Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Projeto convida escolas a debater valores humanos
Início do conteúdo da página
Fundação

Comemorações pelos 70 anos da Fundaj têm início neste sábado

  • Sexta-feira, 20 de julho de 2018, 19h36
  • Última atualização em Sexta-feira, 20 de julho de 2018, 20h11

Obra que compõe a coleção Wilson Carneiro da Cunha, parte de uma das exposições de comemoração dos 70 anos da Fundaj (Foto: Arquivo Fundaj)

Recife, 20/07/2018 – A Fundação Joaquim Nabuco (Fundaj), vinculada ao Ministério da Educação, vai iniciar o período de comemorações pelos seus 70 anos de existência. O Museu do Homem do Nordeste (Muhne), órgão ligado à própria fundação, também será homenageado pelos 40 anos de atuação.

As solenidades começam neste sábado, 21, no bairro de Casa Forte, na zona norte do Recife, onde está sediada a Fundaj, e se estenderão por uma semana. Diversas atividades fazem parte da programação especial, como a exibição do filme Veneza Americana, com raros registros do Recife feitos na década de 1920; uma visita do bisneto de Joaquim Nabuco, Pedro Nabuco, que repassará à instituição o restante do acervo do abolicionista; além de mostras e exposições.

“A Fundaj tem muito a contribuir para a sociedade. É necessário que a gente entregue um ano de comemoração para mostrar o que o Muhne e o cinema têm, o que a Editora Massangana, os funcionários e pesquisadores oferecem”, afirma a presidente da Fundaj, Ivete Lacerda.

Cinema – No sábado, o Cinema do Museu, localizado no campus Gilberto Freyre, exibe o documentário Veneza Americana a partir das 16h. Assinado pelos produtores italianos Ugo Falangola e Jota Cambieri, o longa-metragem mostra as modernizações feitas durante o governo Sérgio Loreto (1922-1926). O filme terá audiodescrição e música ao vivo com Alex Mono, cantor, compositor e produtor cultural.

No mesmo dia, o Museu do Homem do Nordeste inaugura, na Sala Mauro Mota, no mesmo campus, às 17h30, a exposição “Um real, um real, um real”. O título é baseado em expressão utilizada por trabalhadores informais. A proposta é exibir objetos antigos e atuais ligados à atividade ambulante e fotografias das décadas de 1960, 1970 e dos dias atuais, simbolizando a importância da economia informal para o Nordeste.

Acervo – Outra atividade na programação será o lançamento das marcas Fundaj 70 anos e Museu do Homem do Nordeste 40 anos, que serão apresentadas na terça-feira, 24, em solenidade na Sala Gilberto Freyre, campus Casa Forte, a partir das 9h. A cerimônia terá a presença do bisneto do abolicionista Joaquim Nabuco, Pedro Nabuco.

Pedro repassará à Fundaj o restante do acervo do bisavô, composto de fotografias, cartões-postais, manuscritos originais, documentos e diários. Do material a ser doado, consta um diário escrito em 1888, ano da abolição da escravatura. “Sou muito amigo da fundação e do Recife. Vim algumas vezes e é sempre uma alegria retornar”, afirmou, ao ressaltar que doar o acervo é como “jogar uma garrafa ao mar”, dando a oportunidade dele ser estudado e preservado como deve.

Com a aquisição dos documentos, a Fundaj completará o acervo, que está sob a sua posse desde 1974. Rita de Cássia Barbosa, historiadora do Centro de Documentação e de Estudos da História Brasileira (Cehibra), explica que o acervo reunido cria melhores condições para avaliar a construção da figura do abolicionista. “Vamos ter documentos da completa atuação não só da família Nabuco e sua ancestralidade política, como da memória pessoal de Joaquim Nabuco, tudo reunido no mesmo lugar”, disse.

O Cehibra também planejou atividades para a comemoração de 70 anos da Fundaj, com datas a serem definidas, a começar das exposições Cidades Mutantes, sobre educação, cultura e cidade, realizadas virtual e materialmente. Além disso, há o projeto Fios da Memória, uma parceria entre o Cehibra e a Editora Massangana, de produção e edição de livros sobre os arquivos e coleções do acervo do centro.

