Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Olimpíada de Língua Portuguesa abre inscrições para sexta edição
Início do conteúdo da página
Jornal do Professor

Aulas práticas levam realidade do campo para a sala de aula

  • Quarta-feira, 06 de abril de 2011, 17h07
  • Última atualização em Quarta-feira, 06 de abril de 2011, 17h07
Professor Rodrigo (esquerda) busca aproximar alunos da realidade do campo. (Foto: Arquivo pessoal)A curiosidade pela Amazônia levou Rodrigo Diego Quoos a sair do Rio Grande do Sul, onde cursava engenharia florestal, para fazer seu estágio profissional obrigatório em uma associação de Rondônia, voltada para a área de agroindústria e agroecologia. “Fiquei fascinado”, conta Rodrigo, que resolveu morar na região amazônica depois que concluiu sua graduação.

Em 2008, durante o mestrado em desenvolvimento rural, ele fez um estudo sobre os agricultores que havia conhecido durante seu estágio. Logo em seguida participou de concurso para a antiga Escola Técnica Federal de Rondônia, atual Instituto Federal de Rondônia, campus de Ji-Paraná, onde leciona, há dois anos, as seguintes disciplinas: incêndios florestais, política e legislação florestal e extensão rural.

“O envolvimento com a comunidade e os movimentos sociais me aproximaram do contexto da educação”, explica Rodrigo. Segundo ele, a partir da experiência como monitor de uma Escola Família Agrícola, pôde perceber que a oportunidade de ser um educador e professor conseguia satisfazer seus anseios de transformação social.

Ele diz que sempre trabalhou de maneira interativa e participativa, pois prefere aulas dinâmicas, onde o aluno interage e expõe suas ideias. “Trabalho muito com saídas técnicas e aulas práticas em campo, tentando aproximar a realidade do campo com a sala de aula”, justifica.

De acordo com o professor, alguns municípios da região central de Rondônia chegam a ter 90% de sua área desmatada. Por essa razão, ele procura levar os estudantes a uma das maiores reservas biológicas da Amazônia, a Rebio Jarú, localizada no próprio município de Ji-Paraná. Também visitam instituições de pesquisa e pequenos agricultores que trabalham com sistemas agroflorestais e de agroecologia, entre outros.

Na visão de Rodrigo, a profissionalização de jovens requer muita dedicação, pois nessa idade muitas opções e descobertas aparecem ao mesmo tempo, sem falar nas redes sociais. Ele se preocupa, então, em abrir os horizontes profissionais dos estudantes. “Sempre é preciso destacar o futuro próximo, as condições do mercado de trabalho, as opções profissionais”, ressalta.

Cursos – Em funcionamento desde 2009, o campus de Ji-Paraná do Instituto Federal de Rondônia tem, atualmente, 954 alunos matriculados. São ofertados três cursos técnicos: florestas, móveis e informática. A instituição também oferece licenciatura em química e especialização em informática na educação e em Programa Nacional de Integração da Educação Profissional com a Educação Básica na Modalidade de Educação Jovens e Adultos (Proeja).

Fátima Schenini
Assunto(s): Jornal do Professor
X
Fim do conteúdo da página