Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Escolas recebem prêmio por incluir aluno com deficiência
Início do conteúdo da página
Brasil Alfabetizado

Secretário propõe criação de certificado para alfabetizador

  • Quinta-feira, 30 de julho de 2009, 17h50
  • Última atualização em Quinta-feira, 30 de julho de 2009, 17h50
Há no Brasil 14 milhões de analfabetos. Em sua maior parte, eles têm mais de 50 anos, moram no campo e são negros. Os dados – da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) – foram discutidos nesta quinta-feira, 30, em Brasília, durante reunião da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) do Ministério da Educação com os gestores e instituições formadores do programa Brasil Alfabetizado.

“Precisamos garantir que a instituição formadora tenha o compromisso com a qualidade de formação dos alfabetizadores para assegurar o direito dos jovens e adultos à educação”, disse o secretário André Lázaro.

A fim de melhorar a qualidade do alfabetizador, o secretário sugeriu criar um certificado para qualificar o profissional, a ser emitido por universidades públicas. “Porque assim poderíamos dizer com segurança que só entra em sala de aula quem realmente sabe alfabetizar”, enfatizou.

O secretário não especificou meios ou prazos para a criação do certificado e disse que a proposta deve ser construída em conjunto com os parceiros do programa, que envolve secretarias estaduais e municipais de educação, instituições de ensino superior públicas e privadas e organizações não-governamentais, entre vários participantes.

Para o secretário, a boa formação do alfabetizador deve levar em consideração os dados levantados pela PNAD, além de agregar ao cotidiano do aluno os saberes que já acumulou ao longo do tempo. “Não podemos infantilizar o jovem ou o adulto”, afirmou, ao defender o método Paulo Freire de alfabetização, em que a conscientização dos problemas do cotidiano e o conhecimento crítico da realidade interferem no processo ensino-aprendizado. “É preciso politizar esse processo para que o aluno saiba a sua condição atual e para onde está indo com o estudo. Isso é tornar a alfabetização política e não partidária”, explicou.

PNAD – De acordo com os dados mostrados pelo secretário, a média de idade do analfabeto brasileiro é de 54 anos. Dentre a população do campo com 15 anos ou mais, 23,7% não sabe ler ou escrever, contra 7,6% nas cidades. Os brancos analfabetos com 15 anos ou mais somam 6,1%. A taxa aumenta entre os negros: 14%.

Programa Brasil Alfabetizado - Criado em 2003, o programa busca oferecer oportunidades de alfabetização a todos os jovens e adultos (a partir dos 15 anos) que não tiveram acesso ou permanência assegurados na educação fundamental. O Brasil Alfabetizado funciona em sistema de parcerias com estados e municípios. Cabe aos parceiros formar os alfabetizadores, reunir os alunos e oferecer infra-estrutura, entre outras incumbências. O Ministério da Educação apóia a alfabetização com recursos técnicos e financeiros – entre R$400 e R$500 milhões por ano, de acordo com André Lázaro. Desse total, 60% devem ser destinados à formação dos alfabetizadores.

Maria Clara Machado
X
Fim do conteúdo da página