Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • 1) ProNEA – Programa Nacional de Educação Ambiental

    2) Educação ambiental: aprendizes de sustentabilidade

    3) Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental na escola

    4) Pensar o ambiente: bases filosóficas para a educação ambiental

    5) O que fazem as escolas que dizem que fazem educação ambiental

    6) Um retrato da presença da EA no ensino fundamental

    7) Com-Vida / Agenda 21 na Escola

    8) Consumo sustentável

    9) Coletivos Jovens de Meio Ambiente – Manual Orientador

    10) Juventude, cidadania e meio ambiente

    11) Políticas públicas de EA

    12) Viveiros educadores

    13) Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental

    14) PCN - Meio Ambiente

    15) Horta escolar

    16) Tratado de Educação Ambiental

    17) Carta das Responsabilidades para o Enfrentamento das Mudanças Ambiental Globais

    18) Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental Resolução CNE/CP nº 02/2012

    19) Mudanças Ambientais Globais - Cadernos Temáticos: Terra, Fogo, Água e Ar

    20) Vamos cuidar do Brasil com Escolas Sustentáveis

    21) Cartilha turma da Mônica

    22) Passo a passo para a Conferência de Meio Ambiente na Escola + Educomunicação

  • A edição deste documento traz contribuições valiosas para nortear a reflexão sobre a necessária transformação do sistema escolar afim de atender às necessidades e interesses dos alunos com Deficiência Mental, garantindo que tenham acesso a espaços comuns e processos educacionais inclusivos.

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF.
     

    • Atendimento Educacional Especializado para a Deficiência Mental  - txt | pdf
  • A publicação do Material de formação Docente Educar na Diversidade, resultado do Projeto Educar na Diversidade nos Países do Mercosul, constitui elemento chave na implementação do projeto brasileiro de formação de professores para responder à diversidade de estilos e ritmos de aprendizagem de seus alunos, constituindo o meio mais eficaz para combater a exclusão educacional e promover a inclusão social de todos.

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF.

    • Educar na Diversidade: material de formação docente - txt | pdf

    * Caso o vídeo não abra em seu navegador, clique com o botão direito sobre o link e salve o arquivo em seu computador. Você precisará de um software para executar o arquivo localmente.

  • Uma escola que acolha a todos é fruto de um processo permanente de reflexões e ressignificações do cotidiano escolar e das suas práticas pedagógicas. Essa coletânea reune artigos, depoimentos, relatos de experiências e pesquisas elaboradas por profissionais reconhecidos no meio acadêmico e pessoas envolvidas no movimento de inclusão educacional debatidos no II Seminário Nacional do Programa Educação Inclusiva: Direito à Diversidade.

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF.

    • Construindo Escolas Inclusivas - txt | pdf

    * Caso o vídeo não abra em seu navegador, clique com o botão direito sobre o link e salve o arquivo em seu computador. Você precisará de um software para executar o arquivo localmente.

  • A segunda edição dos Ensaios Pedagógicos apresenta novos artigos de pesquisadores e profissionais da educação que abordam a educação especial na perspectiva da educação inclusiva com o objetivo de  disseminar e fortalecer, junto aos gestores e educadores dos municípios brasileiros, a inclusão nas classes comuns do ensino regular. 

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF.

    Programa Educação Inclusiva (2006) - txt | pdf

    * Caso o vídeo não abra em seu navegador, clique com o botão direito sobre o link e salve o arquivo em seu computador. Você precisará de um software para executar o arquivo localmente.

  • Esta publicação tem como objetivo apoiar e incentivar a formação de professores de língua portuguesa da Educação Básica que com alunos surdos, contendo subsídios para o ensino da língua portuguesa escrita aos alunos usuários da Libras. É composto de dois volumes.

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF

    • Ensino de Língua Portuguesa para surdos – Caminhos para a prática pedagógica (vol. 1) - txt | pdf
    • Ensino de Língua Portuguesa para surdos – Caminhos para a prática pedagógica (vol. 2) - txt | pdf
  • Trajetórias Criativas - jovens de 15 a 17 anos no Ensino Fundamental: uma proposta metodológica que promove autoria, criação, protagonismo e autonomia.