Reconhecimento - Ainda na terça-feira, 24, haverá a entrega de diploma de pesquisador emérito a Hélio Moura e Clóvis Cavalcanti, ambos da Fundaj, na Sala do Conselho Deliberativo, no campus Gilberto Freyre. O título é concedido a pesquisadores de formação completa com valiosa contribuição acadêmica e técnica em suas áreas de atuação. Além disso, será entregue outorga aos servidores mais antigos da casa ainda na ativa: Isaura de Albuquerque Cesar, da Diretoria de Pesquisas Sociais (Dipes), e Manoel Soares de Sousa, do departamento de Recursos Humanos. À tarde, ocorre a Mostra Exposição, na Sala de Leitura.

No mesmo dia, às 15h, no campus Ulysses Pernambucano, no bairro do Derby, será aberta a mostra de publicações sobre a Fundaj e seu acervo ao longo dos 70 anos. “Procuramos publicações raras, que foram importantes para a instituição. Também vamos expor catálogos de exposições realizadas nas datas de aniversários da fundação até os dias atuais”, esclarece Betty Lacerda, coordenadora do Cehibra. 

A Coordenação de Artes da Fundaj (Coart) vai exibir trabalhos pertencentes à coleção de videoarte da casa, formada por mais de 150 títulos nacionais e internacionais. Os vídeos serão exibidos em monitores colocados em alguns pontos no campus Ulysses Pernambucano. “Desde 2000, temos desenvolvido uma série de ações voltadas à promoção, reflexão e criação no âmbito da produção de vídeos e filmes de artistas. Esse compromisso teve início com a aquisição de um conjunto de mais de cem trabalhos dos pioneiros da videoarte em partes diversas do mundo”, detalha Moacir dos Anjos, pesquisador e curador da Fundaj.

Atividades - A preocupação com o meio ambiente também será abordada na programação. Resultado de uma extensa pesquisa conduzida de 2013 a 2017 pela fundação e pela Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), o Atlas das Caatingas será lançado no dia 31, durante o Seminário Embrapa Semiárido, em Petrolina, no Sertão do São Francisco.

O livro contém vários mapas, imagens de satélite, fotografias e levantamentos florísticos das áreas de conservação pesquisadas na caatinga. A publicação bilíngue é inédita no Brasil.

Já a Editora Massangana lança no segundo semestre da Gincana Literária jogos pedagógicos com a participação de alunos do ensino médio de escolas públicas de quatro municípios de diferentes regiões do estado de Pernambuco. No mês de agosto haverá lançamentos de livros como Os Afro-Brasileiros e Anais do 3º Congresso Afro-Brasileiro realizado pela Fundaj. “É um importante registro das discussões em 1982, com nacionais e estrangeiros no campo dos estudos sobre o negro no Brasil”, explica Tonico Magalhães, coordenador-geral da Editora Massangana.

No mês de setembro, a Escola de Inovação e Políticas Públicas (Eipp) da Fundaj realiza o Seminário de Justiça Restaurativa, com três assuntos: educação, segurança pública e justiça restaurativa. Em outubro, será lançado o livro Ecos de Clarice, da escritora Márcia Basto. A obra é baseada nas andanças do jornalista Bruno Albertim por terras nordestinas, por meio do trabalho Nordeste, identidade comestível.

Museu – As comemorações dos 40 anos do Museu do Homem do Nordeste são temáticas. Na exposição sobre as quatro décadas, haverá 40 peças e, até o final do ano, será publicado o livro Muhne 40 peças.

O museu vai instituir a Medalha Muhne 40 Anos e, até 21 de julho de 2019, se prepara para executar um seminário internacional, concluir o Plano Museológico e realizar a exposição itinerante Nordestes Emergentes. “Vamos nacionalizar o Museu do Homem do Nordeste”, adianta Frederico Almeida, coordenador do Muhne.

Assessoria de Comunicação Social

Assunto(s): comemoração , Fundaj , Muhne
X
Fim do conteúdo da página