Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Gestores de 80 municípios vão debater políticas públicas

    A Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) do Ministério da Educação promove a partir desta quarta-feira, 25, até sexta, 27, a 2ª Reunião Técnica com Gestores Municipais de Educação (Pronacampo).

    O encontro reunirá gestores dos 80 municípios com maior número de escolas do campo e com representantes dos 16 estados a que pertencem esses municípios. Durante o evento serão discutidos assuntos referentes a escolas do campo, escolas multisseriadas e educação integral. O objetivo é debater esses temas para contribuir para a melhoria da educação pública.

    Os interessados poderão acompanhar em tempo real no portal do MEC tudo o que será debatido.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Professor de multisseriada do campo terá curso de formação

    Gestores das redes públicas de ensino de estados e municípios, que tenham escolas multisseriadas no campo ou quilombolas, têm prazo até 19 deste mês para aderir ao Escola da Terra. O programa do Ministério da Educação oferece formação continuada e gratuita a professores que trabalham nessas unidades de ensino.

     

    Dados da coordenação geral de políticas de educação no campo da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi) mostram que até 30 de agosto 1.303 municípios de 26 estados da Federação aderiram ao programa, além das secretarias estaduais de educação do Acre, Goiás, Rondônia e Sergipe. Antônio Lídio Zambom, que coordena o programa, explica que poucos estados têm escolas multisseriadas e quilombolas com matrículas até o quinto ano do ensino fundamental.

     

    Para aderir, o secretario municipal ou estadual precisa entrar na página eletrônica do Sistema de Informações Integradas de Planejamento, Orçamento e Finanças do MEC (Simec) e informar seu CPF e senha. Dentro do Simec, acessa o Plano de Ações Articuladas (PAR) e o programa Escola da Terra. Nesta etapa do processo, o gestor informa apenas o número de escolas multisseriadas e quilombolas de sua rede e o número de professores.


    2013 e 2014– Antônio Lídio Zambom lembra aos gestores que a adesão para cursos de formação que começam em 2013, ministrados por sete universidades federais, e aqueles que serão abertos em 2014, deve ser feita agora. Em 2014, ele explica, não haverá nova adesão, daí a importância do secretário garantir acesso ao programa.

     

    Em 2013, sete universidades federais foram selecionadas para participar de um projeto piloto da Escola da Terra em quatro das cinco regiões do país. O piloto terá 7.500 vagas distribuídas entre as universidades federais do Amazonas (UFAM) com 1.500 vagas, da Bahia (UFBA), do Pará (UFPA), de Pernambuco (UFPE), do Rio Grande do Sul (UFRGS), de Minas Gerais (UFMG) e do Maranhão (UFMA), com 1.000 vagas cada. Em todas as unidades da Federação, os cursos estão previstos para 2014.

     

    Dados do Censo Escolar informados pela Secadi indicam que o país tem hoje 865 escolas quilombolas do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental e 53.713 escolas com classes multisseriadas do primeiro ao quinto ano do ensino fundamental.


    O programa – A Escola da Terra compreende quatro ações: formação continuada e acompanhada de professores que trabalham com estudantes dos anos iniciais do ensino fundamental em escolas multisseriadas no campo, e em escolas quilombolas, além dos assessores pedagógicos que terão a função de tutores; oferta de materiais didáticos e pedagógicos; monitoramento e avaliação; gestão, controle e mobilização social.

     

    Educadores e tutores terão curso de aperfeiçoamento com carga horária mínima de 180 horas. A formação compreende dois períodos – a frequência no curso denominada tempo-universidade e outro para as atividades realizadas em serviço (escola-comunidade), que será acompanhada por tutores. A qualificação dos docentes será de responsabilidade das instituições públicas de ensino superior que aderirem à Escola da Terra.

     

    A produção dos materiais didáticos e pedagógicos é de responsabilidade do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). São jogos, mapas, recursos para alfabetização, letramento e matemática. Também cabe ao FNDE o pagamento de bolsas ao coordenador estadual e ao tutor que acompanham e orientam os educadores durante a formação.


    Ionice Lorenzoni

     

    Conheça a Escola da Terra

     

    Acesse o Simec

Fim do conteúdo da página