Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Abertas inscrições para curso de pós-graduação na Fundaj
Início do conteúdo da página
Educação profissional e tecnológica

Recursos para o ensino profissionalizante chegam a R$ 65 mil por turma

  • Segunda-feira, 13 de abril de 2009, 11h20
  • Última atualização em Segunda-feira, 18 de maio de 2009, 17h17

O Ministério da Educação está convocando instituições de ensino ligadas à Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica para montar cursos de educação profissionalizante integrada à educação básica nos municípios e em presídios. Para cada turma de até 30 alunos serão liberados R$ 65 mil. As escolas técnicas federais devem formar parcerias nos municípios ou nos estados nos quais haja estabelecimentos penais.


Recursos para o ensino profissionalizante chegam a R$ 65 mil por turma (Foto: Júlio César Paes)Cada instituição de ensino pode firmar quantos convênios quiser. A prefeitura ou instituição penal fica responsável pelo transporte — os estudantes podem se deslocar até a escola ou os professores até onde estiverem os alunos. A formação profissional estará acompanhada da elevação da escolaridade. Também está prevista a formação dos professores de educação básica envolvidos, a elaboração de material didático, em parceria com as instituições federais e os municípios, e o acompanhamento da implementação dos cursos.


Dados do Sistema de Informação Penitenciária (Infopen) do Ministério da Justiça demonstram que já passa de 420 mil o número de pessoas privadas de liberdade no Brasil. Dessas, somente 18% têm acesso a atividades educacionais e 70% não concluíram o ensino fundamental. Além disso, estudos do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), de 2007, mostram 9,13 milhões de trabalhadores que procuraram emprego, dos quais apenas 1,6 milhão tinham experiência e qualificação profissional. Constata-se assim, uma demanda potencial de 7,4 milhões de trabalhadores sem formação profissional.


A iniciativa também prevê a participação de pessoas com necessidades educacionais especiais, jovens e adultos em situação de vulnerabilidade social, populações do campo e indígenas. Na seleção dos projetos, esse público ganha prioridade.


ação faz parte do Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação de Jovens e Adultos na Formação Inicial e Continuada com Ensino Fundamental (Proeja-FIC). São responsáveis pelo projeto as secretarias de Educação Profissional e Tecnológica (Setec) e de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) do Ministério da Educação. 


Assessoria de Imprensa da Setec

X
Fim do conteúdo da página