    Esse conjunto de cadernos abrigam uma proposta metodológica, um conjunto de sugestões de trabalho integrado entre componentes e áreas de conhecimento (Trajetórias) e orientações sobre o trabalho com a iniciação científica. Este material tem a intenção de inspirar a implementação de currículos específicos, na perspectiva da educação integral, para os jovens de 15 a 17 anos retidos no Ensino Fundamental.

     

    Ensino Fundamental de Nove Anos

    Jovens de 15 a 17 anos no ensino fundamental - Caderno de reflexões - A publicação é fruto das discussões do Grupo de Trabalho (GT) “Roda de Conversa”, instituído pelo Ministério da Educação (MEC), por meio da Secretaria de Educação Básica (SEB) e da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD). Esta parceria teve por objetivo refletir, propor políticas e delinear ações para o atendimento aos jovens na faixa etária de 15 a 17 anos que deveriam estar matriculados no Ensino Médio

    A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o Ensino Fundamental de Nove Anos - A publicação “A criança de 6 anos, a linguagem escrita e o Ensino Fundamental de Nove Anos” destina-se às turmas de crianças de seis, sete e oito anos (ciclo da infância) e pretende subsidiar o trabalho docente no que se refere ao desenvolvimento de habilidades e capacidades relacionadas à leitura e à escrita.

    Passo a passo da implementação do ensino fundamental de nove anos

    Este documento tem por objetivo subsidiar gestores municipais e estaduais, conselhos de educação, comunidade escolar e demais órgãos e instituições. É um passo a passo do processo de implantação e implementação do ensino fundamental de nove anos. Ao final, estão as perguntas e respostas mais freqüentes que foram coletadas a partir de consultas feitas ao MEC.

    Ensino Fundamental de Nove Anos: Orientações Gerais - Essa publicação constitui um referencial para as questões pedagógicas e administrativas no que se refere à inclusão das crianças de seis anos de idade no ensino fundamental. O documento apresenta também a fundamentação legal pertinente e temas como organização do tempo e do espaço escolar, trabalho coletivo, formação do professor para atuar com criança de seis anos, enfim, aspectos significativos para a construção de uma escola com qualidade social.

    Ensino Fundamental de Nove Anos 1º Relatório - Apresenta as principais ações realizadas pela SEB/DPE/COEF em parceira com as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação até julho de 2004.

    Ensino Fundamental de Nove Anos 2º Relatório - Expõe as principais ações realizadas pela SEB/ /DPE/COEF em parceira com as Secretarias Estaduais e Municipais de Educação no período de agosto de 2004 até julho de 2005.

    Orientações para a Inclusão da Criança de Seis Anos de Idade- Tal publicação busca fortalecer o processo de debate com professores e gestores sobre a infância na educação básica, tendo como focos o desenvolvimento e a aprendizagem das crianças de seis anos de idade ingressantes no ensino fundamental de nove anos, mas sem perder de vista a abrangência da infância de seis a dez anos de idade nessa etapa de ensino. Nesse documento são desenvolvidos temas como a infância e sua singularidade; a infância na escola e na vida: uma relação fundamental; o brincar como um modo de ser e estar no mundo; as diversas expressões e o desenvolvimento da criança na escola; as crianças de seis anos e as áreas do conhecimento; letramento e alfabetização: pensando a prática pedagógica; a organização do trabalho pedagógico: alfabetização e letramento como eixos organizadores; avaliação e aprendizagem na escola: a prática pedagógica como eixo da reflexão e modalidades organizativas do trabalho pedagógico: uma possibilidade.

     

    Publicações do PRALER

    Veja aqui as Publicações do Praler

     

    Prova Brasil

    A Prova Brasil é o instrumento de medida das competências leitora e matemática, aplicado para praticamente todas as crianças e jovens matriculados na quarta e oitava séries (quinto e nono anos) das escolas públicas urbanas e rurais, que possuem, no mínimo, 20 alunos matriculados nas séries/anos avaliados.

     

    Provinha Brasil

    A Provinha Brasil é o instrumento elaborado para oferecer aos professores e aos gestores das escolas públicas e das redes de ensino um diagnóstico do nível de alfabetização dos alunos, ainda no início do processo de aprendizagem, permitindo assim intervenções com vista à correção de possíveis insuficiências apresentadas nas áreas de leitura e escrita. Essa avaliação é um instrumento pedagógico sem finalidades classificatórias.

