Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > MEC quer qualificar a alfabetização no país
Início do conteúdo da página
Educação de jovens e adultos

Goiás se mobiliza para responder questionário sobre alfabetização

  • Quinta-feira, 31 de março de 2005, 10h45
  • Última atualização em Quinta-feira, 10 de maio de 2007, 10h31

Até o dia 30 de abril, as instituições que oferecem cursos de alfabetização de jovens e adultos devem responder o questionário do Mapeamento Nacional de Iniciativas de Alfabetização de Jovens e Adultos, coordenado pelo Ministério da Educação. Em Goiás, empresas, prefeituras, organizações não-governamentais, instituições religiosas, associações de bairro e outras que oferecem alfabetização estão recebendo a visita das coletoras de dados.

As secretarias estaduais de educação estão desenvolvendo estratégias para participar do mapeamento. A partir das respostas do questionário, o MEC vai elaborar diagnóstico abrangente, que possibilitará ao país saber quais são as iniciativas existentes e as instituições envolvidas na alfabetização de jovens e adultos. "Estamos utilizando telefone, fax e e-mail e saindo em campo para que todos respondam o questionário", disse Lídia Poleck, superintende de educação a distancia e continuada da Secretaria de Estadual de Educação de Goiás. "O trabalho de mapear a alfabetização era uma necessidade que nós mesmos sentíamos porque alfabetização não é um feudo, uma ação privativa de uma instituição."

Lídia destaca que no governo Lula está havendo uma mobilização maior para a alfabetização de jovens e adultos. Essa abertura, segundo ela, proporciona mais visibilidade numa campanha nacional que tem a convergência de diversos setores da sociedade. Lídia salienta que o mapeamento permite saber onde investir e a quem apoiar.

Em Goiás, onde há 246 municípios, o maior número de analfabetos está em cidades-dormitório no Entorno de Brasília e na periferia de Goiânia. "Estamos criando uma rede de alfabetização, mas não é algo separado da educação continuada. É uma mobilização pela volta à escola, pelo conhecimento sistematizado", observou.

Voluntários - Para Sireni Maria de Menezes Vale, agente coletora de dados do mapeamento em Goiás, o trabalho é importante porque, até então, se conhecia apenas o trabalho de alfabetização feito pela rede pública. "Estamos descobrindo outros projetos, dentre os quais os de voluntários. Os contatos têm sido importantes", comentou.

Em Goiás, a Secretaria Estadual de Educação, com apoio do MEC, desenvolve o programa Escola da Vida, que já alfabetizou 45.379 jovens, em três etapas. A quarta etapa começa agora, com a meta de alfabetizar mais 50 mil pessoas ainda este ano. Os alfabetizadores são pessoas da comunidade, capacitadas para desenvolver, além da alfabetização, atividades de melhoria da qualidade de vida dos alunos. Para tanto, eles recebem um salário fixo de R$ 120,00, mais R$ 7,00 por aluno. Cada alfabetizador pode receber, no máximo, por 25 alunos.

Mais informações sobre o mapeamento podem ser obtidas na internet e pelos telefones (61) 2104-8490 e 0800-616161. Em Goiás, pelo telefone (62) 201-3135, ramal 214, e na Superintendência de Educação a Distância e Continuada da Secretaria de Estado da Educação - Avenida Anhangüera, 5.105, Setor Oeste. CEP 74043-012, Goiânia.

Susan Faria

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página