Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Como saber se um polo de educação a distância é reconhecido pelo MEC?

    Você pode verificar a regularidade da sua instituição e de seu polo de apoio presencial, acessando o Siead – Sistema de Consulta de Instituições Credenciadas para Educação a Distância e Polos de Apoio Presencial: http://siead.mec.gov.br

  • Comunidade acadêmica debate educação superior a distância

    Cuiabá– Representantes de universidades e institutos federais de todo o país estão reunidos em Cuiabá para o 7º Congresso Brasileiro de Educação Superior a Distância da rede federal. Até esta sexta-feira, 5, professores, tutores, especialistas discutem os 15 anos de experiência pública na área.

    Representando o ministro da Educação na cerimônia de abertura, o secretário de Educação a Distância do MEC, Carlos Eduardo Bielschowsky, fez um balanço das ações realizadas na área. Para Bielschowsky, a modalidade tem avançado de forma quantitativa e qualitativa no Brasil. No entanto, segundo ele, o sistema cresceu de forma muito rápida, sem estar consolidado. “Para superar as falhas foram necessárias ações do Ministério da Educação para intensificar os processos de regulação e supervisão de cursos ofertados”, afirmou. O número de matrículas em graduação a distância saltou de 1.682 em 2000 para 814 mil em 2010.

    No setor público, o secretário destacou a criação, em 2007, do primeiro curso da Universidade Aberta do Brasil. O sistema, idealizado pelo Ministério da Educação, engloba 92 instituições de ensino superior públicas, cerca de 180 mil alunos em 587 polos localizados em diversas cidades do país. Em 2009, foram investidos R$ 385 milhões na Universidade Aberta do Brasil para oferta de cursos de licenciatura, bacharelado e especialização. Para 2010, está prevista a aplicação de R$ 819 milhões.

    Maria Lúcia Neder, reitora da Universidade Federal do Mato Grosso, instituição pioneira na oferta de educação a distância no país, observou que essa modalidade de ensino tem oferecido oportunidades a pessoas que vivem no interior e não têm acesso ao ensino superior. Lembrou que a Universidade Federal do Mato Grosso iniciou seu primeiro curso em 1995, com o objetivo de oferecer formação para professores da educação básica. “A educação a distância permite a oferta de formação inicial e continuada para professores”, disse.  

    Durante o encontro, os participantes discutirão as formas de avaliação de aprendizagem nos cursos superiores de educação a distância, as práticas pedagógicas de formação, material didático, tecnologias no processo de ensino, entre outros temas relevantes para a melhoria da qualidade da oferta. O encontro termina nesta sexta, 12.

    Adriane Cunha
  • Direitos autorais são destaque em debate promovido pela Capes

    A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e o Fórum Nacional do Sistema da Universidade Aberta do Brasil (ForUAB) promoveram na última quarta-feira, 15, uma palestra sobre direitos autorais e Recursos Educacionais Abertos (REA). O evento faz parte da programação da 5ª Reunião Extraordinária do ForUAB.

    Sergio Branco, especialista em direitos autorais do Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio (ITS Rio), abordou o impacto e importância das licenças para uma educação aberta. A discussão, segundo ele, deve levar em conta a natureza específica do direito autoral, que é um bem imaterial.

    “Quando chega a internet e o mundo se digitaliza, a indústria cultural perde seu principal pilar, que é o controle por meio da cópia”, ressaltou. “No mundo online não é preciso mais do suporte – livro, disco, DVD –, já que tenho acesso à essência – o texto, a música, o filme. É com relação a esses bens que tenho que desenvolver uma nova política de direito autoral, que permita o acesso nesse novo mundo conectado.”

    Para o especialista, é importante que as pessoas tenham em mente que, desde o começo da década de 2000, há uma nova forma de produção de conhecimento na qual as redes sociais despontam como a nova face. “São plataformas de produção e difusão de conhecimento, e não é a proteção ao direito que gera a produção”, atenta. “A produção cultural existe mesmo sem proteção do direito autoral, cuja primeira lei data do século 18.”

    Categorias – Uma lei de direito autoral, explica Branco, deve se basear numa distinção de categorias entre profissionais, amadores e acadêmicos. “Cada uma dessas classes tem expectativas e interesses diferentes com relação às obras. Eu, como acadêmico, quero que minha obra circule, mesmo que gratuitamente, e que essa circulação gere outros ganhos.”

