Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Economista Maurício Romão toma posse como conselheiro da Câmara de Educação Superior
Início do conteúdo da página
Educação superior

Toma posse a nova reitora da Universidade de Roraima

  • Terça-feira, 06 de março de 2012, 19h10
  • Última atualização em Terça-feira, 06 de março de 2012, 19h37
A reitora Gioconda Martinez, o governador de Roraima, José Anchieta Júnior, o ministro Mercadante, o ex-reitor Roberto Ramos e o secretário de Educação Superior do MEC, Amaro Lins (Foto: Fabiana Carvalho) O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, deu posse nesta terça-feira, 6, à nova reitora da Universidade Federal de Roraima (UFRR), Gioconda Santos Sousa Martinez. Eleita para mandato de quatro anos, ela sucede no cargo ao professor Roberto Santos.

Gioconda é engenheira civil, mestre em geotecnia e transportes pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e doutora em engenharia civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRS). Professora do departamento de engenharia da UFRR, foi vice-reitora durante os dois mandatos do professor Roberto Santos.

Com três campi em funcionamento, a UFRR oferece 37 cursos de graduação e sete cursos de mestrado. Instalada em 1989, a instituição também mantém o Instituto Insikiran de Educação Superior Indígena para formação intercultural de professores indígenas.A reitora da UFRR, Gioconda Martinez, recebe do ministro Aloizio Mercadante o termo de posse, ao lado do governador de Roraima, José Anchieta Júnior. (Foto: Fabiana Carvalho)

A integração com os povos indígenas é uma das características da UFRR, que, atualmente, tem mais de 7 mil alunos na graduação, pós-graduação, Colégio de Aplicação e Escola Agrotécnica. “A UFRR é a universidade federal que atende o maior número distinto de etnias indígenas e este ano experimenta o ingresso dos primeiros ianomâmis”, disse a reitora.

Na cerimônia, Mercadante voltou a ressaltar a necessidade de que as instituições federais de ensino superior se voltem para os conjuntos produtivos locais. “É preciso que se oriente a cadeia produtiva da Amazônia, para que sejam realizados programas que estimulem a pesquisa, a renda, o emprego voltados para região”, afirmou o ministro.

Diego Rocha
X
Fim do conteúdo da página