oferta de ensino de línguas estrangeiras, de conhecer outras formas de trabalho com idiomas desenvolvidas em outros países, pesquisas em andamento e recriação de competências dos profissionais como agentes de transformação.

    O IsF foi desenvolvido há quatro anos pelo MEC para incentivar o aprendizado de idiomas em instituições federais de educação superior, contribuir na formação de professores e oferecer melhores oportunidades aos alunos. Mais de 100 mil estudantes já foram beneficiados pelo programa em cursos presenciais e mais de um milhão em cursos a distância. Estão em fase de formação cerca de 800 candidatos a professores de língua inglesa e outros 400 mil já passaram pelo exame Toefl–ITP [test of english as a foreign language – integral transformative practice].

    “A proposta é estruturar uma política de internacionalização de nossas instituições de educação superior”, explicou Denise. Segundo ela, além dos cursos regulares de inglês, presenciais e a distância, o Idiomas sem Fronteira oferece, em experiência-piloto, aulas de alemão, italiano, francês, espanhol e japonês, em parceria com os governos dos países de origem. “Em breve, estaremos lançando novos editais para permitir também o cadastramento de universidades estaduais, municipais, comunitárias e da iniciativa privada”, disse. “Elas contarão com o nosso apoio na fase de implementação dos cursos.”

    Ainda de acordo com a presidente do núcleo gestor do IsF, está em fase de planejamento a oferta de português como língua estrangeira para estudantes que vêm de fora.

    O encontro de Atenas terá transmissão ao vivo na página do Tesol na internet.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Parceria assinada entre o ministro Renato Janine e o ministro-presidente da Federação Valônia-Bruxelas, Rudy Demotte, prevê a atuação de professores belgas em universidades brasileiras interessadas (Foto: Mariana Leal/MEC)Um memorando de entendimento assinado nesta quinta-feira, 28, entre o ministro da Educação, Renato Janine Ribeiro, e o ministro-presidente da Federação Valônia-Bruxelas, Rudy Demotte, fará com que universidades federais brasileiras recebam professores belgas para ministrar aulas de língua francesa para alunos interessados em programas de mobilidade, como o Idioma Sem Fronteiras.

    Os professores passarão a dar aulas em universidades que não possuam docentes dessa língua em seus quadros. Além disso, os professores estrangeiros vão ministrar aulas de literatura belga nos cursos de letras-francês nas universidades que desejarem receber esses profissionais.

    O ministro Renato Janine Ribeiro destaca a parceria entre o Brasil e a Bélgica no projeto. “É com grande satisfação que temos esta cooperação com a Bélgica, que já recebe centenas de estudantes brasileiros pelo Ciências sem Fronteiras. Agora, abre-se também uma oportunidade de desenvolver novas formas de cooperação”, disse.

    Conforme Demotte, o entendimento entre os dois países pretende também viabilizar a concessão de materiais didáticos. O contrato de cada professor belga tem a duração de um ano, podendo ser renovado por até cinco anos.

    Durante o período em que estiverem no Brasil, os docentes participarão do programa Idioma Sem Fronteiras como professores dos núcleos de língua das universidades federais da mesma forma que os demais bolsistas do programa, com carga-horária de 20 horas semanais.

    Assessoria de Comunicação Social

    Acesse outras informações no portal do Idioma sem Fronteiras

     

  • O programa Idioma sem Fronteiras (IsF) abre inscrição para cursos de inglês a partir do meio-dia desta terça-feira, 2. Há vagas para estudantes, técnicos administrativos e professores de universidades federais.

    As inscrições para a Oferta 5 de cursos presenciais do programa estão abertas até o dia 12. Podem se inscrever para os cursos alunos de graduação, mestrado e doutorado stricto sensu de universidades cadastradas no IsF–Inglês como núcleos de línguas (NucLi), além de servidores (técnicos administrativos e professores) de universidades federais.

    Os requisitos para a inscrição incluem ter realizado o exame Toefl–ITP [test of english as a foreign language – integral transformative practice], que mede a proficiência em inglês, pelo Inglês sem Fronteiras, e já ter o resultado publicado no sistema IsF. O teste indica em que nível de curso o aluno deve se matricular.

