Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Chuvas no Nordeste provocam adiamento da escolha das obras

    As chuvas que castigaram o Nordeste em junho levaram o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) a prorrogar o prazo para a escolha, pelas escolas públicas, das obras do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Agora, professores e diretores têm até o dia 8 para indicar os livros que serão usados nos próximos três anos pelos estudantes do sexto ao nono ano do ensino fundamental.

    Em função das chuvas, muitas escolas não receberam as senhas de acesso ao sistema de escolha, enviadas pelos Correios. “Em Alagoas, por exemplo, grande parte da correspondência com as senhas acabou molhada, o que inviabilizou o uso”, disse a coordenadora geral dos programas do livro do FNDE, Sonia Schwartz.

    Com as novas senhas já encaminhadas, a extensão do prazo será suficiente para que os professores façam a indicação dos livros com os quais pretendem trabalhar de 2011 a 2013.

    Até o momento, 44% das instituições de ensino fizeram a escolha. Os professores devem registrar a opção no Sistema de Controle de Material Didático (Simad), na página eletrônica do FNDE. Ali, também encontrarão orientações para o correto preenchimento dos dados.

    Nesta edição do PNLD, serão beneficiados os estudantes do sexto ao nono ano do ensino fundamental. Eles receberão livros de português, matemática, história, geografia, ciências e língua estrangeira — inglês ou espanhol.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Escolha dos livros aprovados pelo PNLD 2018 começa dia 21

     O MEC publicou, no Diário Oficial da União desta quarta-feira, 2, o resultado final do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) 2018. Ao todo, 97 coleções foram aprovadas por professores, coordenadores pedagógicos e diretores de escolas públicas de todo o país.

    As escolas terão duas semanas para avaliar o material aprovado nas diferentes disciplinas e escolher as coleções que mais se adaptam ao seu contexto. “Voltado ao ensino médio, o PNLD 2018 avaliou 166 coleções de 12 componentes curriculares diferentes”, informa a coordenadora-feral de Materiais Didáticos da Secretaria de Educação Básica (SEB), Tassiana Cunha Carvalho. “As obras serão disponibilizadas para consulta e para a escolha das escolas a partir do próximo dia 21. ”

    A avaliação foi feita por meio de uma parceria entre o MEC e 11 universidades. Com exceção de uma instituição, que ficou responsável por dois componentes, as demais avaliaram, uma disciplina cada. Este ano, foram aprovadas 58% das coleções. Das 72 obras reprovadas, 22 foram objeto de recursos e três tiveram seus resultados revertidos.

    A distribuição dos livros se dará em conjunto pelo MEC, as editoras das obras e os Correios. Segundo Tassiana Carvalho, o material vai chegar às escolas no começo do ano letivo de 2018, devendo as obras escolhidas serem distribuídas entre janeiro e fevereiro.

    Acesso – O material selecionado estará disponível no Guia Digital PNLD 2018 e nos portais do MEC e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Em 2018, os professores e diretores terão acesso ao conteúdo de todas as obras aprovadas por meio desse guia. Diretores e secretarias de educação de todo o país receberão uma chave de acesso para cada escola e, durante o período de escolha, os envolvidos poderão analisar, na íntegra, o conteúdo da obra. “A medida democratiza o acesso às opções disponíveis e qualifica o processo de escolha a partir do contato com o livro”, avalia Tassiana Cunha Carvalho.

    Programa – O PNLD distribui, em todas as escolas públicas da educação básica, livros didáticos e acervos de obras literárias, obras complementares e dicionários para uso do professor e do aluno em sala de aula. A cada ano, o programa atende a uma parte da educação básica: educação infantil, anos iniciais e anos finais do ensino fundamental e ensino médio. A cada três ou quatro anos, governo federal repõe as obras faltantes nas escolas, renovando todo o conjunto dos livros, de forma a atualizar os conteúdos.

