Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Guia do livro didático está na internet
Início do conteúdo da página
Troféu Raça Negra

Mercadante entrega em São Paulo prêmio que homenageia Nobel de Literatura nigeriano

  • Segunda-feira, 16 de novembro de 2015, 16h20
  • Última atualização em Segunda-feira, 16 de novembro de 2015, 16h31

Para Mercadante, Soyinka é alguém que “sempre lutou por uma sociedade plural e livre” (Foto: Rúbia Baptista/MEC) O ministro da Educação, Aloizio Mercadante, entregou neste domingo, 15, em São Paulo, o Troféu Raça Negra ao escritor nigeriano Wole Soyinka, de 86 anos, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 1986. O prêmio é uma iniciativa da Sociedade Afro-brasileira de Desenvolvimento Sociocultural (Afrobras) e da Universidade Zumbi dos Palmares, que homenageia personalidades negras e não negras que trabalham pela inclusão do negro na sociedade, e está em sua 13ª edição.

Ao entregar o prêmio, o ministro apresentou Soyinka como sendo “alguém que nunca se curvou ao autoritarismo e a intolerância e sempre lutou por uma sociedade plural e livre”. Outro homenageado deste ano foi o cantor e compositor Martinho da Vila.

Sobre o Troféu Raça Negra, o ministro lembrou a participação da população negra em importantes programas de acesso ao ensino superior. “No ProUni [Programa Universidade para Todos], 52,1% de bolsas são ocupadas por negros e no Fies [Fundo de Financiamento Estudantil], 50,07% dos contratos de financiamento são firmados por estudantes negros”. E finalizou afirmando que “o Troféu Raça Negra deve ser entregue a milhões de jovens da periferia que hoje estão entrando na universidade e vão mudar a realidade deste país”.

O Troféu Raça Negra faz parte das comemorações da Semana da Consciência Negra 2015, e marca, também, o encerramento da terceira edição da Festa do Conhecimento, Literatura e Cultura Negra (Flinksampa). A Flinksampa é idealizada e organizada pela Universidade Zumbi dos Palmares e pela Afrobras. A Flinksampa chega à sua terceira edição sob o lema “Eu quero respirar!”. A frase é uma referência ao direito de existir, de ser negro, de se ver espelhado na sociedade e de contar, de fato, com todos os direitos humanos estabelecidos.

Assessoria de Comunicação Social

X
Fim do conteúdo da página