Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > A menos de 12 horas do fim do prazo, inscritos já eram mais de 410 mil
Início do conteúdo da página
Independência

Concurso nacional homenageia a imperatriz Maria Leopoldina

  • Sexta-feira, 08 de setembro de 2017, 12h46

Alunos do ensino médio e fundamental têm até o dia 20 de outubro para inscrever vídeos e desenhos no concurso que homenageará a participação da imperatriz Maria Leopoldina no processo que levou o Brasil a se tornar independente de Portugal. Promovido pela Câmara dos Deputados, o concurso faz parte das celebrações do bicentenário da vinda de D. Maria Leopoldina para o Brasil (1817-2017), inserida nas comemorações dos 200 anos da independência do país (1822-2022).

O concurso de desenho é aberto a alunos matriculados em escolas públicas e privadas, do quinto ao nono do ensino fundamental.  Já o de vídeo é reservado aos estudantes do ensino médio de até 18 anos, matriculados em escolas públicas ou privadas de todo o país.

O primeiro colocado em cada categoria receberá, além de um diploma, um conjunto de obras das Edições Câmara, a ser destinado à sua escola. O vencedor e seu responsável ganharão, ainda, passagens aéreas de ida e volta a Brasília, com todas as despesas pagas, para participar da cerimônia de premiação. O segundo e o terceiro colocados receberão os diplomas pelos Correios e suas escolas também terão direito a coleções de obras da editora.

Histórico – Primeira imperatriz brasileira, dona Leopoldina (Viena/Áustria, 22 de janeiro de 1793 – Rio de Janeiro/Brasil, 11 de dezembro de 1826), foi originalmente registrada como Caroline Josepha Leopoldine Franziska Ferdinanda von Österreich.  Era a quinta dos 12 filhos do imperador Francisco I da Áustria e da imperatriz Maria Teresa de Nápoles e Sicília. Em 1817, quando se casou com D. Pedro de Alcântara – que mais tarde assumiria o trono brasileiro como D. Pedro I –, passou a assinar Maria Leopoldina.

A influência dela junto ao seu pai fez com que o poderoso e conservador chanceler austríaco, o príncipe de Metternich, acatasse a independência brasileira. Esse reconhecimento terminou por forçar o próprio reino de Portugal a assentir na emancipação política do Brasil, o que foi consolidado no Tratado de Reconhecimento da Independência, firmado entre o Brasil e Portugal, em 1825. Por sua atuação, contava com grande admiração do povo brasileiro, especialmente os escravos.

Veja mais informações sobre os concursos de desenhos e de vídeos

Assessoria de Comunicação Social 

X
Fim do conteúdo da página