    A partir de 2019, os livros dos anos iniciais serão consumíveis, ou seja, todos os volumes do primeiro ao quinto ano passarão a ser do aluno, que não precisa devolvê-los no fim do ano letivo. A mudança permitirá a melhora do processo de avaliação durante a execução do programa.

    Projetos – Outro avanço é que os professores da educação infantil e de educação física passarão a compor o PNLD, recebendo livros pela primeira vez. Também serão criados livros de projetos integradores para auxiliar os professores e alunos a trabalharem os componentes curriculares de forma integrada.

    Além de prover as escolas públicas com livros didáticos e acervos de obras literárias, obras complementares e dicionários para as escolas públicas de educação básica das redes de ensino federal, estaduais, municipais e do Distrito Federal, o novo PNLD também distribuirá softwares e jogos educacionais, bem como outros materiais de apoio à prática pedagógica.

    De 2019 em diante, o programa será executado em ciclos de quatro anos e não mais de três. Com isso, do ponto de vista orçamentário, a escala da compra por um período maior oferece mais economia. A reposição para um ciclo maior está sendo estudada pelo MEC junto ao Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).

    Mais informações estão disponíveis no portal do MEC.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Investidos R$ 880,2 milhões em 135,6 milhões de exemplares

    Cada livro deve ser usado por três anos consecutivos, pois será reaproveitado por outros estudantes nos períodos letivos seguintes (Foto: Wanderley Pessoa)Com recursos de R$ 880,2 milhões, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) fez a aquisição de 135,6 milhões de exemplares de livros didáticos a serem usados por estudantes da educação básica pública a partir de 2011. Num investimento de R$ 151,4 milhões do FNDE, as obras serão distribuídas pelos Correios a todas as escolas do país entre outubro e janeiro.

    “Esses números expressam a importância do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) para a educação no país”, disse nesta quinta-feira, 2, o diretor de ações educacionais do FNDE, Rafael Torino. Segundo ele, as negociações com as 21 editoras que tiveram livros escolhidos pelas escolas foram fundamentais para se chegar ao valor médio de R$ 6,49 por exemplar. “Com as grandes quantidades envolvidas, conseguimos reduzir o preço final”, afirmou.

    A maior parte das obras destina-se aos estudantes dos anos finais do ensino fundamental (sexto ao nono ano). Eles receberão livros novos de português, matemática, história, geografia, ciências e língua estrangeira (inglês ou espanhol). Os do primeiro ao quinto ano contarão com títulos de reposição.

    Ao todo, o ensino fundamental terá 118,4 milhões de exemplares, no valor de R$ 700 milhões. O ensino médio vai receber 17 milhões de livros para reposição, em um investimento de R$ 180 milhões. Foram adquiridos 1.846 títulos diferentes para todo o país.

    Cada livro do PNLD deve ser usado por três anos consecutivos — será reaproveitado por outros estudantes nos períodos letivos seguintes. A exceção fica para as obras de alfabetização do primeiro e do segundo anos do ensino fundamental, classificadas como consumíveis e usadas por apenas um aluno.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Prazo para escolha de livros é prorrogado para quarta, 6



    Professores, diretores e coordenadores educacionais das redes públicas de ensino que ainda não escolheram os livros didáticos a serem utilizados pelos alunos do ensino médio a partir do próximo ano letivo têm mais uma chance para fazê-lo: o prazo foi prorrogado para a próxima quarta-feira, 6. Para facilitar o processo, foi lançado o Guia de Livros Didáticos 2018, que oferece acesso à lista completa de obras sugeridas. No guia, o professor terá acesso a resenhas e informações das coleções aprovadas.

    Nesta edição do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), serão selecionadas obras destinadas a estudantes e professores do ensino médio nas áreas de arte, biologia, filosofia, física, geografia, história, língua estrangeira moderna (inglês e espanhol), língua portuguesa, matemática, química e sociologia.

    “Com esta decisão do professor, vamos fazer um cruzamento com os dados do censo e adquirir os livros das editoras para atender as escolas”, explica o coordenador-geral do PNLD, Wilson Troque. Posteriormente, informa ele, os Correios farão as entregas às escolas. Atualmente, cerca de 90% dos municípios brasileiros aderiram ao PNLD. Em 2018, o programa vai beneficiar cerca de 7 milhões de estudantes do ensino médio.

