Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Na ponta do lápis, professora ensina tecnologia e ciências em escola de Brasília
Início do conteúdo da página
Conservação

Estudantes aprendem a reciclar papel em escola catarinense

  • Terça-feira, 19 de junho de 2012, 16h04
  • Última atualização em Terça-feira, 19 de junho de 2012, 16h04
Na escola Eladir Skibinski, de Joinville, estudantes do ensino fundamental dedicam três horas semanais a atividades em sala (ateliê) equipada especificamente para o desenvolvimento das técnicas de reciclagem (foto: arquivo da escola)No município catarinense de Joinville, uma instituição de ensino decidiu criar um ambiente que permitisse aos estudantes desenvolver a consciência ecológica e conhecer técnicas de reciclagem de papel. No Ateliê de Arte em Papel Reciclado da Escola Municipal Eladir Skibinski, os alunos aprendem a preparar o papel descartado para imprimir trabalhos e confeccionar cartões, convites, blocos de recados, porta-retratos e crachás, entre outros itens.

“Agindo sobre o meio natural, os jovens podem recriar seu próprio meio, ao transformar lixo em arte, dificuldades em conquistas, esforço em prazer”, diz Valquíria Inês Arther, professora de atividades complementares e responsável pelo ateliê. Formada em educação física, ela trabalha há 20 anos na rede de ensino do município.

Um grupo de 65 estudantes do quarto ano do ensino fundamental participa das atividades desenvolvidas no ateliê, mas todas as turmas visitam o espaço para conhecer o processo de reciclagem. Os participantes reúnem-se duas vezes por semana, em pequenos grupos de 10 a 15 pessoas. São dedicadas três horas semanais à atividade, realizada em sala equipada especificamente para o desenvolvimento das técnicas de reciclagem.

O trabalho é desenvolvido em três etapas. Na primeira, os alunos recebem as primeiras noções de educação ambiental, assistem a vídeos e participam de debates sobre os diferentes meios em que vivem — escola, bairro, cidade, país, mundo. Na segunda, fazem a coleta de papéis descartados nos vários setores da escola e os levam para o ateliê. Por último, executam a reciclagem, que passa por selecionar o material, picar, colocar de molho, bater (em liquidificador), adicionar água e secar. Depois, o papel estará apto a ser usado na confecção dos diferentes produtos.

“Os recursos financeiros oriundos da comercialização do que é produzido são usados para sustentar as oficinas e na promoção de cursos que permitam aos alunos aprender técnicas de aprimoramento da qualidade do papel reciclado”, explica a professora Valquíria.

Valorização — O projeto do ateliê visa ainda a que os participantes reconheçam a importância da coleta seletiva do lixo, valorizem o trabalho em equipe e desempenhem tarefas que beneficiem a todos. Outro propósito é a ampliação do tempo escolar, com atividades agradáveis, de forma a potencializar o processo de ensino e aprendizagem.

De acordo com a pedagoga Nazaré Costa, coordenadora do projeto, a atividade ganhou força no município. A escola tem sede no Parque Joinville, área cuja população é composta por catadores de material reciclado.

O Ateliê de Arte faz parte do programa municipal Saber & Acontecer, que desenvolve atividades artísticas, desportivas e culturais no período oposto (contraturno) aos das aulas regulares.

Ana Júlia Silva de Souza


Saiba mais no Jornal do Professor


X
Fim do conteúdo da página