     

    Programa de Formação de Professores Alfabetizadores - PROFA

     

    Prêmio Professores do Brasil - 2005

    Experiências premiadas em 2005, publicadas em 2006  [Parte 1] [Parte 2]

     

    Rede Nacional de Formação Continuada de Professores da Educação Básica

     

    Pró-Letramento

     

    Referenciais para Formação de Professores

  • Publicações:

    Orientações gerais

    Ensino Fundamental de 9 anos – 1º relatório

    Ensino Fundamental de 9 anos – 2º relatório

     










  • Dados Estatísticos

     



  • A Estenografia Braille  para a Língua Portuguesa foi elaborada com base na Grafia Braille da Língua Portuguesa publicada pela Comissão de Braille de Portugal. O documento comporta duas grandes estruturas: a das abreviaturas e a da estenografia propriamente dita.  A intenção é contribuir com os Sistemas de Ensino e com as pessoas cegas brasileiras, que poderão contar com mais uma alternativa de uso do Sistema Braille.

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF.

    • Estenografia Braille Para a Língua Portuguesa - txt | pdf
  • Estudos de Mercado

     

    Os Estudos de Mercado correspondem a estudos e pesquisas para dimensionar e caracterizar a demanda de mão-de-obra com vistas a subsidiar ações do Programa de Expansão da Educação Profissional - PROEP, efetuando o processamento e a análise de dados secundários obtidos através da Relação Anual de Informações Sociais- RAIS, do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – CAGED e da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios – PNAD. As informações correspondem, também, ao levantamento, processamento e à análise de dados primários dos setores industrial e de serviços, utilizando metodologia adaptada da Pesquisa da Atividade Econômica Paulista – PAEP, além do levantamento, processamento e análise de dados do setor primário, com base no desenvolvimento de metodologia denominada Sensor Rural, desenvolvida pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados – Seade.


    O levantamento, processamento e análise dos dados têm o propósito de gerar um sistema de referência estatística para a avaliação dos planos de reforma e expansão da Educação Profissional, a serem elaborados pelas Instituições Federais de Educação Profissional, Secretarias Estaduais de Educação e Escolas do Segmento Comunitário.

    Dados primários



    Dados secundários

  • Experiências e relatos de boas práticas de ensino que propiciam as condições necessárias para a inclusão de todos os alunos, valorizando as diversas formas de aprender, compreender o mundo e dar significado a ele são contadas nesse livro, que reflete o trabalho dos gestores e educadores de municípios-polo que integram o Programa Educação Inclusiva: Direito à Diversidade.

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato PDF.

    • Programa Educação Inclusiva: Direito à Diversidade - txt | pdf

    * Caso o vídeo não abra em seu navegador, clique com o botão direito sobre o link e salve o arquivo em seu computador. Você precisará de um software para executar o arquivo localmente.

  • Material Didático do Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

     

    Conselhos Escolares - Módulo 1  Módulo 1 – Conselho Escolar: Processos, Mobilização, Formação e Tecnologia- Esta publicação tem como objetivo principal contribuir com a formação do conselheiro escolar, ampliando seus conhecimentos com vistas a qualificar a sua atuação e contribuir com sua participação na gestão administrativa, financeira e pedagógica da escola.  Este Módulo, entre outras temáticas, trata da história e da legislação dos Conselhos Escolares, que sustentam e viabilizam seus conceitos, limites e possibilidades; da função do Conselho Escolar na gestão democrática da escola; do Conselho Escolar como colegiado ativo e relevante nas práticas educativas; e da organização dos conselhos em fóruns.

     

    Estratégia de gestão democrática

    Conselhos Escolares: uma estratégia de gestão democrática da educação pública - Publicação destinada aos dirigentes e técnicos das secretarias estaduais e municipais de educação. Traz uma reflexão sobre a importância desse colegiado e uma análise da legislação municipal e estadual referente aos Conselhos Escolares. Foi elaborada visando a oferecer aos gestores educacionais nas secretarias estaduais e municipais de educação subsídios para a compreensão do significado dos conselhos na gestão da educação pública. Público alvo: Secretarias estaduais e municipais de educação.

     


    Democratização da escola e construção da cidadaniaCaderno 1 – Conselhos Escolares: democratização da escola e construção da cidadania -  Está organizado em duas partes. A primeira aborda a legislação educacional que sustenta e viabiliza o funcionamento dos conselhos escolares em seus objetivos, limites e possibilidades e a segunda parte trata das funções e atribuições dos conselhos escolares.



