Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Professora estimula alunos a melhorar o desempenho por meio de envio de cartas
Início do conteúdo da página
Educação Básica

Instituições têm até sexta-feira, 12, para se inscrever no Ciência na Escola

  • Segunda-feira, 08 de julho de 2019, 13h23
  • Última atualização em Segunda-feira, 08 de julho de 2019, 16h28

Giulliano Fernandes, do Portal MEC

O prazo para as instituições de ensino interessadas em participar do Programa Ciência na Escola foi prorrogado para as 23h59 de 12 de julho. O cadastro das propostas tinha se encerrado em 24 de junho. A iniciativa busca aprimorar o ensino de ciências na educação básica, em especial nos anos finais dos ensinos fundamental e médio.

As propostas devem ser submetidas por universidades federais pelo site do programa. Estas devem se juntar com pelo menos um Instituto Federal de Ciência e Tecnologia (IF) ou um Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet). O consórcio/rede de instituições pode ainda conter:

  • instituições de educação superior públicas ou privadas;
  • institutos de ciência e tecnologia;
  • redes educacionais estaduais; 
  • redes educacionais municipais;
  • espaços científicos e culturais, como museus, planetários e observatórios.

O investimento do Ministério da Educação (MEC) para o projeto, que ainda conta com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC), é de R$ 100 milhões. São até R$ 20 milhões para propostas regionais — que envolvam ao menos três estados da mesma Região do País —, R$ 10 milhões para interestaduais — dois estados da mesma Região — e R$ 4 milhões para iniciativas em um só estado.

Os objetivos do Programa Ciência na Escola são:

  • aprimorar o ensino de ciências nas escolas de educação básica;
  • promover o ensino por investigação voltado à solução de problemas;
  • intensificar a qualificação de professores da educação básica para o ensino de ciências;
  • estimular o interesse dos alunos da educação básica pelas carreiras científicas;
  • identificar jovens talentos para as ciências;
  •  fomentar a implementação de soluções inovadoras que contribuam para aprimorar o ensino e o aprendizado de ciências; 
  • incentivar o uso de novas tecnologias educacionais e novos métodos de ensino de ciências; 
  • fortalecer a interação entre escolas de educação básica, instituições de ensino superior, espaços de ciência e outras instituições de ciência, tecnologia e inovação; 
  • democratizar o conhecimento e popularizar a ciência.

O programa teve início em abril deste ano. Foram quatro ações simultâneas: chamada pública para instituições, chamada pública para pesquisadores, Olimpíada Nacional de Ciências e especialização a distância em ensino de ciência. 

O Ciência na Escola valoriza a perspectiva pedagógica de que o aluno seja o protagonista na construção e na apropriação do conhecimento, além do aprimoramento do ensino de ciências na educação básica com elementos de ensino por:

  • investigação; 
  • mão na massa;
  • abrangência;
  • criatividade; 
  • inovação;
  • diversidade;
  • democratização do conhecimento;
  • popularização da ciência.

O que se espera é que as propostas selecionadas promovam o aprimoramento do ensino de ciências e que sua execução seja capaz de:

  • intensificar a vivência de alunos das redes públicas de ensino fundamental e médio com métodos de investigação científica para a resolução de problemas, com aplicação no cotidiano;
  • estimular a aproximação e a interação entre atores relevantes à produção do conhecimento científico, escolas de ensino fundamental e médio, instituições de ensino superior, espaços de ciência e outras instituições de ciência, tecnologia e inovação em benefício do ensino de ciências nas escolas públicas de educação básica;
  • despertar, estimular e incentivar talentos e habilidades em alunos da educação básica para as ciências;
  • promover a qualificação de professores da educação básica para o ensino de ciências sob a perspectiva da aprendizagem pela investigação e adoção de procedimentos científicos;
  • contribuir para a redução das desigualdades socioeducacionais no país.
X
Fim do conteúdo da página