Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Merendeiras aprendendo sobre direitos da mulher
Início do conteúdo da página
Formação/valorização de profissionais da educação

Merendeiras aprendendo sobre direitos da mulher

  • Terça-feira, 06 de setembro de 2005, 15h32
  • Última atualização em Segunda-feira, 14 de maio de 2007, 12h25

Foto: DivulgaçãoAprender a armazenar e a estocar alimentos é essencial para uma merendeira. Mas também é importante adquirir noções de direito, por exemplo. É assim, com grande variedade de temas e instrutores, que o Ministério da Educação oferece formação continuada aos profissionais da educação infantil e do ensino fundamental que atuam em áreas de apoio nas escolas, como vigilantes, bibliotecárias e merendeiras. No ano passado, foram aprovados projetos de 15 estados e 26 municípios. Ao todo, foram atendidos 44 mil funcionários.

“Eu amei o curso. Foi uma maravilha. Era o que eu estava precisando, na verdade nós todas. Ajudou na auto-estima e no dia-a-dia. Mudei meus hábitos alimentares. A nota é dez”, conta Maria Rosalina Cabloco Casini, merendeira do Colégio Estadual Nestor Victor, em Pérola (PR).

Rosalina, de 46 anos, disse que nunca tinha tido antes a oportunidade de demonstrar como se sentia na profissão, que exerce há 13 anos. Durante o curso, ela falou em nome das alunas o que estavam sentindo. Agora, está repassando os conhecimentos adquiridos para as colegas que não puderam participar das aulas.

A Secretaria Estadual de Educação procurou o Instituto de Desenvolvimento Educacional do Paraná (Fundepar) para capacitar 960 merendeiras do estado. O MEC deu apoio financeiro de R$ 300 mil para a realização dos cursos, divididos em duas etapas. Nas primeiras 20 horas, uma nutricionista ensinou noções de higiene alimentar e opções de cardápios variados. Nas 20 horas restantes, as merendeiras tiveram aulas com advogados (direitos da mulher), médicos (saúde da mulher) e professores de educação física (como prevenir acidentes de trabalho).

Podem participar do programa as secretarias estaduais de educação e todos os municípios que tenham matrículas de alunos na educação infantil, de acordo com o Censo Escolar 2004, e autorização para funcionamento do conselho estadual ou municipal de educação. O MEC custeia a implementação e os monitores são contratados pelos próprios municípios e estados. Ano passado, o governo federal investiu cerca de R$ 6 milhões no programa. Este ano, a meta é atender 60 mil funcionários, com R$ 8 milhões.

Repórter: Raquel Maranhão Sá

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página