    O professor ressaltou que, diante da demanda, a atual legislação brasileira sobre o tema é limitada: “A lei de direitos autorais é de 1998, a partir de uma convenção do século 19, atualizada pela última vez nos anos 1970. Tudo isso antes da internet. Assim, obviamente, é uma legislação que não pode dar conta do mundo em que vivemos e, por isso, vemos tantos impasses no Brasil e no mundo.”

    A lei atual, exemplifica ele, permite a cópia de pequenos trechos para uso privado, mas não há definições estritas para isso. E provoca: “A legislação não permite cópia integral, permite apenas citação de trechos. Um soneto é uma obra completa. Como estudar literatura assim?”

    Sergio Branco acredita que a licença Creative Commons (CC) pode se configurar como uma possível solução para esses impasses. São seis tipos diferentes de licença, com diferentes formatos, que permitem a distribuição com ou sem uso comercial, com ou sem modificação. Estima-se que há mais de um bilhão de obras licenciadas em CC no mundo.

    RecursosOutra participação importante no debate foi a do professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) Tel Amiel, que falou sobre os resultados preliminares da pesquisa sobre Recursos Educacionais Abertos (REA) na Universidade Aberta do Brasil (UAB). Para esse trabalho, realizado em parceria com a Capes, foram enviados formulários sobre o tema para quem compõe (ou compôs) os quadros do sistema Universidade Aberta do Brasil.

    A pesquisa indicou que pelo menos metade dos participantes já se sente à vontade para ensinar sobre Recursos Educacionais Abertos. A variedade sobre a ordem de preferência das licenças de direitos autorais também reforça que é preciso uma gama de escolhas de licenças para atender quem está produzindo material didático para a UAB.

    Os formulários indicam ainda a preferência pelo software livre, a expectativa por elaboração em conjunto de materiais, assim como o desejo pelo incentivo de reuso de ferramentas educacionais da própria UAB. Amiel adiantou ainda que a equipe de trabalho está em processo de finalização de um curso sobre educação aberta e REA, que será oferecido via Universidade Aberta do Brasil. O relatório final da pesquisa deve ser divulgado ainda no próximo mês.

    UABCriada em 2005, a Universidade Aberta do Brasil (UAB) é um sistema integrado por universidades públicas que, por meio da metodologia da educação a distância, oferece cursos de nível superior para camadas da população que têm dificuldade de acesso à formação universitária. O público em geral é atendido, mas os professores que atuam na educação básica têm prioridade de formação, seguidos dos dirigentes, gestores e trabalhadores em educação básica dos estados, municípios e do Distrito Federal. Hoje, o Sistema é coordenado pela Diretoria de Educação a Distância (DED) da Capes.

    Além dessa atribuição, a DED-Capes é responsável pela gestão do Programa de Mestrado Profissional para Qualificação de Professores da Educação Básica (Proeb). Atualmente, são ofertados mestrados profissionais em rede nacional no formato semipresencial voltados a professores da educação básica nas áreas de matemática (Profmat), letras (Profletras), ensino de física – MNPEF (ProFis), artes (ProfArtes) e história (ProfHistória). Também são oferecidos, neste mesmo formato, os cursos de administração pública (ProfiAP) e de gestão e regulação de recursos hídricos (ProfÁgua).

    Assessoria de Comunicação Social, com informações da Capes

  • Primeiro mestrado a distância foca professor da rede pública

    O exame nacional de acesso ao programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (Profmat) selecionará candidatos para 1152 vagas. A prova consiste de 35 questões de múltipla escolha e três discursivas e está marcada para dia 19 de fevereiro, das 13 às 17 horas. O mestrado profissional é oferecido prioritariamente para professores das redes públicas de educação básica da área de matemática.

    O Profmat é o primeiro mestrado profissional a distância dentro do sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB) e será realizado por uma rede de 54 instituições de ensino superior em todas as regiões do país. O programa será coordenado pela Sociedade Brasileira de Matemática (SBM), com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que fornecerá uma bolsa de estudos aos mestrandos.

    O curso é composto de períodos semipresenciais, nos quais as disciplinas têm duração de 12 semanas. As atividades presenciais de cada disciplina semipresencial ocorrem todas as semanas, em todos os polos de atendimento designados pelas instituições associadas. Tais atividades têm duração de três horas por semana, na sexta-feira, sábado ou domingo.

