Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > 3º Encontro Nacional de Alimentação Escolar começa nesta quarta-feira
Início do conteúdo da página
Educação básica

Educação científica no ensino básico

  • Terça-feira, 31 de julho de 2007, 10h28
  • Última atualização em Quarta-feira, 01 de agosto de 2007, 10h28

O ministro da Educação, Fernando Haddad, e  o idealizador do Instituto Internacional de Neurociências de Natal, Miguel Nicolelis, reuniram-se nesta terça-feira, 31, para discutir a criação de um projeto para divulgar a educação científica no Brasil. O projeto será elaborado a partir da experiência desenvolvida em Natal na Primeira Escola de Ciências do Brasil, voltada para o ensino básico.

Inaugurada em fevereiro, a instituição, vinculada ao Instituto Internacional de Neurociências, atende 600 alunos do ensino fundamental e médio da rede pública. “Queremos criar um modelo que dissemine a educação científica para as crianças de todo o País”, disse o cientista, professor da Universidade de Duke (EUA). “Os alunos freqüentam a escola no contraturno de suas aulas e aprendem na prática a construir máquinas e robôs, além de noções de química e física.” O investimento mensal por aluno é de R$ 140.

O sucesso da iniciativa é tão grande que está prevista, segundo Nicolelis, a ampliação do atendimento para mil alunos até o fim do ano. Este mês, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, e o ministro visitaram a instituição para conhecer o trabalho oferecido às crianças da região.

Na avaliação de Nicolelis, o Brasil precisa criar um sistema educacional específico para acelerar a formação de cientistas. “Nossa escola mostra que é possível criar um projeto nacional de ciência para mobilizar a sociedade e resgatar nas crianças o prazer de aprender”, analisou.

O Instituto Internacional de Neurociências de Natal foi idealizado por Nicolelis há quatro anos. Formado pela Universidade de São Paulo (USP), o cientista é o autor das pesquisas com microeletrodos neurais implantados em macacos. A experiência, entre outros resultados, pode levar ao desenvolvimento de próteses para seres humanos, tais como braços e pernas artificiais. Ou seja, membros robóticos com movimentos comandados diretamente pelo cérebro.

Flavia Nery

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página