    Conselho Escolar e a Aprendizagem na EscolaCaderno 2 – Conselho Escolar e a Aprendizagem na Escola - Trata a educação como prática social que visa ao desenvolvimento de cidadãos conscientes, autônomos e emancipados. Desta forma, entende o Conselho Escolar como um instrumento de gestão democrática e de acompanhamento responsável da prática educativa que se desenvolve na escola visando sua função política-pedagógica.


     

    Conselho Escolar e o Respeito e a Valorização do Saber e da Cultura do Estudante e da ComunidadeCaderno 3 – Conselho Escolar e o Respeito e a Valorização do Saber e da Cultura do Estudante e da Comunidade - Reflete sobre a importância da presença do saber e da cultura sobre a negação no processo didático-pedagógico da escola. O caderno divide-se em três partes: a escola, o Conselho Escolar e o processo de formação; a escola da inclusão: pedagogia da emancipação; e o encontro dos saberes: pedagogia do respeito e da integração.




    Conselho Escolar e o Aproveitamento Significativo do Tempo PedagógicoCaderno 4 – Conselho Escolar e o Aproveitamento Significativo do Tempo Pedagógico - Aborda a função da escola de formar o cidadão, assegurando ao educando o acesso e a apropriação do conhecimento sistematizado, mediante a instauração de um ambiente propício às aprendizagens significativas e às praticas de convivência democrática.




    Conselho Escolar, Gestão Democrática da Educação e Escolha do DiretorCaderno 5 – Conselho Escolar, Gestão Democrática da Educação e Escolha do Diretor - Tem como objetivo oferecer contribuição para o fortalecimento dos mecanismos de democratização da escola, em especial do Conselho Escolar e dos processos de escolha de diretores por meio da análise dos desafios, limites e possibilidades da gestão democrática.



    Conselho Escolar como Espaço de Formação HumanaCaderno 6 – Conselho Escolar como Espaço de Formação Humana: círculo de cultura e qualidade da educação - O Conselheiro é um militante na construção da democracia e cidadania. Participa como corresponsável na construção de uma educação escolar inclusiva e de qualidade social. Sua prática é um processo de formação humana e exige momentos específicos de qualificação, que se realiza pelo aprimoramento da prática educativa escolar. Para os encontros de qualificação dos conselheiros é apresentada uma metodologia fundada nos Círculos de Cultura, enfatizando as fases de: a) problematização, investigação rigorosa do problema, b) teorização, estudo para fundamentação de alternativas de solução e c) planejamento da intervenção e acompanhamento da execução.

    Conselho Escolar e o Financiamento da Educação no BrasilCaderno 7 – Conselho Escolar e o financiamento da Educação no Brasil -Este caderno tem como objetivo discutir o financiamento da educação básica no Brasil e contribuir com os conselheiros escolares na análise e compreensão das questões referentes a esta temática. Discute a questão do financiamento no âmbito legal, o papel dos movimentos e órgãos colegiados na garantia do direito à educação. Busca debater, ainda, as políticas educacionais em um sentido mais amplo, ou seja, aquelas ligadas diretamente aos sistemas de ensino e as questões relacionadas à instituição e à participação da comunidade local e escolar.

    Conselho Escolar e Valorização dos Trabalhadores em EducaçãoCaderno 8 – Conselho Escolar e a valorização dos trabalhadores em educação - Traz uma reflexão sobre esses trabalhadores, para que esta valorização ocorra: quem são, qual a trajetória histórica, que lugar ocupam na divisão social do trabalho, as razões da desvalorização social ou desprestígio que sofrem e o que pode e deve ser feito para que esse processo de valorização continue e alcance resultados positivos. O objetivo político-pedagógico desse processo é o de resgatar a importância desses trabalhadores no campo educacional, contribuir para que a escola possa tornar-se um espaço efetivo de mediação, de formação humana e de exercício da democracia participativa, visando à construção de uma sociedade igualitária e justa.

