Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Diversidade

Programa voltado à educação sexual deve formar mais de mil professores

  • Segunda-feira, 10 de abril de 2006, 16h42

O Ministério da Educação está investindo R$ 500 mil na capacitação de profissionais da educação de todos os níveis de ensino, para o combate à homofobia. A ação integra o Programa Educação para a Diversidade e Cidadania, desenvolvido pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad/MEC), que selecionou para apoiar financeiramente 15 projetos de capacitação e formação de profissionais de educação para a cidadania e a diversidade sexual. A expectativa é de formar mais de mil profissionais nesta primeira fase.

Um dos projetos selecionados é o do Grupo Arco-Íris de Conscientização Homossexual, no Rio de Janeiro. O grupo desenvolve o projeto Rompendo Fronteiras e Discutindo a Diversidade Sexual na Escola, que se baseia em cursos de extensão sobre identidade de gênero, sexualidades, violência, orientação sexual e homossexualidade. O projeto envolve seis cursos de extensão, aos sábados, das 9h às 17h, com carga horária de 40 horas, sendo 24 horas presenciais e 16 horas de elaboração de plano de ação.

A Universidade Estadual de Londrina (UEL) tem o projeto Formação de Profissionais para a Educação Sexual, o Combate à Homofobia e a Promoção da Cidadania Homossexual. Coordenado pela professora Mary Neide Damico Figueiró, do Departamento de Psicologia Social e Institucional, da UEL, o projeto envolve formação inicial e continuada de 80 educadores sexuais dos municípios de Ibiporã, Cambé, Rolândia, Açaí, Arapongas e Londrina.

Mary Neide defende que o professor de educação sexual no Brasil receba uma formação inicial e continuada sobre o assunto. "É imprescindível que os professores recebam formação sólida em educação sexual e que tenham assessoria para a sua atuação. As escolas também devem ter apoio dos órgãos públicos de educação e as universidades devem incluir a temática da sexualidade nos cursos de licenciaturas e em todos aqueles ligados à educação e saúde", ressalta a coordenadora.

ONG - Em Planaltina de Goiás, o projeto Planaltina de Mãos Dadas com a Diversidade sem Discriminação é desenvolvido com 120 professores de 39 escolas e envolve a participação de 15 mil alunos do ensino fundamental, além da comunidade. Já a ONG Movimento Gay de Minas desenvolve curso de capacitação para 160 professores da rede pública em parceria com o MEC. "A idéia é expandir a capacitação do programa a médio prazo para toda a rede de ensino, e transformá-la em um curso de especialização. Já estamos em entendimentos com a Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF) e a Universidade Salgado de Oliveira (Universo)", disse o administrador de empresas Marcos Trajano, diretor do MGM. Conheça as entidades selecionadas para parceria no programa. 

Sonia Jacinto

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página