Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Ciência sem Fronteiras

Programa tem vagas abertas até dia 30 e negocia novas parcerias

  • Terça-feira, 03 de abril de 2012, 17h07
O programa Ciência sem Fronteiras já está em seu terceiro edital. Desta vez, há vagas para graduação sanduíche na Austrália, Bélgica, Canadá, Coreia do Sul, Espanha, Holanda e Portugal. O prazo para inscrição é 30 de abril. Até agora, estudantes brasileiros já foram para Alemanha, Estados Unidos, França, Itália, Reino Unido e Canadá. O governo brasileiro negocia, também, parcerias com Irlanda, Noruega, Índia e Finlândia no âmbito do programa.

Em entrevista a correspondentes internacionais nesta terça-feira, 3, o ministro Aloizio Mercadante afirmou que o programa tem tido boa receptividade internacional. Já foram distribuídas 2.494 bolsas da Capes em 2011 e, para este ano, serão 5.666. “É fundamental que o Brasil se prepare para os desafios da sociedade do conhecimento”, ressaltou.

Na oferta de vagas do Ciência sem Fronteiras, grande parte da demanda é por bolsas nos Estados Unidos. Para lá, a meta é distribuir 20 mil bolsas, segundo o ministro. Um total de 555 bolsistas da modalidade graduação sanduíche (intercâmbio de 6 a 12 meses no exterior) já iniciou as atividades em instituições de ensino daquele país. O número de inscritos no primeiro edital chegou a 7 mil, dos quais 1,5 mil foram selecionados.

De acordo com Mercadante, os jovens que já participam do programa têm enviado relatos positivos. “Eles afirmam que estão motivados em suas carreiras e que empresas estrangeiras estão interessadas em oferecer estágio”, disse.

O Ciência sem Fronteiras é uma iniciativa do governo federal, por meio dos ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação e suas instituições de fomento – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

O programa tem o objetivo de formar estudantes nas melhores universidades e instituições de pesquisa estrangeiras, em áreas prioritárias. A intenção é estimular estudos e pesquisas de brasileiros no exterior, com expansão do intercâmbio e da mobilidade estudantil.

Assessoria de Comunicação Social
X
Fim do conteúdo da página