    Conselhor Escolar e a Educação do CampoCaderno 9 – Conselho Escolar e a Educação do Campo - O caderno prioriza reflexões sobre a Educação do Campo e as Escolas do Campo, a partir do entendimento das organizações sociais e encaminha sugestões para que cada coletivo escolar possa estabelecer seus próprios mecanismos que assegurarão a participação social na delimitação de suas ações, dando destaque ao conselho escolar como uma estratégia ímpar nesse contexto de democratização da educação e da sociedade, e objeto central deste caderno. Este caderno integra o Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares e tem como objetivo contribuir para que o conselho escolar possa atuar como um dos instrumentos de gestão democrática nas escolas do campo.

    Conselhor Escolar e a Relação entre a Escola e o Desenvolvimento com Igualdade SocialCaderno 10 – Conselho Escolar e a Relação entre a Escola e o Desenvolvimento com Igualdade Social. Neste Caderno procura-se, junto aos conselhos escolares, ampliar o debate em torno do princípio da igualdade e do desenvolvimento, focalizando algumas questões cruciais para a educação no cotidiano das escolas. O aprofundamento desse debate na escola é potencialmente rico por possibilitar a todos os profissionais da educação, aos pais e aos estudantes ampliarem a compreensão e as vinculações da escola com a sociedade e com os projetos sócio-educativos, bem como o (re)conhecimento dos mecanismos de exclusão e discriminação de quaisquer ordens presentes na sociedade e na escola, para melhor enfrentá-los e superá-los.


    Caderno 11Caderno 11 - Conselho Escolar e Direitos Humanos - Este 11º caderno pretende ser um subsídio à formação dos conselheiros escolares,trazendo, à sua reflexão, elementos para a compreensão da Educação em Direitos Humanos como uma política pública atravessada por valores éticos, subjetividades, relações, práticas sociais e institucionais. Nesse sentido, os Direitos Humanos podem ser compreendidos como um processo de organização e de luta pela conquista de direitos individuais, coletivos, políticos, religiosos, sociais, culturais, ambientais, dentre tantos outros.



    Caderno 12Caderno 12 - Conselho Escolar e sua organização em fórum - Este caderno se constitui em um mapa para criação e movimentação dos conselhos escolares e sua organização em fórum. Trata-se de um mapa, com sugestões para a criação e movimentação de uma política de gestão educacional para unidade de ensino (conselho) e redes ou sistemas de ensino (fórum).






    Publicação da Coleção Conselhos Escolares 

    Gestão Democrática e a Análise de Avaliações em Larga Escala - Este livro traz como proposta averiguar estatísticamente, isto é , na perspectiva quantitativa, se a gestão democrática tem propiciado impacto no desempenho das escolas públicas em avaliações externas, e determinar qual lugar ocupa na hierarquia da variáveis que Influenciam esses indicadores

     

     

    Conselho Escolar e as Possibilidades de Diálogo e Convivência: o desafia da violência na escola -O objetivo principal desse livro é colaborar com as escolas públicas de Educação Básica no esforço de refletir  sobre quem são os estudantes envolvidos com questões de indisciplina e violência e como lidar com essas situações em espaços escolares.

     

     


    Conselhos Escolares - Módulo 1

    Conselho Escolar: Fortalecendo Redes para Gestão Democrática - O objetivo desta obra é o de servir como apoio didático aos cursos oferecidos pela UFC. Seu conteúdo está reproduzido conforme solicitado pelos autores, sem nenhuma interferência do Conselho Editorial da Coleção Conselhos Escolares.

     

     

    Conselhos Escolares - Módulo 1Conselho Escolar e Gestão Democrática: Contribuições de uma Formação para Cidadania- O objetivo desta obra é o de servir como apoio didático ao cursos oferecidos pelo Programa de Fortalecimento dos Conselhos Escolares. Seu conteúdo está reproduzido conforme solicitado pelo(s) autor(es) sem nenhuma interferências do Conselho Editorial da Nova Harmonia.

     

     

    Conselhos Escolares - Módulo 1Conselho Escolar: Formação e participação - Um dos grandes desafios que se apresentam para a universidade pública é o de articular-se de forma propositiva, cooperativa, respeitosa e parceira comos demais níveis de ensino. 

     

     

     

    Conselho Escolar e Diversidade: por uma escola mais democráticaConselho Escolar e Diversidade: por uma escola mais democrática - Este livro é fruto de um esforço coletivo para compreender o desafio da democratização da escola, que tem como um dos seus princípios o acolhimento à diversidade, abrangendo os campos cultural, ético, de gênero e de necessidades especiais. O conselho escolar é espaço privilegiado nesse processo de busca de uma escola mais democrática. Foi produzido pela coordenação do curso de extensão a distância formação continuada em conselhos escolares na Universidade Federal de São Carlos – UFSCar.