    “O programa do livro didático é altamente democrático e o maior do mundo, pois permite ao professor escolher os livros mais adequados à realidade da sua escola e à sua proposta didática”, avalia Troque. Ele ressalta, no entanto, a necessidade de o educador observar a imparcialidade no momento da escolha, assim como procurar fazê-la “em comum acordo com os colegas”.

    O registro da escolha deverá ser feito pelo diretor da instituição de ensino no Sistema PDDE Interativo. Caso algum diretor não tenha acesso ao sistema, deve entrar em contato com a secretaria de educação do seu estado e solicitá-lo. Como regra básica, devem ser selecionadas duas opções de coleções de cada componente curricular, de editoras diferentes. Caso não seja possível a aquisição dos livros da primeira opção, serão negociadas as obras da segunda opção.

    Acesse o Guia de Livros Didáticos e o Sistema PDDE Interativo.  

    Assessoria de Comunicação Social

  • Acervo de literatura chegará a 85,2 mil unidades de ensino

    O PNBE surgiu para oferecer literatura de qualidade aos estudantes brasileiros e estimular a leitura nas escolas (foto: Fabiana Carvalho/arquivo MEC – 16-4-2012)Portaria da Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação, publicada na segunda-feira, 29, divulga o acervo de 360 obras literárias selecionadas para o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) para 2013. Os livros serão distribuídos a 85,2 mil unidades de ensino públicas federais e das redes de ensino municipais, estaduais e do Distrito Federal. O PNBE de 2013 atenderá 12,3 milhões de alunos do ensino fundamental e 7,4 milhões do ensino médio.

    Do total de instituições atendidas, 50,5 mil oferecem matrículas a estudantes dos anos finais (sexto ao nono) do ensino fundamental e 34,7 mil a alunos do ensino médio. Serão distribuídos seis acervos distintos, com 60 títulos cada um — 180 títulos no total para os anos finais do ensino fundamental e a mesma quantidade para o ensino médio.

    Segundo o secretário de educação básica do MEC, Cesar Callegari, o objetivo do programa é oferecer literatura de qualidade aos estudantes brasileiros e, com isso, fomentar a leitura nas escolas. Ele reconhece, porém, a necessidade de fortalecer alguns pontos. “Nosso grande desafio é capacitar professores para que eles possam fazer esse trabalho de mediação com os alunos”, disse. “A ideia é que eles conheçam o teor dos livros e possam usá-los adequadamente, apropriando-se do conteúdo e incentivando os alunos e seus familiares a ler.”

     

    Para o PNBE de 2013, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) prevê orçamento de R$ 75 milhões para aquisição e distribuição das obras. Durante a realização do processo de avaliação, seleção e formação dos acervos, o MEC estabeleceu parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

     

    Incentivo — Desenvolvido desde 1997, o PNBE promove o acesso à cultura e o incentivo à leitura a alunos e professores por meio da distribuição de acervos de obras de literatura, de pesquisa e de referência. O programa avalia e distribui obras literárias em prosa (novelas, contos, crônica, memórias, biografias e teatro), verso (poemas, cantigas), livros de imagens e de história em quadrinhos. Distribui ainda periódicos de conteúdo didático e metodológico para escolas da educação infantil, ensino fundamental e médio. Conta ainda com o PNBE do Professor, que apoia a prática pedagógica dos docentes da educação básica e da educação de jovens e adultos a partir da avaliação e distribuição de obras de cunho teórico e metodológico.

     

    O acervo do PNBE para 2013, consta da Portaria SEB nº 27, do dia 25 último, publicada no Diário Oficial da União de segunda-feira, 29, seção 1, páginas 17 a 19.

