Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Cadernos e gabaritos do Enade estão liberados para consulta
Início do conteúdo da página
Diversidade

Uniafro chega a Mato Grosso

  • Terça-feira, 18 de julho de 2006, 07h52
  • Última atualização em Quinta-feira, 17 de maio de 2007, 09h08

Professores das redes públicas estadual e municipal e privada de Cáceres, Mato Grosso, participam do curso de especialização em relações raciais, educação e escola no Brasil, uma iniciativa do Programa de Ações Afirmativas para a População Negra nas Instituições Públicas de Educação Superior (Uniafro), do Ministério da Educação, e do Núcleo de Estudos sobre Educação, Gênero, Raça e Alteridade (Negra), da Universidade do Estado de Mato Grosso, (Unemat). Os 23 professores, egressos dos cursos de história, pedagogia e letras, já estão no sexto dos dez módulos do curso, ministrado pela Unemat. No semestre passado, eles desenvolveram projetos em sala de aula sobre preconceito racial.

Outra iniciativa do Uniafro em parceria com o Negra é a oferta de um curso pré-vestibular gratuito para a população carente, previsto para agosto próximo, destinado principalmente a jovens afrodescendentes. Para outubro, está previsto um seminário de avaliação dos programas.

O Negra, vinculado à Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da Unemat, é uma associação de professores, técnicos administrativos e estudantes. Tem como objetivo promover ações pedagógicas de ensino, pesquisa e extensão sobre a dimensão das relações raciais do fenômeno educativo, paralelamente à disseminação de estudos sobre essa temática. Também divulga conhecimentos sobre relações raciais, em especial junto aos profissionais da educação. O núcleo também zela pelo cumprimento da Lei nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003, que instituiu a obrigatoriedade do ensino de história e cultura africana e afrobrasileira no ensino fundamental e médio.

Selo — A Unemat recebeu este ano o selo Gênero e Raça, concedido pela Prefeitura de Cuiabá, como reconhecimento pela iniciativas destinadas a  superar as desigualdades sociais e combater o racismo. Desde o final de 2004, a universidade adota o sistema de cotas — 25% das vagas nos cursos de graduação são destinadas a alunos que se autodeclarem negros ou pardos. No vestibular do início deste mês, foram oferecidas 450 vagas a estudantes enquadrados no Programa de Inclusão Étnico-Racial da instituição.

O Uniafro é desenvolvido pelas secretarias de Educação Superior (SESu/MEC) e de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad/MEC), para permitir o acesso e garantir a permanência de estudantes negros no ensino superior, além de estimular as universidades a desenvolver ações afirmativas junto a comunidades.

Mais informações pelos telefones (61) 2104-9309 e 2104-9221 e nas páginas eletrônicas do Uniafro e da Unemat.

Susan Faria

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página