Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Crianças terão de ir à escola a partir do 4 anos de idade
Início do conteúdo da página
Educação a distância

Programa Salto para o Futuro discute cultura afro-brasileira

  • Segunda-feira, 23 de outubro de 2006, 14h51
  • Última atualização em Terça-feira, 22 de maio de 2007, 10h34

A TV Escola apresenta, no programa Salto para o Futuro, a série inédita Currículo, relações raciais e cultura afro-brasileira, com cinco programas, a partir desta segunda-feira, 23, até o dia 30, diariamente, às 3h, 5h, 11h, 15h e 19h. Especialistas e professores participam da série, que destaca o negro como sujeito na construção da sociedade brasileira. Os programas ajudam as escolas a colocar em prática a Lei nº 10.639/03, que institui as diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações raciais e o ensino da história e da cultura afro-brasileira e africana.

Simone Santos, consultora da TV Escola especialista em história e cultura afro-brasileira e conselheira municipal de Educação em Salvador (BA), destaca que o movimento negro vem reivindicando revisão do currículo escolar nos diversos níveis de ensino formal. Reivindicação que tornou-se lei e está nas diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações raciais e para o ensino da história e da cultura afro-brasileira e africana. “Está na lei, mas não está nos costumes”, diz. A seu ver, a educação escolarizada no Brasil é pautada na tradição européia que valoriza a erudição, uma cultura livresca pouco condizente com a nossa realidade.

Na avaliação de Simone, o conteúdo programático da educação básica tem mantido visão monocultural e eurocêntrica, deixando de fora as muitas culturas da sociedade brasileira, principalmente a cultura de tradição oral. E a série inédita da TV Escola rompe com o padrão, dando visão abrangente do mundo. A série cria possibilidades para o exercício do que determina a Lei nº 10.639/03 e estimula a construção de um projeto político-pedagógico que cumpra o papel social e a função educativa da escola.

Revisão – Será discutida a revisão de currículo, livros e materiais didáticos que apresentam tendência à folclorização da cultura negra e promoção de ações para garantir o direito de acesso à educação. A série propõe debates e seminários sobre preconceito; história e cultura afro-brasileira e africana; relações étnico-raciais, história e cultura afro-brasileira na educação infantil; diversidade étnico-racial no currículo escolar do ensino fundamental; legado ancestral africano na diáspora e a formação docente.

Além de Simone Santos, participam da série Narcimária Luz, doutora em educação; Regina Conceição, assessora de educação étnico-racial da Secretaria Municipal de Educação e Cultura da Prefeitura de São Carlos (SP); e Lauro Rocha, mestre em história econômica pela USP, entre outros.

A TV Escola pode ser acessada pelos canais 27 (Sky), 237 (DirecTV), 4 (Tecsat) e antena parabólica analógica e digital. Mais informações  na página eletrônica da TV Escola.

Repórter: Susan Faria, com informações da Assessoria de Imprensa da Seed

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página