     

     

    Conselho EscolarConselho Escolar: processos, mobilização, formação e tecnologia – O presente livro é resultado do empenho coletivo de pesquisadores, professores e tutores do Curso de Extensão a Distância Formação Continuada em Conselhos Escolares, ofertado pela Universidade Federal do Ceará, sistematiza experiências e reflexões acerca dos processos formativos, bem como objetiva fazer uma reflexão sobre o movimento de formação no campo da gestão democrática na educação, mais especificamente, direcionado aos conselhos escolares.


    index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=8683&Itemid=Conselho Escolar: algumas concepções e propostas de ação - O presente livro refere-se à experiência desenvolvida por um grupo de professores, tutores, alunos da pós-graduação e da graduação da Universidade Federal de São Carlos e profissionais da Secretaria de Educação desse município paulista, que propôs e desenvolveu um curso de formação continuada em conselhos escolares destinado a técnicos de redes/sistemas municipais de educação do Estado de São Paulo.


     

    Indicadores de Qualidade na EducaçãoIndicadores de Qualidade na Educação - Os Indicadores de Qualidade foram criados para ajudar a comunidade escolar na avaliação e na melhoria da qualidade da escola. Este é seu objetivo principal. Compreendendo seus pontos fortes e fracos, a escola tem condições de intervir para melhorar sua qualidade de acordo com seus próprios critérios e prioridades. Nesta publicação foram identificados sete elementos fundamentais - chamados de dimensões - que devem ser considerados pela escola na reflexão sobre sua qualidade.


    Indicadores de Qualidade: ensino e aprendizagem da leitura e da escritaIndicadores de Qualidade: ensino e aprendizagem da leitura e da escrita - Ensino Fundamental - Esta publicação é parte dos Indicadores da qualidade na Educação, sistema que vem sendo desenvolvido desde 2003 com o objetivo de envolver toda a comunidade escolar na avaliação e na mobilização pela melhoria da qualidade na educação. Ela contém os indicadores de qualidade relativos ao ensino e à aprendizagem da leitura e escrita no ensino fundamental.



    Aprova Brasil, o direito de aprenderAprova Brasil, o direito de aprender - Procurou identificar em 33 escolas do País as boas práticas que ajudam as crianças a realizar esse sonho. O estudo foi desenvolvido a partir dos resultados da Prova Brasil, um gigantesco esforço de avaliação conduzido pelo INEP, que avaliou a aprendizagem das crianças da 4ª série e dos adolescentes da 8ª série em mais de 40 mil escolas públicas do Brasil.



  • Fortalecimento dos Sistemas de Ensino

    Material de apoio ao Programa Nacional de Capacitação de Conselheiros Municipais de Educação


    Material de apoio ao Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

  • Síntese Executiva








  • Este documento normatizador e de consulta é destinado especialmente a professores, transcritores, revisores e usuários do Sistema Braille. Propõe diretrizes, normas e regulamentações para a unificação do sistema braille com países de língua portuguesa e espanhola em todas as modalidades.

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF.

  • Este livro reune instrumento braillográfico de referência para a informática. Trata-se de um documento essencial para auxiliar na leitura e interpretação das publicações da área de Informática, destinado a professores, transcritores, revisores e usuários do Sistema Braille.

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF.

    • Grafia Braille para Informática - txt | pdf
  • Professores de ensino médio já podem acessar o guia de livros didáticos do PNLD 2018

    Professores do ensino médio do país já podem escolher os livros didáticos que serão utilizados nas escolas da rede pública a partir do próximo ano. O Guia de Livros Didáticos 2018 é um dos documentos mais importantes para efetivação da escolha, pois  traz resenhas e informações acerca de cada uma das obras aprovadas no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), apresentando aos docentes análises, reflexões e orientações quanto ao conteúdo e estrutura das obras e suas potencialidades para a prática pedagógica.  Além de resenhas e de textos introdutórios escritos pelas equipes de avaliação de cada componente curricular, o guia – na sua versão digital – traz uma novidade nesta edição: durante o período de escolha, com a chave de acesso fornecida aos diretores das escolas de Ensino Médio das escolas participantes do PNLD, os professores podem visualizar o conteúdo completo dos Manuais do Professor.

