Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Educação básica

Parceria oferece apoio técnico para avaliação do ensino médio

  • Terça-feira, 14 de fevereiro de 2012, 15h24
A superintendente executiva do Instituto Unibanco, Wanda Engel, e o ministro Mercadante (Foto: Wanderley Pessoa)Pará, Ceará, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo e Piauí unidades da Federação que participam do programa Ensino Médio Inovador, do governo federal, também irão integrar o Projeto Jovem de Futuro, que é uma iniciativa do Instituto Unibanco. Estes estados vão receber apoio técnico para qualificar a gestão do ensino médio. Um termo de cooperação técnica, assinado nesta terça-feira, 14, entre o Ministério da Educação e o Instituto Unibanco, garante a parceria.

De acordo com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, o índice de evasão no ensino médio é muito grande e os governos da União e dos estados precisam ampliar as parcerias em busca de soluções para o problema. Desde 2009, quando foi instituído o Ensino Médio Inovador, o MEC repassa recursos para que as secretarias estaduais de educação reestruturem os currículos e aumentem progressivamente o número de horas de aula anuais.

Para Mercadante, além de buscar mecanismos que estimulem a permanência dos jovens na escola, é preciso modificar a estrutura do currículo, para que ela seja mais criativa, acolhedora e motivadora. “A escola tem que se modernizar, buscar entender um pouco a juventude, essa inquietação, essa vontade de participar”, explicou. Então, diz o ministro, o Ensino Médio Inovador e o Projeto Jovem de Futuro “são para nós um caminho bastante importante para avaliar essas metodologias.”

Formação – Segundo a superintendente executiva do Instituto Unibanco, Wanda Engel, o foco do projeto é a capacitação de quadros técnicos dos sistemas de ensino e das escolas. Nos sistemas de ensino, o projeto vai capacitar supervisores, acompanhar as atividades e fazer avaliações anuais; as escolas inseridas no Jovem de Futuro receberão curso de gestão e formação em recursos financeiros.

A superintendente executiva diz que a meta deste ano é trabalhar com 789 escolas públicas de ensino médio; em 2013, com 2.185, e em 2014, com 4.125 dos estados participantes. Ela estima que o instituto vai investir, nos próximo cinco anos, R$ 233 milhões em assistência técnica no projeto.

Ensino Médio Inovador – Dados da coordenação geral do ensino médio da Secretaria de Educação Básica do MEC mostram que 24 estados e o Distrito Federal aderiram ao Ensino Médio Inovador. Apenas Minas Gerais e Alagoas estão fora. Sandra Garcia, que coordena o ensino médio na Secretaria de Educação Básica, informa que a meta do MEC em 2012 é ter 2 mil escolas no programa, o que representa cerca de 10% das escolas públicas desta etapa do ensino.

Para receber recursos do Programa Dinheiro Direito na Escola (PDDE), os estabelecimentos precisam cumprir itens como o aumento do número de horas de aula por ano. Segundo Sandra Garcia, o currículo do ensino médio tem 800 horas anuais de aula; no ensino médio inovador, o mínimo são 1 mil horas por ano.

Ionice Lorenzoni

Republicada com correção de dados
X
Fim do conteúdo da página