     

    Paula Filizola

     

    Matéria republicada com alteração de informações

     

     

     

     

  • Acervos Complementares

    As obras complementares para os anos iniciais do ensino fundamental têm como objetivo ampliar o universo de referências culturais dos alunos nas diferentes áreas do conhecimento e, ao mesmo tempo, contribuir para ampliar e aprofundar as práticas de letramento no âmbito da escola.

    Essas obras configuram-se como instrumento eficaz de apoio ao processo de alfabetização e formação do leitor, ao ensino-aprendizagem de conteúdos curriculares e ao acesso do aluno ao mundo da escrita e à cultura letrada.

    Foram distribuídos cinco acervos distintos (com 30 títulos diferentes) e um manual, destinados às salas de aula dos 1º e 2º anos do ensino fundamental. Todas as escolas públicas cadastradas no censo escolar receberam esses acervos.

    As obras complementares ao PNLD 2013 são destinadas aos 1º, 2º e 3º anos do ensino fundamental.







                                        Secretaria de Educação Básica
  • Adesão a programa do livro didático será encerrada dia 18

    Vence na próxima quarta-feira, 18, o prazo para que os gestores das secretarias municipais de educação façam a adesão ao Programa Nacional do Livro Didático para Jovens e Adultos (PNLD-EJA) 2013-2014. A adesão é requisito para que o município possa escolher os livros didáticos no próximo ano. Serão contempladas todas as séries da educação de jovens e adultos – das classes de alfabetização ao ensino médio.

    Dados da diretoria de políticas de alfabetização e educação de jovens e adultos da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (Secadi), desta sexta-feira, 13, mostram que, enquanto 100% dos municípios do Ceará já aderiram ao programa, secretarias de educação de Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo não atingiram nem 50% de suas redes. A adesão é ainda menor em municípios de Goiás, Mato Grosso, Bahia e Maranhão, segundo a Secadi.

    A adesão garante ao gestor senha específica emitida pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), que dá acesso à escolha dos livros. Ao fazer a adesão, o gestor deve informar: nome do dirigente municipal que escolherá as obras didáticas, CPF, RG, telefone de contato e e-mail. A informação da senha será comunicada pelo e-mail informado.

    Livros– Em 2014, o FNDE, autarquia responsável pelo Programa Nacional do Livro Didático, distribuirá livros para todos os estudantes matriculados na educação de jovens e adultos – classes de alfabetização, anos iniciais e anos finais do ensino fundamental, e ensino médio. Em janeiro, as secretarias terão acesso ao Guia do Livro Didático, que é um instrumento que orienta a escolha das obras, com indicações e resenhas dos livros aprovados pelo MEC.

    Vinte editoras cadastraram obras para o programa do livro dirigido a jovens e adultos. O PNLD-EJA 2013-2014 contempla também obras regionais das diversas áreas do conhecimento.

    Ionice Lorenzoni

    Acesse o portal do PNLD para fazer a adesão
  • Avaliação pedagógica recebe candidaturas até 29 de junho

    A avaliação pedagógica abrangerá os livros didáticos inscritos no PNLD do ensino médio para 2018 (arte: ACS/MEC)Estão abertas as inscrições para as universidades públicas interessadas em participar da avaliação pedagógica de livros didáticos inscritos no Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) do ensino médio para 2018. O prazo se encerra em 29 de junho próximo. Este ano, por determinação da Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação, estabelecida em edital, as instituições vão manter o direito de inscrição em mais de um componente curricular, mas só participarão da avaliação de um item.

    Serão selecionadas até 13 instituições para coordenar a avalição dos livros de artes, biologia, filosofia, física, geografia, história, português, matemática, química e sociologia. A avaliação pedagógica das línguas estrangeiras — inglês e espanhol — será realizada separadamente por diferentes instituições. Uma análise plural de diferentes concepções pedagógicas também terá prioridade na seleção dos projetos. A novidade visa a estimular a instituição, durante a análise, a levar em conta metodologias diferentes daquelas com as quais costuma trabalhar.

