Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Ações, programas e projetos
Início do conteúdo da página
Relações internacionais

Brasileiros ministram cursos em escolas agrícolas timorenses

  • Sexta-feira, 14 de agosto de 2009, 11h42
  • Última atualização em Segunda-feira, 17 de agosto de 2009, 16h04

Está em fase final o projeto de apoio e fortalecimento das escolas agrícolas do Timor Leste. Este mês, professores do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará ministram os últimos módulos dos cursos de agricultura e zootecnia a professores daquele país do sudeste da Ásia, ex-colônia portuguesa. O projeto é desenvolvido pelo Ministério da Educação, com o apoio da Agência Brasileira de Cooperação do Ministério das Relações Exteriores.


Até agora, foram capacitados 81 professores timorenses das escolas agrícolas de Maliana, Natarbora e Fuiloro. Ao regressarem da missão no Timor, os professores brasileiros encaminharão àquelas escolas o material didático e a estrutura curricular referentes aos cursos.


Integrante da missão brasileira no Timor Leste, o professor Antônio Nustenil, doutor em agronomia e em engenharia agrícola, considerou produtivos os resultados do projeto, especialmente pela receptividade dos alunos. Durante os cursos foram repassadas técnicas de cultivo de hortaliças, de culturas temporárias e de fruticultura. Segundo Nustenil, no Timor Leste ainda são usadas práticas rudimentares de cultivo.


Outro integrante da missão, o professor de zootecnia Expedito Danusio de Souza  repassou aos profissionais timorenses técnicas sobre criação e manejo de animais nas áreas de avicultura, piscicultura, apicultura, cunicultura, ovinocultura, suinocultura, bovinocultura de leite e de corte e bubalinocultura. “Conseguimos transmitir técnicas de manejo geral das espécies e mostrar aos timorenses que em seu país é possível produzir em escala comercial o produto oriundo das espécies de interesse zootécnico, exploradas de acordo com as características de cada região”, disse Souza.

Ana Júlia Silva de Souza

X
Fim do conteúdo da página