Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Notícias

Instituto inicia curso de aqüicultura

  • Quinta-feira, 05 de fevereiro de 2009, 16h35

O Brasil está entre os países com maior extensão de costa marítima no mundo. Ainda assim, os brasileiros comem pouco peixe e exploram pouco a atividade pesqueira. Desde 2006, o Ministério da Educação e a Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República (SEAP/PR) juntaram esforços para implementar mais cursos de pesca e aqüicultura em todo o país. No dia 16, segunda-feira, começa a funcionar o curso técnico em aqüicultura do campus Foz de Iguaçu do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná.

Desde o início do acordo entre a SEAP e a Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do MEC, já foram criados 16 núcleos de pesca em todo o país. Serão outros cinco em Rondônia, Roraima, Tocantins e Rio Grande do Sul (nas cidades de Rio Grande e Bento Gonçalves).

A ação também trouxe 45 cursos técnicos de pesca. O acordo prevê a implementação de cursos técnicos de nível médio, superior e de formação inicial e continuada na área de recursos pesqueiros. A intenção, além da criação de núcleos de pesquisa, é a difusão de novas tecnologias e a capacitação de docentes e extensionistas nas áreas de pesca e aqüicultura.

Na aula inaugural do curso técnico em Foz do Iguaçu,o coordenador de política de formação humana na área de pesca marinha e continental e aqüicultura da Setec, professor Edmar Almeida de Moraes, vai apresentar a política de formação humana na área de pesca marinha, continental e aqüicultura familiar. “Quero traçar um panorama do estágio da aqüicultura no mundo e no país”, explica.

Para o professor Edmar, o curso técnico em aqüicultura é importante para capacitar jovens brasileiros a explorar a pesca como atividade econômica. A pouca oferta dessa formação é, para o especialista, um dos motivos para o país não lucrar com a atividade como deveria. “Ao longo de quase 100 anos de existência da rede federal de educação profissional, científica e tecnológica, foram instalados seis cursos na área de pesca. Hoje são 45”, comemora.

O curso técnico em aqüicultura terá 40 vagas para alunos do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na modalidade de Jovens e adultos (Proeja). Com três anos de duração, o curso traz uma integração de disciplinas do ensino médio com a parte técnica do cultivo de animais aquáticos como ostras, camarões e peixes. A aula inaugural será no Parque Tecnológico Itaipu, próximo à usina. O evento terá a presença do reitor do Instituto Federal do Paraná, Alípio Santos Leal Neto e do presidente da Fundação Itaipu, Jorge Miguel Samek.

Ana Júlia Silva de Souza

X
Fim do conteúdo da página