Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Planejamento considera ilegal flexibilização de carga horária
Início do conteúdo da página
Educação a distância

Câmara discute educação a distância

  • Segunda-feira, 16 de junho de 2008, 12h07
  • Última atualização em Quarta-feira, 18 de junho de 2008, 11h53

Identificar as melhores práticas internacionais e nacionais de metodologia e de gestão da educação a distância. Com este objetivo, a Comissão de Educação da Câmara do Deputados, em conjunto com a Frente Parlamentar de Educação a Distância, realiza nesta segunda-feira, 16, o Seminário Internacional sobre Educação a Distância.

Entre os temas em debate estão: os cenários da EAD no mundo, na América Latina e no Brasil, a prática do credenciamento e a regulamentação da EAD. Para debatê-los foram convidados especialistas da Europa, da Ásia e das Américas.

Na cerimônia de abertura, mais de 1,2 mil pessoas lotaram o Auditório Nereu Ramos, na Câmara do Deputados. No evento, o diretor de regulação e supervisão de educação a distância do Ministério da Educação, Hélio Chaves Filho, ressaltou a importância de se garantir, por meio de marcos legais de regulação e supervisão, a qualidade dos cursos de EAD. “Estamos numa curva ascendente de qualificação profissional nesta área. O esforço coletivo para debater o crescimento de EAD é fundamental”, disse.

Já o presidente da Comissão de Educação do Senado Federal e ex-ministro da Educação, senador Cristovam Buarque, afirmou que a revolução mais recente no âmbito pedagógico é a inserção das tecnologias em sala de aula. “A escola nasceu com um único recurso: o professor, mas o surgimento de livros, do quadro negro e, agora, da aplicação da informática em sala de aula, permitiram uma revolução pedagógica”, disse.

O presidente da Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia, também participou do evento, destacando o crescimento da EAD e o caráter estratégico de programas como a Universidade Aberta do Brasil e o E-Tec Brasil. “Em 1996, a LDB incluiu a determinação de que o poder público incentivasse o ensino a distância. Hoje, a EAD registra um crescimento de 571% no número de cursos”, afirmou.

Estavam presentes também o presidente da Comissão de Educação da Câmara dos Deputados, João Matos, a representante da Frente Parlamentar de Educação a Distância, Nilmar Ruiz, o presidente da Associação Brasileira de Educação a Distância, Frederic Litto, e o vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio, Flávio Roberto Sabbadini.

Renata Chamarelli

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página