    Outra novidade está relacionada ao Guia Do Livro Didático. A publicação, que contém resenhas e informações sobre cada uma das obras didáticas aprovadas pelo PNLD, será elaborada por apenas uma universidade. Nos anos anteriores, o guia contava com a participação de todas as instituições envolvidas na avaliação pedagógica.

    Para participar da avaliação, as instituições devem enviar a proposta para o endereço eletrônico O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. e encaminhar, pelos Correios, toda a documentação impressa, em papel timbrado e rubricada pelo dirigente máximo da instituição, ao Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Coordenação-Geral de Materiais Didáticos, Esplanada dos Ministérios, bloco L, anexo II, sala 412 – CEP 70047-900, Brasília, Distrito Federal.

    Avaliadores — O edital da SEB também inclui mudanças na distribuição de recursos e na composição das equipes que vão avaliar os livros. Dentro do limite do custo-volume, a universidade é livre para alocar os recursos, obedecidas as condições de montagem das equipes — coordenações pedagógicas e institucionais e análise da obra por dois avaliadores para garantir a imparcialidade da avaliação. Um desses avaliadores deve ser indicado pela instituição; o outro, escolhido por sorteio entre os profissionais cadastrados no banco de avaliadores das instituições de educação superior.

    Para o cadastramento no banco de avaliadores é necessário informar dados gerais, formação acadêmica, experiência profissional e eventual atividade de docência. O cadastro estará aberto até o dia 23 próximo para os processos de avaliação do exercício de 2016. 

    O Edital da SEB nº 42/2016, com a chamada pública para candidaturas de instituições públicas de educação superior brasileiras interessadas na avaliação pedagógica das obras didáticas destinadas aos alunos e professores do ensino médio para 2018, foi publicado no Diário Oficial da União do dia 22 último.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Bibliotecas de escolas públicas recebem 10 milhões de livros

    Clássicos nacionais e internacionais da literatura, obras campeãs de vendas e até histórias em quadrinhos começam a ser enviados, esta semana, a escolas públicas de todo o país. A distribuição dos títulos faz parte do Programa Nacional Biblioteca da Escola.

    Este ano, todas as escolas da rede pública que oferecem o ensino médio ou os anos finais do ensino fundamental (sexto ao nono ano) receberão os acervos. No total, são 10,39 milhões de exemplares para mais de 20 milhões de alunos de 52 mil escolas. “Até o fim de julho, todas as escolas terão recebido os acervos”, afirma a coordenadora de produção e distribuição do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Rosália de Castro. Segundo ela, os primeiros livros devem chegar às escolas ainda este mês.

    O acervo inclui Cem Anos de Solidão, de Gabriel Garcia Márquez, quadrinhos de Henfil e Ziraldo entre outros. (Foto: João Bittar)Entre as obras estão clássicos como Tia Júlia e o Escrivinhador, de Mário Vargas Llosa; Agosto, de Rubem Fonseca; O Alienista, de Machado de Assis; Cem Anos de Solidão, de Gabriel Garcia Márquez; Anarquistas, Graças a Deus, de Zélia Gattai, e Crime e Castigo, de Fiodor Dostoievski. Entre os mais vendidos estão A Menina que Roubava Livros, de Marcus Suzak; Marley e Eu, de John Grogan; O Menino do Pijama Listrado, de John Boyne, e O Senhor dos Anéis, de J.R.R. Tolkien. O acervo inclui ainda quadrinhos de Henfil e Ziraldo e do célebre personagem Asterix, o gaulês, de René Goscinny e Albert Uderzo.

    A distribuição dos acervos segue os critérios definidos para o livro didático do ensino médio e fundamental. Ou seja, escolas com até 250 alunos receberão um acervo; com 251 a 500, dois; com mais de 500, três. Cada acervo do ensino fundamental tem, em média, 95 livros; no ensino médio, 91.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Ceará lidera concurso para seleção dos livros 2010 a 2012

    Nos primeiros oito dias de escolha do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), mais de 10% das escolas de ensino fundamental do Ceará já registraram a opção dos livros que irão usar de 2010 a 2012. Com esse resultado parcial, o estado assume a liderança do Escolha Premiada, concurso criado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para incentivar a rapidez na escolha das obras que serão distribuídas a alunos do 1º ao 5º ano da rede pública. O prazo para professores e diretores das mais de 122 mil escolas de ensino fundamental selecionarem as obras didáticas vai até o dia 28 deste mês.