    O curso presencial do IsF–Inglês tem fins acadêmicos e de preparação para exames como o Toefl, IBT [internet based test] e Ielts [international english language testing system]. A carga horária de cada turma pode variar de um a quatro meses e a distribuição de aulas fica a critério da universidade, dependendo do nível de inglês que cada curso exige. Os cursos têm quatro horas semanais, são divididos em um a quatro encontros semanais, dependendo da organização da instituição. O corpo docente é formado por licenciandos e licenciados de letras (inglês) com alto nível de proficiência. Cada turma tem o mínimo de 10 e máximo de 20 alunos. As aulas terão início em 24 de junho de 2015.

    O resultado da inscrição será divulgado aos candidatos inscritos por e-mail, às 12h do dia 18 próximo. Os critérios de seleção, distribuição em turmas e remanejamento de turmas constam do edital, na página do Idiomas sem Fronteiras na internet. Mais informações sobre os cursos estão disponíveis na página do Inglês sem Fronteiras.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Rovênia Amorim, do Portal MEC

    O Programa Idioma sem Fronteiras (IsF) está com inscrições on-line abertas até 18 de julho. No total, são ofertadas 1.420 vagas para cursos de inglês em 18 universidades da rede federal e 485 vagas para o curso de Português para estrangeiros, em 13 instituições federais.

    São oferecidos cursos presenciais de inglês e também para língua portuguesa destinada a estudantes estrangeiros que residem no Brasil e tenham vínculo com instituições de educação superior.

    Podem se candidatar:

    • Estudantes universitários dos níveis de graduação e pós-graduação com matrículas ativas nas instituições credenciadas com ofertas de vagas;
    • Técnicos e docentes das instituições;
    • Estrangeiros que tenham número de inscrição no CPF e sejam vinculados a uma instituição parceira do programa;
    • Professores de idiomas da rede pública de educação básica.

    Os interessados devem se inscrever no Sistema IsF Aluno

    O Idioma sem Fronteiras é um programa do Ministério da Educação (MEC) de fomento à internacionalização da educação superior no Brasil por meio da capacitação em línguas estrangeiras.

    Os cursos presenciais são totalmente gratuitos e a distribuição dos alunos é feita de acordo com um teste de nivelamento realizado on-line na plataforma do programa. Leia o edital completo.

    Confira as instituições com oferta de vagas em inglês:

    • Universidade Regional de Blumenal (FURB);
    • Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS);
    • Universidade Federal do Amazonas (UFAM);
    • Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG);
    • Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS);
    • Universidade Federal do Oeste da Bahia (UFOB);
    • Universidade Federal de Pernambuco (UFPE);
    • Universidade Federal do Paraná (UFPR);
    • Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ);
    • Universidade Federal de Roraima (UFRR);
    • Universidade Federal de Sergipe (UFS);
    • Universidade Federal de São Carlos (UFSCar);
    • Universidade Federal de São João Del-Rei (UFSJ);
    • Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM);
    • Universidade Federal do Vales do Jequitinhonha e Mucuri (UFVJM);
    • Universidade Federal do Amapá (Unifap);
    • Universidade Federal de Itajubá (Unifei) e;
    • Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila).

    Já as vagas para os cursos de Português para Estrangeiros serão ofertadas nas seguintes universidades:

    • FURG;
    • UFAM;
    • UFTM;
    • UFRR;
    • UFMS;
    • Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS);
    • Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF);
    • Universidade Federal do Maranhão (UFMA);
    • Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS);
    • Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ);
    • Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC);
    • Universidade Federal de Viçosa (UFV) e;
    • Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira (Unilab).
  • O programa Idiomas sem Fronteiras ampliou a aplicação do teste de nivelamento Toefl–ITP para que seja a porta de entrada nas demais ações do programa referentes à língua inglesa. A partir de maio próximo, um dos requisitos para a inscrição no curso My English On-Line (MEO) e nos cursos presenciais de inglês será o resultado do teste, que pode ser realizado mais de uma vez e gratuitamente.

    Estudantes do curso My English On-Line podem fazer a inscrição para realizar, gratuitamente, o Toefl–ITP [test of english as a foreign language – integral transformative practice], reconhecido internacionalmente na avaliação do nível de proficiência em língua inglesa. O teste será aplicado nas universidades da rede federal credenciadas pelo Idiomas sem Fronteiras, criado em 2012 pelo Ministério da Educação para aumentar a proficiência dos estudantes interessados em intercâmbio no exterior pelo programa Ciência sem Fronteiras.

