Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Estudantes têm acesso aberto aos espelhos das redações referentes ao Enem 2016
Início do conteúdo da página
Trilhas da Educação

Fábrica de chocolates usa fruto da Amazônia e obtém sucesso

  • Sexta-feira, 03 de fevereiro de 2017, 11h00
  • Última atualização em Sexta-feira, 03 de fevereiro de 2017, 11h00


Artemísia (D) fez o curso de tecnologia em alimentos no Ifam e trabalha em empresa de alimentos orgânicos apoiada pelo instituto (foto: arquivo pessoal)Artemísia Duarte tem apenas 23 anos e uma porção de sonhos pela frente. Entre eles, poder um dia visitar Gramado (RS), cidade da Serra Gaúcha, conhecida por seu festival de cinema e, é claro, por ser a terra do chocolate no Brasil. Chocolate é uma das paixões de Artemísia, hoje funcionária da empresa Na Floresta–Alimentos Orgânicos, fábrica incubada pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (Ifam), em Manaus, e que tem como matéria-prima o excelente cacau produzido no estado, boa parte nos municípios de Urucurituba e Nova Olinda do Norte.

A jovem fez o curso de tecnologia em alimentos no instituto e foi contratada — é parte da política da empresa dar preferência a ex-alunos. “Eles têm uma ótima base técnica e muito conhecimento no assunto”, diz Artur Coimbra, proprietário da Na Floresta. Desde janeiro deste ano, a empresa funciona em espaço físico cedido pelo Ifam, no próprio campus. “Reformamos o imóvel e vamos abater o que investimos no aluguel, nos próximos cinco anos.”

A atuação como incubadora, como é o caso do Ifam com a fábrica de chocolates amazonense, é um tipo de inciativa cada vez mais comum entre entidades educativas do país. As instituições procuram ajudar pequenos e microempresários que precisam de apoio e orientações sobre gestão de novos negócios e profissionalização dos trabalhadores, especialmente nas etapas iniciais de operação. É o caso da empresa Na Floresta, criada para atuar no segmento de alimentos amazônicos saudáveis e valorizar os recursos naturais da região.

“Somos a primeira fábrica de chocolate em um campus universitário e também no estado porque não importamos matéria-prima para fazer os bombons”, diz Coimbra, graduado em biologia e mestre em ciências do ambiente e sustentabilidade na Amazônia. “Pagamos aos fornecedores preço acima do praticado no mercado. Quando valorizamos o produtor local, contribuímos para reduzir o interesse pela extração ilegal de recursos naturais.”

Demanda — Com o aumento crescente da demanda (a empresa conta com 15 pontos de venda em Manaus e acaba de receber pedidos de Santa Catarina, São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro, além do Distrito Federal), Coimbra espera em breve ter condições de contratar mais pessoas, ex-alunos do Ifam, para trabalhar com ele. Atualmente, são duas funcionárias. Uma delas, Artemísia Duarte, que participa de todo o processo produtivo, da seleção e moagem das sementes até o chocolate, que contém entre 54% e 81% de cacau.

“Chocólatra” assumida, Artemísia revela que o “vício” é de família. “Todo mundo lá em casa — família de nove pessoas — gosta muito e eles são o meu melhor termômetro sobre a qualidade dos nossos produtos”, afirma.

Assessoria de Comunicação Social

X
Fim do conteúdo da página