Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
Artes

Teatro e altas habilidades têm parceria bem-sucedida no DF

  • Segunda-feira, 15 de dezembro de 2014, 14h10

A Cia. de Teatro Língua de Trapo monta espetáculos que exploram os diversos elementos das artes cênicas, como cenário, figurino, iluminação, sonoplastia e maquiagem (foto: altashabilidadesplan.blogspot.com)Professora da rede de ensino do Distrito Federal há 25 anos, Isabel Cavalcante trabalha com o teatro em sala de aula desde 1996, quando passou a desenvolver o projeto Integrar–Artes Cênicas e Artes Visuais, em parceria com a professora Rejane Araújo, da área de artes visuais, no Centro de Ensino Fundamental 4, em Planaltina. Em 2005, na mesma instituição, ela passou a trabalhar com alunos de altas habilidades.

“O que mais me encanta, além do talento dos alunos, é o envolvimento”, ressalta. “Todos estão ali porque querem estar e trabalham com uma felicidade contagiante; a participação ativa do aluno e de sua família é marcante e faz toda a diferença.”

A maior satisfação de Isabel é realizar, com os alunos, todos os projetos sonhados. “Ver o quanto isso os deixa felizes, faz bem a eles, melhora a autoestima e os torna seres humanos melhores, mais expressivos, mais confiantes, com mais objetivos na vida, tudo isso é a minha realização e a minha felicidade”, destaca.

Atriz por mais de 20 anos, ela diz não ter mais tempo para atuar, em razão das atividades que desenvolve com o teatro em sala de aula. “De vez em quando, eu me visto com os meus personagens e conto histórias para matar um pouco a saudade”, revela.

Em parceria com a escola, com a comunidade e com as famílias dos alunos, Isabel construiu uma sala na instituição e formou, em 2004, a Cia. de Teatro Língua de Trapo. “Lá, atendo alunos originários de qualquer escola da cidade e de fora”, diz. “Atualmente, atendo 38 alunos de 12 escolas diferentes das zonas urbana e rural de Planaltina e tenho uma lista de espera de 116 estudantes.”

Os alunos são atendidos duas vezes por semana, no horário inverso ao das aulas. “Trabalhamos tudo o que envolve o teatro”, garante. “Fazemos toda a preparação corporal do aluno, liberação de movimentos, expressão corporal, facial, voz; montamos cenas de teatro mudo; trabalhamos com a arte de contar histórias.”

No projeto Integrar–Artes Cênicas e Artes Visuais o aluno passa por todas as etapas que envolvem a atuação, como preparação corporal, liberação de movimentos, expressão corporal, facial e voz (foto: arquivo da Cia. de Teatro Língua de Trapo)Segundo a professora, são montados grandes espetáculos, que exploram todos os elementos do teatro — cenário, figurino, iluminação, sonoplastia, maquiagem. “O aluno é trabalhado em sua totalidade, e isso tem um reflexo extremamente positivo em sua vida familiar, escolar e social”, destaca Isabel, que tem licenciatura plena em artes cênicas pela Faculdade Dulcina de Moraes e pós-graduação na área de inclusão social pela Universidade de Brasília (UnB).

Os espetáculos dirigidos por Isabel Cavalcante chegam, hoje, a vários locais, dentro e fora de Brasília. Em 2012, a Cia. Língua de Trapo abriu a 11ª Edição do Festival de Teatro na Escola da Fundação Athos Bulcão, com o espetáculo O Auto da Compadecida, e foi selecionada pelo programa Mais Cultura–Microprojetos Bacias do São Francisco, com o espetáculo O Caminho das Águas. Em 2013, o grupo foi um dos 15 selecionados no país para o Festival Estudantil de Teatro (Feto), em Belo Horizonte, onde apresentou o espetáculo O Bem-Amado, de Dias Gomes.

Sempre que surge uma oportunidade, Isabel encaminha os alunos para testes. “Já tivemos um aluno selecionado para o filme A Arte de Andar pelas Ruas de Brasília, que participou do Festival de Cinema de Brasília”, afirma. “Já temos três ex-alunos formados em artes cênicas e outros quatro cursando, e já fomos selecionados para alguns festivais e matérias em emissoras de televisão.”

Fátima Schenini

Saiba mais no Jornal do Professor

X
Fim do conteúdo da página