    O resultado do teste não interferirá no nível que o aluno estiver cursando no MEO, nem em sua promoção. Indicará apenas como o estudante está em termos de certificação nacional e auxiliará o núcleo gestor do programa na avaliação da proficiência nacional. A pontuação do Toefl-ITP é sigilosa. Só é divulgada ao próprio candidato que realizar o teste.

    A presidente do programa Idiomas sem Fronteiras, Denise de Abreu e Lima, explica que o benefício do teste de nivelamento estava restrito aos estudantes das universidades da rede federal e aos candidatos do Ciência sem Fronteiras. Com a ampliação da oferta, o teste pode ser feito por qualquer estudante inscrito no My English On-Line, por alunos de instituições particulares e por aqueles que, por algum motivo, estejam com senha bloqueada. O resultado geral dos testes auxiliará na avaliação do programa e no desenho de ações para melhoria do ensino do idioma.

    Os alunos das instituições particulares que cursam o MEO, ativos ou bloqueados, devem fazer o cadastramento para realizar o teste em instituições da rede federal. Nas instituições estaduais, somente alunos de graduação e de pós-graduação podem fazer o teste; nas universidades e institutos federais de educação, ciência e tecnologia, os técnicos administrativos, estudantes e docentes.

    Avaliação — Duzentos mil estudantes já realizaram o teste de nivelamento. A maioria foi classificada no nível intermediário. De acordo com Denise, o Toefl-ITP é importante para o estudante mensurar a compreensão oral, escrita, vocabulário e gramática em língua inglesa e para a avaliação do próprio Idiomas sem Fronteiras. “É fundamental porque começamos a avaliar as ações do próprio programa”, afirma. “Começamos a perceber onde é necessário investir mais, em que níveis precisamos dar mais acesso e que tipos de cursos precisamos ofertar. E é a média nacional que nos dá esse retorno, não a média individual do aluno.”

    A partir de maio, somente serão aceitas inscrições para as aulas presenciais de inglês ofertadas pelas universidades federais de estudantes que tiverem realizado o teste.

    A relação das instituições credenciadas para aplicar o Toefl-ITP pode ser consultada na página do Idiomas sem Fronteiras na internet.

    Rovênia Amorim

  • Serão abertas no dia 14 próximo, às 12h, as inscrições para oito cursos presenciais de inglês do programa Idiomas sem Fronteiras (IsF). O período se estenderá até as 12 horas do dia 26, pelo horário oficial de Brasília.

    Podem fazer a inscrição os alunos de cursos de graduação, mestrado e doutorado stricto sensu de instituições de educação superior cadastradas no programa como núcleos de línguas (NucLi), além de servidores (técnicos administrativos e professores) dessas instituições. Os requisitos para a inscrição incluem ter realizado o exame Toefl/ITP [test of english as a foreign language/integral transformative practice] pelo IsF, com resultado publicado. O teste indica em qual nível de curso o aluno deve se matricular.

    O curso presencial de inglês tem fins acadêmicos e de preparação para exames como o Toefl, o IBT [internet based test] e o Ielts [international english language testing system]. A carga horária de cada turma pode variar de um a quatro meses. A distribuição de aulas fica a critério da universidade, de acordo com o nível de inglês que cada curso exige. Os cursos, de quatro horas semanais, podem ter um a quatro encontros por semana, a critério da instituição de ensino. O corpo docente é formado por licenciandos e licenciados em letras (inglês) com alto nível de proficiência. Cada turma tem o mínimo de 10 e máximo de 20 alunos.

    As inscrições devem ser feitas no sistema de inscrição do programa na internet. O resultado será comunicado aos candidatos por mensagem enviada ao endereço eletrônico (e-mail) a partir das 12 horas (de Brasília) do dia 30 próximo. As aulas terão início em 9 de novembro.

    Mais informações sobre os cursos estão disponíveis na página do Inglês sem Fronteiras na internet e no Edital nº 30, de 1º de outubro de 2015, da Secretaria de Educação Superior (Sesu) do Ministério da Educação.

    Assessoria de Comunicação Social

Fim do conteúdo da página