Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Portal contribui para ensino de filosofia
Início do conteúdo da página
Combate ao coronavírus

IFPA produz viseiras de proteção para doar aos hospitais

  • Sexta-feira, 03 de abril de 2020, 10h11
  • Última atualização em Sexta-feira, 03 de abril de 2020, 10h11

Grupo é formado por professores, estudantes e técnicos


Professores, estudantes e técnicos do Instituto Federal do Pará (IFPA) criaram uma rede de cooperação com o intuito de contribuir para o combate ao novo coronavírus. O grupo, do Campus  Belém, começou a produzir um protótipo de viseiras de proteção em impressoras 3D para doar aos hospitais da capital paraense. 

 O instrumento oferece proteção total ao rosto e ajuda a não propagar o contágio de doenças transmissíveis pela saliva e fluidos nasais, como é o caso do Covid-19. A iniciativa é o resultado do Plano de Ação desenvolvido pelo Grupo Especial de Prevenção ao Covid-19 do IFPA.

De acordo com a professora Helena Cunha, coordenadora do grupo, a iniciativa é importante para suprir uma carência das unidades de saúde. “Os hospitais não estavam preparados com estoques de Equipamentos de Proteção Individual (EPI), como, por exemplo, a viseira protetora facial”, disse.

Com formação em Farmácia Bioquímica e doutorado em Virologia, a professora ressalta a importância dos equipamentos, que seguirão os requisitos legais e as normas de segurança do Ministério da Saúde. “Ele é usado tanto em procedimentos de intubação como nos atendimentos gerais”, destacou. De acordo com a docente, o objetivo principal é proteger a região dos olhos contra gotículas, além de ajudar a prolongar a vida útil das máscaras.

Segundo Helena Cunha, outros profissionais do Instituto têm desenvolvido atividades para a produção de álcool em gel, e o material será distribuído para a vigilância sanitária e para o hospital Barros Barreto, em Belém.

A rede de solidariedade conta com o apoio do diretor-geral do IFPA, Raimundo Otoni, que autorizou a transferência dos equipamentos para a casa dos servidores. Ele ressaltou que o IFPA, como instituição pública, tem o compromisso ético e a responsabilidade social de servir à população.“Para resguardar a saúde desses servidores que estão colaborando voluntariamente, autorizei o transporte do material para permitir o trabalho de casa, além da compra de insumos necessários. Dispomos de profissionais capacitados e equipamentos modernos, por isso, podemos dar nossa contribuição nesta luta contra o coronavírus”, disse.

Produção - A viseira protetora, do tipo ‘faceshield’, é um modelo produzido em 3D, impresso com filamento polimérico, uma folha de acetato e um elástico para prender atrás da cabeça. 

O técnico Ivo Paes, coordenador do Núcleo de Difusão de Tecnologias, Inovação e Extensão (NDTIE),  explica que para confeccionar as viseiras são utilizados filamentos com custo médio de R$ 90,00 o quilo, sendo possível com essa quantidade produzir cerca de 25 unidades. A folha de acetato custa em torno de R$ 16,00 (suficiente para produzir 10 unidades) e o elástico, de custo, praticamente, irrisório. “Por enquanto, estamos usando o acetato que já estava disponível no Instituto”, afirmou. 

O tempo de produção é de 50 a 60 minutos para cada viseira. O campus conta com outras impressoras 3D para outros servidores que queiram se envolver na ação.

Assessoria de Comunicação Social, com informações do IFPA

X
Fim do conteúdo da página