Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Residências em saúde > Estudantes > Pós-graduação > Cooperação internacional fortalece pós-graduação brasileira
Início do conteúdo da página

Cooperação internacional fortalece pós-graduação brasileira

A cooperação acadêmica internacional é cada vez mais forte no Brasil. Estudantes, professores e pesquisadores brasileiros mantêm intercâmbio com grupos estrangeiros em instituições de alto nível. Hoje, são 450 projetos em andamento com o apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes/MEC).

Nesses grupos, aproximadamente mil pesquisadores e mil estudantes brasileiros executam, anualmente, missões de trabalho e de estudo no exterior. Há intercâmbio com universidades francesas, alemãs, norte-americanas, espanholas e argentinas, dentre outras. Os projetos contemplam intercâmbio de professores em missões de curta duração, de estudantes, na modalidade doutorado-sanduíche — parte da pesquisa é feita no exterior —, e pós-doutoramento.

Paralelamente, a Capes oferece bolsas individuais para doutorado pleno, doutorado-sanduíche, pós-doutorado e estágio de professores no exterior. “Os dois mecanismos são importantes e se complementam”, disse Leonardo Barchini Rosa, coordenador-geral de cooperação internacional da Capes. Segundo ele, os grupos de pesquisa do Brasil associam-se a equipes estrangeiras com um objetivo comum. “Os grupos, associados, escolhem uma linha de pesquisa. Trabalham com mobilidade e interação, fomentando a pesquisa”, afirmou.

Vínculo — Após análise e aprovação dos projetos, a Capes financia passagens e diárias para professores e passagens, auxílio-instalação, auxílio-saúde e bolsa mensal para estudantes. As instituições estrangeiras apóiam aqueles que vêm cumprir as missões no Brasil. Dessa forma, o pesquisador ou estudante vincula-se ao grupo e à instituição escolhida, fator importante para o comprometimento do trabalho e para a melhoria da formação. Cada equipe tem no mínimo dois pesquisadores seniores. Não há restrição quanto ao número de participantes por grupo, nem às áreas do conhecimento a serem financiadas. “O mais importante é a qualidade acadêmica do projeto”, disse Leonardo Rosa.

Com as novas tecnologias de informação, principalmente a internet, um pesquisador brasileiro, ao identificar publicação internacional que apresenta trabalho de seu interesse ou semelhante ao que faz aqui, pode estabelecer contato on-line com os editores do material e formar redes de interesse comum para realizar projetos de estudos.

Grupos interessados em pleitear bolsas de estudos e apoio da Capes devem consultar a página eletrônica da agência. A Capes conta com aproximadamente 2,1 mil alunos de pós-graduação no exterior.

Susan Faria

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página