Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Hospitais universitários

Unidades promovem ações voltadas ao diagnóstico e controle da asma

  • Quarta-feira, 21 de junho de 2017, 19h58

Este 21 de junho é o Dia Nacional do Controle da Asma, data em que é reforçada a importância do acompanhamento e tratamento da doença. Segundo a Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), estima-se que há, aproximadamente, 20 milhões de asmáticos no Brasil. Além do problema de saúde causado diretamente aos pacientes, a doença impacta negativamente na sociedade, com desestrutura familiar, perda de emprego de pacientes e acompanhantes, falta de convívio social e, no caso de crianças, aumento da evasão escolar.

“Por se encontrarem em um contexto social muito delicado, crianças faltam às aulas e, em alguns casos, apresentam transtornos emocionais. A família inteira se desestrutura por conta da doença: mães perdem o emprego, os pais se separam. Tem criança que até para pentear cabelo fica cansada”, aponta Laura Lasmar, coordenadora do Centro Multidisciplinar para Pacientes com Asma de Difícil Controle (Cemad) do Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Minas Gerais (HC-UFMG).

O setor atende uma média semanal de oito crianças e adolescentes, encaminhadas com histórico grave de seis a sete internações em Centros de Tratamento e Terapia Intensiva (CTIs). Ao todo, 110 crianças já foram atendidas pela unidade desde sua criação, em 2013, com resultados positivos. “Depois do tratamento, a vida dessas pessoas mudou completamente. Nenhuma criança nunca mais voltou a ser internada em uma CTI”, comemora a pneumologista pediátrica do HC, unidade filiada à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh).

Karina Rejane sofre com asma desde os 21 anos. Após descobrir que estava grávida, foi encaminhada ao Hospital das Clínicas da Universidade Federal de Pernambuco (HC-UFPE), em Recife, para acompanhamento no Ambulatório de Asma na Gravidez. O problema com a doença prejudicou o desenvolvimento do bebê e, com apenas 35 semanas de gestação, ela deu à luz o pequeno Antony Rafael.

A paciente de 36 anos recebe tratamento até hoje, cinco meses após o nascimento da criança. “Os profissionais me ajudaram em tudo. Tenho outros três filhos e essa foi a primeira gravidez de risco por causa da asma”, conta. Segundo a pneumologista Aline Maranhão, coordenadora do espaço, o HC-UFPE é o único hospital a oferecer esse tipo de serviço, voltado especificamente para gestantes, na região Nordeste.

Na mesma unidade, um estudo foi desenvolvido em parceria com pesquisadores portugueses, em que foi demonstrada a eficácia dos espaçadores artesanais – dispositivos complementares utilizados para facilitar a inalação de medicamentos com o nebulímetros pressurizados (bombinhas) –, que podem ser produzidos pelos próprios pacientes a partir de garrafas pet. O resultado da pesquisa significa uma economia considerável para os pacientes, já que a versão industrializada do produto custa entre 80 e 90 reais nas farmácias.

Em Fortaleza, mais de 350 pacientes são acompanhados pelo Ambulatório de Asma do Hospital Universitário Walter Cantídio da Universidade Federal do Ceará (HUWC-UFC). Uma dessas pacientes é a aposentada Eleni Ferreira, que desenvolveu a doença após contrair pneumonia quando morava no norte do país e ficar 15 dias internada. “Foi no HUWC que eu encontrei minha melhora”, afirmou a aposentada, que faz tratamento na unidade há cinco anos.

O HUWC atende cerca de 32 pessoas por semana e realiza, entre outros exames, a espirometria - análise para medir capacidade inspiratória e expiratória do indivíduo. A assistência ocorre a cada três ou quatro meses. “Depois de ser atendido pelo Ambulatório de Pneumologia Geral, o paciente diagnosticado com asma é encaminhado ao serviço específico para doença”, explica Simone Castelo Branco, responsável pelo setor.

Ação - Para marcar o Dia Nacional do Controle da Asma, o Programa de Assistência ao Paciente Asmático (Papa) do Hospital Universitário da Universidade Federal do Maranhão (HU-UFMA), em parceria com a Liga Acadêmica de Asma (LAAs), realiza duas atividades públicas em São Luís. Na programação, uma ação educativa realizada em um parque público e uma palestra em um shopping da cidade, com a distribuição de panfletos explicativos, mostrando os cuidados que se devem ter para prevenir crises de asma, abordando suas causas e seus sintomas, além de exames físicos.

Assessoria de Comunicação Social, com informações da Ebserh

X
Fim do conteúdo da página