Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Prova Brasil destaca Colégio Militar de Curitiba na região Sul
Início do conteúdo da página
Trilhas da Educação

Em passeios com alunos, professor transforma as ruas da cidade em aulas vivas de história

  • Sexta-feira, 27 de abril de 2018, 11h25
  • Última atualização em Sexta-feira, 27 de abril de 2018, 12h15

Alguém já parou para pensar que a história, para além das páginas dos livros, é parte importante de sua vida e compõe sua trajetória pessoal? Os alunos de Severino Vicente da Silva, professor de história da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), certamente sim. Com 68 anos de idade e 50 de prática docente, ele é conhecido por tornar as ruas do Recife, capital pernambucana, em uma sala de aula viva.

 “A história que nos é contada normalmente é como se fosse algo que não tivesse nada a ver com a vida da gente”, analisa o professor, personagem da série Trilhas da Educação, produzida e transmitida pela Rádio MEC nesta sexta, 27. “Em uma passagem, uma viagem que eu que faço com os alunos, eles descobrem que a história é deles.” É com essa vivência, adquirida desde cedo, quando caminhava pelas ruas de sua cidade observando tudo que o cercava, que ele transforma suas aulas em uma experiência rica.

   “Durante a minha adolescência, eu pegava ônibus todos os dias, voltando para casa da escola, na frente de um edifício muito bonito”, conta Severino. “Tinha um portão de ferro belíssimo. E aí, depois, quando me formei como professor de história, a primeira coisa que eu fiz, com uma coragem muito grande, foi realizar meu sonho – visitar essa casa, que era a casa de um antigo senhor, o barão de Beberibe, e que é hoje o Museu do Estado de Pernambuco. Estava lá aberto para mim, mas eu nunca tinha tido coragem, nunca nenhum professor me levou para conhecer aquele espaço.”

 Experiência – A consciência de pertencimento, de fazer parte daquele lugar que ele tanto sonhava em conhecer, posteriormente, fez o professor apostar nessa didática. As primeiras práticas vieram quando ele ainda atuava como professor da rede municipal do Recife. Agora, no curso de história da UFPE, o desafio dado a jovens e adultos é explorar a cidade e resgatar essa mesma sensação.

A maioria dos estudantes que participam dessa experiência passa a ter uma visão diferenciada dos livros. “Eles começam a ver os livros, a história, os documentos históricos com maior vivacidade, com outro olhar”, explica. Normalmente, são grupos de dez alunos atentos para as ruas, praças, pontes, monumentos e edificações – como os grandes mercados, os ambientes sacros e tradicionais construídos desde o século 17. Depois de muita anotação, estudo e debate, o professor acompanha o resultado do trabalho.

 “Peço que eles escrevam um artigo em torno da disciplina, envolvendo aquilo que viram. Por exemplo, tem um lugar hoje que é um mercado de produtos estrangeiros, mas que no passado foi um cinema. Para entender o passado, é preciso ver a partir do presente. É isso que a gente trabalha com eles, porque, como professores e bacharéis, cada um deles tem que aprender escrever em cima do que vê e produzir o seu próprio documento. “

Multiplicadores – Os resultados são animadores. Segundo o professor, há relatos de estudantes que levam essa descoberta adiante. “Um dos alunos ficou muito impressionado com essa experiência e criou uma empresa para ensinar as pessoas a verem o Recife”, ilustra. “Ele me conta essa história e fica muito feliz de dizer que começou a empresa.  Assim, os alunos vão se tornando multiplicadores de diversas maneiras.”

 Tornar-se um bom professor e pesquisador, um profissional que acredita no que faz e dá asas aos mais diferentes sonhos são conquistas que passam pelo conhecimento e pela paixão da história, defende Severino. “A história tem que ser vista como uma coisa viva, não um documento parado; é uma coisa que continua acontecendo. Quando você entra em determinados ambientes, vê que ali está o passado e que ali está também acontecendo o presente. E tem que ver isso com a paixão, porque a história da humanidade é a história da paixão de todos nós, de buscar viver o melhor possível o nosso tempo, nosso período. ”

 Clique aqui para conhecer mais sobre o trabalho do professor Severino Vicente.

Assessoria de Comunicação Social

Assunto(s): história , Recife , experiência
X
Fim do conteúdo da página