Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Cresce inclusão de estudantes com deficiência em sala comum
Início do conteúdo da página
Ações internacionais

Vencedores do concurso Caminhos do Mercosul são jovens leitores

  • Terça-feira, 20 de setembro de 2005, 15h45
  • Última atualização em Segunda-feira, 14 de maio de 2007, 13h10

Vêm de Recife e Jaboatão dos Guararapes (PE), de Vitória da Conquista e de Juazeiro (BA), de Guaratinguetá (SP) e de Contagem (MG) os estudantes brasileiros ganhadores do 3º concurso histórico-literário Caminhos do Mercosul. Eles concorreram, na etapa nacional, com 95 colegas de 25 estados que apresentaram trabalhos sobre o tema Brasília, Patrimônio Cultural da Humanidade.

O concurso Caminhos do Mercosul é uma iniciativa do bloco de países – Argentina, Brasil, Uruguai e Paraguai e os associados, Bolívia e Chile – que visa promover a integração regional através da educação. A cada ano um país fica responsável pela escolha do tema e por organizar o passeio. Ao todo são selecionados 36 estudantes, seis de cada país, que ganham uma viagem para conhecer a cidade que é tema do concurso. Em 2003, o concurso foi organizado pela Argentina e em 2004, pelo Chile. Este ano, de 2 a 9 de outubro, a viagem será para conhecer Brasília. Na edição de 2005, os alunos brasileiros vencedores do concurso se identificaram como leitores de jornais, revistas, livros e também como pesquisadores. A maioria gosta de literatura, mas os textos sobre política também atraem esses jovens.

Vencedores - Estudante de 17 anos e no terceiro ano do ensino médio, Vanessa Veiga de Oliveira, de Contagem, Minas Gerais, escreveu o conto Brasília sob outro ângulo para homenagear a capital do país e se classificou em terceiro lugar. Ela diz que gosta de escrever, tem boas notas em língua portuguesa e que lê regularmente jornais, revistas e livros. Neste ano está dedicada às obras pedidas para o vestibular do curso de comunicação social da Universidade Federal de Minas Gerais: Grande Sertão, Veredas, Um Certo Capitão Rodrigo, Carta de Pero Vaz de Caminha, Patativa do Assaré. Ela estuda no Colégio Lagoa da Pampulha onde fez dois anos de língua espanhola.

Caroline Gomes Cajuí tem 16 anos e cursa a segunda série do ensino médio como bolsista no Centro Educacional do Médio São Francisco, em Juazeiro, na Bahia. Obteve o segundo lugar contando a história Brasília, a cidade da esperança. Caroline tem expectativa de conhecer Brasília e os colegas dos outros países. Gosta de escrever e adora literatura brasileira. Atualmente está lendo Vidas Secas e O Quinze.

Com 16 anos e na segunda série do ensino médio, Heider Amaral e Silva considera uma oportunidade ímpar poder conhecer Brasília e os estudantes de outros cinco países. Aluno do colégio público Luís Eduardo Magalhães, em Vitória da Conquista, Bahia, Heider dedicou cerca de 50 dias na pesquisa na internet, na biblioteca da escola e fazendo resumos até descobrir Ubirajara Brito, um amigo do arquiteto Oscar Niemeyer a quem entrevistou. Foi a partir da entrevista que ele decidiu fazer uma monografia sobre o arquiteto e sua obra e também se encantou com a arquitetura como profissão.

Juliano Maia Braga Martins, 17 anos, terceiro ano do ensino médio, também se dedica à leitura. Atualmente lê Ditadura Escancarada, de Hélio Gaspari, e se prepara para o vestibular do curso de Direito. A idéia de participar do concurso foi de seu professor de História que orientou a pesquisa nas bibliotecas da escola e do município e na internet. Ele usou o tempo das férias de julho para pesquisar e escrever a monografia Brasília, flor do cerrado. Juliano estuda no Instituto Nossa Senhora do Carmo, em Guaratinguetá, São Paulo.

Vêm do Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) dois selecionados ao prêmio. Juliana Melcop de Castro Schor, 16 anos, da segunda série do ensino médio, fez o conto Areia, Curvas e Poesia: psicologia de uma composição e conquistou o primeiro lugar no prêmio. Para pesquisar e escrever, Juliana contou com a orientação de dois professores de literatura. Ela visitou Brasília aos 11 anos, mas sua expectativa agora é conhecer a cidade sob outro ângulo, além da possibilidade de conviver com estudantes da mesma idade dos países do Mercosul. Rhemo Antônio Guedes da Silva, 17 anos, da terceira série, também estuda no Colégio de Aplicação da UFPE. Ele apresentou o ensaio Brasília: cidade-síntese de um sonho Brasil. Também contou com apoio de um professor de português e de uma ex-professora de história. Rhemo diz que gosta de ler temas relacionados com política e se prepara para o vestibular do curso de Ciências Sociais. Ele concentrou sua pesquisa na biblioteca da Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste (Sudene), na internet e comprou livros sobre Juscelino Kubitschek. Juliana Schor e Rhemo da Silva esperavam o tema do concurso de 2005, pois um estudante do Colégio de Aplicação concorreu e ganhou o concurso em 2004 e viajou ao Chile.

Repórter: Ionice Lorenzoni

 

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página