Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Nutricionista faz recomendações para alimentação antes do exame

    No dia do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), cada movimento importa. E, nesse planejamento, as refeições podem ter um papel importante para a manutenção da concentração do candidato. “A alimentação tem efeito crônico no organismo. Isso depende de como o candidato se alimentou na semana, até mesmo no mês do exame: pode ter um efeito positivo ou negativo. Quem consome muita comida industrializada, por exemplo, pode ter prejuízo no rendimento”, comenta o nutricionista André Heibel.

    O especialista recomenda cortar todo tipo de corante, adoçante e edulcorante. “Esses alimentos prejudicam a concentração. Por outro lado, o suco de uva, por exemplo, é rico em resveratrol, que auxilia na memória. O chá verde tem bastante catequina, ajuda na concentração e no foco”, cita André. Outra dica é usar temperos como açafrão e pimenta do reino nos alimentos, que são antioxidantes e, segundo o nutricionista, protegem o cérebro de lesões por estresse.

    No dia da prova, a recomendação para o almoço é pegar leve. “Sugiro consumir uma quantidade menor de carboidratos, comer mais tubérculos, arroz integral e uma boa fonte de proteína, como o salmão, que é rico em Ômega 3”, enumera André. Para o lanche, embora muitos prefiram refrigerantes e salgados processados, a sugestão é levar um chá gelado, castanhas e chocolate 60%.

    Para quem não dispensa um sabor adocicado, é melhor levar frutas. “De forma geral, o açúcar influencia nas bactérias do intestino, que podem produzir serotonina no cérebro, o que pode gerar sono durante a prova”, explica o nutricionista. A recomendação para os estudantes sabatistas, que começam a prova às 18h do sábado, é associar a alimentação saudável com uma dose de café com leite, para disfarçar o amargor.

    Esportes– Não faltam controvérsias a respeito da prática de atividades físicas nos dias do Enem. Para o nutricionista André Heibel, o exercício não deve ser cortado, desde que feito em ritmo razoável. “Acho que atividade física é muito positiva, libera endorfinas, alivia o estresse. Mas acredito que deve ser algo que o candidato esteja acostumado a fazer rotineiramente, que não interfira na hora da prova”, recomenda.

    Assessoria de Comunicação Social

Fim do conteúdo da página