Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Conheça as cinco competências cobradas na redação do Enem
Início do conteúdo da página
Educação profissional e tecnológica

Mostra apresenta projetos de educação profissional

  • Quarta-feira, 01 de novembro de 2006, 11h41
  • Última atualização em Terça-feira, 22 de maio de 2007, 10h58

Educação inclusiva, direitos humanos, tecnologia, inserção no mercado de trabalho, educação ambiental, ações afirmativas e ensino técnico de nível médio estão entre os temas a serem apresentados na 1ª Conferência Nacional de Educação Profissional e Tecnológica. O encontro começa no domingo, dia 5, e se estenderá até o dia 8, em Brasília.

Um dos dos 73 projetos desenvolvidos por instituições públicas e privadas é o do Centro Federal de Educação Tecnológica (Cefet) do Rio Grande do Norte, que oferece aulas de reforço a distância a candidatos ao ingresso. Denominado Programa de Iniciação Tecnológica e Cidadania (Procefet), funciona há mais de dez anos e atende todos os alunos do ensino fundamental de Natal. São mais de quatro mil inscritos no programa.

Segundo a professora Ana Lúcia Sarmento Henrique, as aulas de reforço são ministradas por meio de fascículos que abordam questões de português, matemática e cidadania. “São cinco fascículos, vendidos com os jornais da cidade, o que nos permite atender todo o tipo de estudante que pretenda entrar no Cefet”, explicou. Os materiais são divididos nas cinco áreas do conhecimento oferecidas pela instituição — serviços, turismo, indústria, informática e recursos naturais. O reforço escolar é feito a partir de temas ministrados no ensino fundamental. “Na matemática, por exemplo, ligamos as lições ao cotidiano dos alunos para tornar a disciplina mais atrativa”, disse Ana Lúcia.

Agricultura familiar — Outro projeto é desenvolvido pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). A iniciativa atende estudantes moradores de assentamentos que sobrevivem da agricultura familiar. São oferecidos cursos de nível técnico e tecnológicos em seis escolas do Paraná. Os alunos aprendem técnicas para melhorar a produção de alimentos e têm aulas práticas de meteorologia e de agricultura aplicada em florestas.

De acordo com o coordenador do núcleo de agroecologia da UFPR, Otaviano Bezerra Sampaio, os cursos têm uma peculiaridade para integrar a aprendizagem à realidade dos estudantes. “Os alunos passam dois meses na escola e dois na comunidade para aplicar o conteúdo aprendido. Esse processo dura dois anos para cursos técnicos e três para os tecnológicos”, disse.

Desde a criação, em 2003, o projeto já formou 125 técnicos. Hoje, são atendidos 401 alunos. Financiado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), é resultado de parceria entre a UFPR, organizações não-governamentais e movimentos sociais.

Flavia Nery

 

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página