Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > MEC e Undime promovem seminários para apoio a projetos educacionais
Início do conteúdo da página
Notícias

Estudantes brasileiros disputam competição internacional na área de ciências

  • Sexta-feira, 08 de abril de 2005, 08h04

Três estudantes brasileiros que cursam o ensino médio vão representar a América Latina na 12ª edição da Conferência de Jovens Cientistas - International Conference of Young Scientists, ICYS 2005 -, em Katowice, Polônia, de 25 a 30 de abril. São eles: Igor Ogashawara, da 1ª série do Colégio São Carlos, em São Carlos (SP); Micael Rodrigo de Oliveira e Silva, 2ª série do Colégio Engº Juarez Wanderley, de São José dos Campos (SP); e Rafael Guedes Lang, da 2ª série do Colégio Portal de Limeira, em  Limeira (SP).

Segundo o professor Ozimar Pereira, coordenador da ICYS no Brasil, é a primeira vez que um país latino-americano é convidado para o evento. "O Brasil é o primeiro país da América Latina a ser convidado para a ICYS. A participação crescente do Brasil em competições científicas internacionais e a maior visibilidade do país no exterior, obtida nos últimos dez anos, gerou o convite para um evento desse nível", disse.

A conferência abrange quatro áreas: ciências ambientais, ciências da computação, física e matemática. Cada país participa com até cinco estudantes que apresentam trabalhos em uma das áreas. A apresentação é oral, em inglês, por dez minutos. Os estudantes apresentam pesquisas para cem pessoas e uma banca de cientistas que formula perguntas para responderem na hora. Os três melhores trabalhos em cada uma das áreas são premiados com diplomas.

A ICYS foi criada em 1993 por professores da Universidade de Minsk (Bielo-Rússia) e da Universidade de Budapeste (Hungria) para estimular o pensamento crítico e investigativo entre os estudantes do ensino médio. Ao participar da ICYS o estudante segue os passos da criação científica: escolhe temas e assuntos para estudar, formula hipóteses e problemas, faz extensas pesquisas bibliográficas, elabora experimentos, coleta e analisa dados, confronta teorias e tira conclusões.

Os organizadores recebem, no máximo, 20 delegações todos os anos. O número é limitado para que o contato entre estudantes, cientistas e professores seja mais intenso. A programação inclui recepções sociais, passeios, palestras e apresentação das pesquisas. O resultado da conferência é anunciado numa sessão solene no último dia.

Participantes -Igor Ogashawara, 15 anos, vai mostrar trabalho na área de ciências da computação, com o título Desenvolvimento de um Sistema de Suporte para o Gerenciamento Integrado dos Pesque-Pagues da Região Central do Estado de São Paulo. Pelo experimento, Igor ganhou uma bolsa de estudos do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Ele foi premiado na seleção da International Junior Science Olympiad, na Indonésia, em 2004. Em janeiro deste ano, foi participante/convidado da Primeira Escola Avançada de Biotecnologia, do Centro de Biotecnologia Molecular e Estrutural, do Instituto de Física de São Carlos/USP, e participa do Projeto Escola da Água do Instituto Internacional de Ecologia e Gerenciamento Ambiental.

Micael Rodrigo de Oliveira e Silva, 16 anos, desenvolveu projeto, na área de física, com o título Análise de Eficiência Energética de um Coletor Solar de Baixo Custo. Em 2004, foi medalha de bronze e fez a melhor prova experimental na Olimpíada Paulista de Física. Ele integra o projeto Energia Solar da Sociedade do Sol, ONG do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares da Universidade de São Paulo (USP), voltada ao desenvolvimento de tecnologias para o desenvolvimento sustentável.

Rafael Guedes Lang, 16 anos, vai apresentar na ICYS o projeto Refrigeração de Microcomputadores - Necessidades e Técnicas. Em 2004, ele foi medalha de bronze na International Junior Science Olympiad, em Jacarta, na Indonésia, e primeiro colocado na Escola Avançada de Biotecnologia do Instituto de Física de São Carlos.

"O Brasil não vai fazer feio", diz o professor Ozimar Pereira. Ele é diretor-executivo da Associação Paulista de Professores de Física (Aprofi) e responsável pela inserção de brasileiros na área de física e ciências em competições internacionais.

Assessoria de Comunicação Social do MEC com Assessoria de Comunicação da Aprofi

Assunto(s): Estudantes , brasileiros
X
Fim do conteúdo da página