    Mobilização estadual– A posição do estado cearense na classificação do concurso revela o trabalho de mobilização realizado pela Secretaria de Educação (Seduc-CE) que organizou, em maio, um encontro específico sobre a escolha dos livros didáticos com todas as secretarias municipais de educação. “Estamos unidos para vencer o concurso e contribuir para uma escolha acertada para nossos alunos”, afirma a coordenadora dos programas do livro da Seduc-CE, Fádua Maria Skeff Miranda.

    As palavras da coordenadora são confirmadas pelo desempenho dos cinco municípios mais bem colocados no estado, todos com a marca de 100% dos colégios com a escolha registrada. Na cidade de Tauá, por exemplo, as 114 escolas municipais já efetuaram sua opção.

    Guia – A escolha ocorre exclusivamente pelo sítio do FNDE. Como orientação aos professores e diretores, o FNDE, em parceria com a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, elaborou o Guia do PNLD 2010, com um resumo de todos os livros didáticos ofertados. Enviado em versão impressa para as escolas de ensino fundamental, o guia também pode ser consultado na primeira página do FNDE na internet, em Destaques. No mesmo local há, ainda, informações sobre como navegar no sistema, cuidados com a senha e com o código de segurança e as normas de conduta a serem seguidas pelas editoras e escolas durante o período da escolha.

    Premiação – Dividido em quatro categorias, o concurso Escolha Premiada vai reconhecer as quatro secretarias estaduais e as 12 secretarias municipais de educação com maior participação no registro da escolha. Também receberão prêmios as três escolas de cada município vencedor que mais rapidamente registrarem sua opção. No total, serão distribuídos 52 acervos completos do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), com 559 obras cada, totalizando cerca de 30 mil livros.

    Participarão do concurso apenas as escolas que optarem nas duas primeiras semanas da escolha, ou seja, de 8 a 21 de junho. Neste período, relatórios diários com a classificação de estados e municípios mais bem colocados em cada categoria serão divulgados no sítio do FNDE.

    Saiba quais são os livros que compõem cada prêmio no Acervo completo do PNBE

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Ceará, Bahia, Paraná e DF lideram o Escolha Premiada

    Terminado o prazo de participação do Escolha Premiada, os estados do Ceará, Bahia, Paraná e o Distrito Federal estão na liderança do concurso. Instituído pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para incentivar a rapidez na seleção dos livros didáticos que serão usados por alunos do 1º ao 5º ano da rede pública nos próximos três anos – de 2010 a 2012 –, o concurso estimulou mais de 27 mil colégios públicos de ensino fundamental a fazer suas opções nas duas primeiras semanas. O prazo final para a escolha é o dia 28 de junho.


    Pelo regulamento do concurso, serão excluídas da disputa as escolas que alterarem o registro de obras selecionadas a partir do dia 22. Por esta razão, o resultado só será conhecido em 10 de julho, no término do período da escolha.


    Prêmio – Dividido em quatro categorias – segundo a quantidade de escolas no estado e sua distribuição em áreas rurais e urbanas –, o concurso irá premiar as secretarias estaduais de educação com maior número de escolhas nas duas primeiras semanas do período. Também serão contempladas as três secretarias municipais de cada estado vencedor com maior índice de participação e os três colégios de cada um desses municípios que apresentaram maior rapidez na opção (conheça o resultado parcial).


    O prêmio será entregue até 90 dias após a divulgação do resultado final e é composto de 52 acervos completos do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), com 559 obras cada, totalizando cerca de 30 mil livros.