    As atividades a distância podem ser realizadas pelo discente nos polos de atendimento ou na sua própria residência, com o apoio das instituições e de material didático elaborado e distribuído gratuitamente, e são fundamentais para o bom desempenho do discente na disciplina. A duração estimada é de quatro a seis horas por semana para cada disciplina.  

    Em janeiro e fevereiro as atividades serão ministradas apenas em regime presencial, nos polos das instituições associadas participantes do Profmat. O calendário será definido pelas instituições associadas, para adaptação ao período de férias escolares em sua região. Devem durar quatro semanas e para cada disciplina haverá uma aula por dia, em todos os dias úteis, com três horas de duração.

    O mestrado profissional enfatiza estudos e técnicas diretamente voltadas para uma qualificação profissional de alto nível, mas garante as mesmas prerrogativas do mestrado acadêmico. Pretende promover a formação continuada de professores das redes públicas de educação, no nível de pós-graduação, com uso de tecnologias de educação a distância, e está em consonância com o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020.

    Acesse outras informações sobre o Profmat na página da Sociedade Brasileira de Matemática.

    Conheça as instituições associadas ao Profmat.

    Assessoria de Comunicação Social
  • Quantos polos de educação a distância existem hoje no país?

    Hoje existem 562 polos da UAB distribuídos pelo país. Até junho de 2009, serão selecionados mais 250 novos polos de apoio presencial, por meio da articulação dos fóruns estaduais, no âmbito do Plano de Ações Articuladas (PAR). E a meta é implementar entre 850 e 900 polos até agosto de 2010. Confira os polos da UAB.

  • Universidade aberta seleciona autores de material didático

    Estão abertas inscrições para seleção de autores e leitores especializados na elaboração e análise crítica de materiais didáticos que serão utilizados no novo bacharelado em biblioteconomia, modalidade educação a distância, que integra a Universidade Aberta do Brasil (UAB). As inscrições, gratuitas, podem ser feitas até 21 de março. São 50 vagas na categoria autor e 50 vagas para leitor.

    Conforme o edital nº 1/2014, os materiais didáticos produzidos por autores e avaliados por leitores serão utilizados no curso de graduação em biblioteconomia, modalidade a distância da UAB, e em outras ações de interesse da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

    Para concorrer, o candidato precisa ter formação comprovada na área da disciplina escolhida – o edital relaciona 50 disciplinas –, e experiência mínima de um ano de docência ou em pesquisa na área de opção. Autor e leitor precisam ter currículo cadastrado e atualizado na plataforma Lattes do CNPq.

    Os 100 autores e leitores selecionados deverão participar de dois cursos de capacitação em produção de material didático, oferecidos e certificados pelo Centro de Educação Superior a Distância do Rio de Janeiro (Cederj). O primeiro curso é na modalidade a distância, previsto para o período de 1º a 25 de abril, e o segundo, presencial, no Rio de Janeiro, em 8 e 9 de maio.

    Atribuições – Entre as atribuições do autor estão elaborar materiais didáticos na disciplina escolhida, conforme as diretrizes estabelecidas no projeto pedagógico do curso, sugerir estratégias de ensino e aprendizagem, recomendar e especificar material complementar de pesquisa. O autor que elaborar material para disciplina de 60 horas, terá renda bruta de R$ 9.020,00; para disciplina de 45 horas, R$ 7.115,00; e para 30 horas, R$ 5.210,00.

    Serão funções do leitor efetuar análise crítica do material didático da disciplina escolhida, avaliar se o conteúdo proposto pelo autor está em acordo com as diretrizes do projeto pedagógico do curso, verificar a existência de erros conceituais e metodológicos no material didático. Leitor de conteúdo de disciplina de 60 horas de aula receberá renda bruta de R$ 3.810,00; de 45 horas, R$ 2.857,50; e para 30 horas, R$ 1.905,00.

    UAB– A Universidade Aberta do Brasil foi criada em 2005 e compreende um sistema integrado por instituições públicas de ensino superior que oferecem cursos superiores na modalidade a distância. A prioridade dos cursos da UAB são os professores, gestores e demais profissionais da educação básica pública. O sistema UAB também oferece três mestrados semipresenciais para professores: mestrado profissional em matemática (Profmat), mestrado profissional em letras (Profletras) e mestrado profissional em ensino de física (Profis).

    Ionice Lorenzoni

    Confira no Edital nº 1/2014 o quadro das disciplinas, a titulação exigida de autores e leitores, o calendário das atividades

Fim do conteúdo da página