    O período para a escolha dos livros didáticos será de 21 de agosto a 4 de setembro, no sistema PDDE-Interativo. No PNLD 2018 serão selecionadas obras destinadas a estudantes e professores do ensino médio dos seguintes componentes curriculares: Arte, Biologia, Filosofia, Física, Geografia, História, Língua Estrangeira Moderna (Inglês e Espanhol), Língua Portuguesa, Matemática, Química e Sociologia.

    O Guia de livros didáticos é uma peça fundamental do PNLD e tem, a princípio, três funções. A primeira delas é de orientação aos docentes da Educação Básica para que possam melhor realizar o processo de escolha das obras que serão utilizadas nas escolas do Brasil. O destinatário inicial do Guia é, portanto, o coletivo de docentes de cada unidade ou rede escolar, que deve dispor de todas as orientações, informações e reflexões possíveis, de modo a sentir-se fundamentado na apreciação e decisão sobre as obras que melhor possam contribuir para o desenvolvimento de suas atividades didáticas, em conformidade com o projeto político-pedagógico da escola. O Guia enuncia, também, os pressupostos da avaliação pedagógica, efetivados em observância ao Edital do Programa e em conformidade com afirmações acadêmicas atualizadas. Destina-se, por essas razões, igualmente aos pesquisadores e demais interessados em compreender, acompanhar e refletir sobre o alcance, limites e contribuições das obras e do PNLD, em seu amplo espectro. Além de obras com perspectivas pedagógicas diferenciadas, o Guia de livros didáticos apresenta reflexões fundamentais à formação docente no tocante aos processos de mediação pedagógica. Com efeito, esta é outra função do Guia, a de facilitar o debate público e social acerca dessa importante política pública, sendo mediador de concepções, afirmações e convocações com impactos no campo do currículo e da experiência social. Como instrumento público, o Guia cumpre, ademais, a função de apresentar os parâmetros de efetivação legal do Programa, contendo os elementos que norteiam a procedimentos de aquisição e distribuição das obras às escolas do País. No momento da escolha é importante que os professores selecionem obras consonantes aos pressupostos educacionais dispostos no projeto da escola, observando o cuidado em escolher obra e primeira e em segunda opção, de editoras diferentes. Caso não seja possível a aquisição dos livros da editora da 1ª opção, o FNDE comprará as obras da 2ª opção. Dessa forma, o Ministério da Educação recomenda o mesmo cuidado na seleção de obras em primeira e em segunda opção.

    Depois de efetivada a escolha das obras pelo coletivo docente, é preciso que o(a) diretor(a) da escola acesse o Sistema PDDE-Interativo e registre a escolha. O FNDE disponibiliza em seu portal uma série de documentos de apoio à escolha e ao registro: http://www.fnde.gov.br/programas/programas-do-livro/livro-didatico/escolha-pnld-2018

    Em 2018, o PNLD beneficiará cerca de 7 milhões de estudantes do ensino médio, concretizando, mais uma vez, a intencionalidade em universalizar o acesso ao livro didático por meio de um programa democrático, plural e orientado para o aprimoramento dos processos de mediação pedagógica e de formação docente nas escolas da rede pública do país. O PNLD é um programa consolidado como política de Estado, reconhecido por sua relevância nas escolas do país devido às repercussões na qualidade dos processos de mediação pedagógica e à observância dos princípios éticos republicanos expressos em todas as fases de sua execução, evidenciando o protagonismo docente e o compromisso com a melhoria da educação pública.

     

  • Este livro contém um conjunto de propostas de atividades para ensinar língua portuguesa escrita para alunos surdos, desde a alfabetização até os anos iniciais do ensino fundamental. Auxilia o professor no desenvolvimento de práticas educacionais na sala de aula comum e no atendimento educacional especializado.

    A versão eletrônica desse documento está disponível para download em formato TXT e PDF.

    • Ideias para ensinar português para alunos surdos - txt | pdf

    * Caso o vídeo não abra em seu navegador, clique com o botão direito sobre o link e salve o arquivo em seu computador. Você precisará de um software para executar o arquivo localmente.








Fim do conteúdo da página