Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias
Início do conteúdo da página
Educação tecnológica

Criatividade marca fim de oficina de inovação em saúde do idoso

  • Quinta-feira, 13 de novembro de 2014, 17h59

Foi encerrada nesta quinta-feira, 13, a primeira edição da Oficina de Inovação em Saúde, realizada desde segunda-feira, 10, no campus de Porto Alegre do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), durante a 38ª edição da Reunião dos Dirigentes das Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica (Reditec). Durante os quatro dias de evento, os alunos enfrentaram desafios propostos para questões relativas à saúde do idoso, divididas nos eixos de prevenção à cegueira, de situação de risco ao idoso, do hospital 2.0 e do hospital amigo do idoso.

O evento foi uma oportunidade para a troca de experiências entre estudantes de diversas disciplinas e das mais variadas regiões, não só educacional, mas também culturalmente. Eles aprovaram a dinâmica da oficina.

Luiz Guilherme Portela, do curso técnico em informática do Instituto Federal do Rio Grande do Norte (IFRN), destacou a importância de desenvolver produtos para beneficiar os idosos. “No início, alguns de nós achávamos difícil chegar ao final com o desafio resolvido, e muitas vezes esperávamos pouco de nós mesmos, mas vimos que não devemos nos impor limites”, disse.

Frederico Willig, do curso de tecnólogo em sistemas para internet do Instituto Federal Farroupilha, espera novas edições da oficina. “Foi interessante trabalhar com pessoas de lugares diferentes e com ideias diferentes”, afirmou. “Muitos dos conceitos que aplicamos aqui só tínhamos visto em sala de aula. Foi uma experiência que revela um formato novo de aprendizado.”

Surpresa — Para o professor Milton Yogi, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que atuou como facilitador no evento, o aprendizado foi também dos professores e coordenadores. “Foi uma surpresa ver o quanto são promissores esses jovens talentos”, disse. “Ter esse contato com eles e trocar ideias e experiências foi enriquecedor.”

Segundo Rejane Vago, representante da Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) do Ministério da Educação, a dinâmica da oficina, além de atrair o estudante, motivou os institutos federais a adotar esse modelo de aprendizagem. “Além do entusiasmo dos alunos, percebemos o interesse dos representantes dos institutos em replicá-lo em suas unidades”, afirmou.

Propostas — No eixo de situação de risco ao idoso, alunos dos institutos federais da Bahia e do Rio Grande do Sul apresentaram o projeto de uma cinta guardiã, com mecanismos capazes de emitir aviso em caso de eventual queda do idoso, além de controlar a frequência respiratória. O segundo projeto do grupo é uma caixa de medicamentos com programação mensal para fornecimento de remédios na hora certa, por meio de aviso.

No eixo de prevenção à cegueira, estudantes dos institutos federais do Ceará e do Rio Grande do Norte, apresentaram uma adaptação de óculos que permite aos idosos aplicar colírio corretamente. Na mesma linha, foi criado um identificador desse medicamento.

No eixo do hospital amigo do idoso, alunos de institutos federais da Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Sul criaram instrumento interativo para ser instalado na sala de espera de consultórios. O dispositivo estimula os idosos a participarem de jogos enquanto aguardam o atendimento. O equipamento também tem a função de avaliar e gerar dados sobre o movimento motor e o tempo de raciocínio dos idosos.

No eixo do hospital 2.0, estudantes de institutos gaúchos apresentaram dispositivo para acesso on-line do paciente a qualquer unidade hospitalar conveniada, com informações sobre exames e consultas realizadas, além do mapa de localização.

Assessoria de Comunicação Social, com informações da Setec

Leia também:

X
Fim do conteúdo da página