    Guia – Como orientação aos professores e diretores, o FNDE, em parceria com a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, elaborou o Guia do PNLD 2010, com um resumo de todos os livros didáticos ofertados. Enviado em versão impressa para as escolas de ensino fundamental, o guia também pode ser consultado na página principal do FNDE, em Destaques.


    No mesmo local encontram-se informações sobre como navegar no sistema, cuidados com a senha e com o código de segurança e as normas de conduta a serem seguidas pelas editoras e escolas durante o período da escolha.


    As escolas que não quiserem as obras do Programa Nacional do Livro Didático devem registrar essa opção no sistema. Do contrário, receberão compulsoriamente os livros mais requisitados em seu município.


    Saiba quais são os livros que compõem o prêmio.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE

  • Cem mil escolas participam da escolha das obras para 2010

    Foto: João BittarCerca de cem mil escolas públicas de ensino fundamental escolheram os livros didáticos com que irão trabalhar nos próximos três anos, de 2010 a 2012. O número representa 81% das 122 mil instituições que oferecem turmas do primeiro ao quinto ano. Quinze estados conseguiram índices acima dessa média, com destaque para o Paraná, onde 93% dos colégios fizeram a seleção.


    Pela primeira vez, a escolha dos livros didáticos do ensino fundamental foi feita exclusivamente por meio da página do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) na internet. “A participação foi recorde e esse resultado mostra o compromisso dos professores com a escolha dos melhores livros para seus alunos”, afirma Rafael Torino, diretor de ações educacionais do Fundo.


    Os colégios que não optaram vão receber as obras mais requisitadas em seu município.


    Concurso - Na próxima sexta-feira, 10, sairá o resultado do concurso Escolha Premiada. Criado para incentivar a rapidez na seleção dos livros e evitar o congestionamento do sistema na internet, o certame vai premiar as quatro secretarias de educação dos estados em que houve maior número de escolhas nas duas primeiras semanas do concurso.


    Também serão contempladas as três secretarias municipais de cada estado vencedor com maior participação na escolha e as três escolas de cada um desses municípios que apresentaram maior rapidez na opção.


    O prêmio será entregue até 90 dias após a divulgação do resultado e é composto de 52 acervos completos do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), com 559 obras cada, totalizando cerca de 30 mil livros.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE


    Acesse o Acervo completo do PNBE para conhecer os livros que compõem cada prêmio.

  • Começa a seleção de livros para alfabetização de jovens e adultos

    O processo de inscrição para avaliação e seleção de livros didáticos que serão usados na alfabetização de jovens e adultos em 2010 tem início nesta terça-feira, 7. As editoras interessadas em participar devem fazer a pré-inscrição on line de suas obras junto ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) até 22 de maio.


    O edital com as normas para a edição 2010 do Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos (PNLA) já está disponível na página eletrônica do fundo.


    O prazo para a entrega dos exemplares para avaliação vai de 8 a 10 de junho. Após a avaliação, feita pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) do Ministério da Educação, será disponibilizado um resumo dos livros selecionados às entidades parceiras do programa Brasil Alfabetizado e às redes públicas que atendam turmas de alfabetização de jovens e adultos, as quais escolherão os livros mais adequados aos seus processos pedagógicos. As obras precisam estar adaptadas às novas normas ortográficas e devem contemplar, em um único volume, as disciplinas português e matemática.


    “A aquisição centralizada de material didático pelo governo federal gerou um ganho de qualidade aos alunos do programa Brasil Alfabetizado”, afirma Rafael Torino, diretor de ações educacionais do FNDE, responsável pelos programas do livro. “Cada edição do Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos tem vigência bienal. Assim, os títulos aprovados para 2010 serão novamente adquiridos para o ano letivo de 2011”, completa.


    Em 2008, o FNDE comprou, pela primeira vez, títulos voltados exclusivamente à alfabetização de jovens e adultos, segmento que carecia de livros didáticos específicos. Na época, foi adquirido 1,7 milhão de exemplares, ao preço médio de R$ 6,88 cada um. Para 2009, o FNDE está adquirindo uma nova impressão dos títulos escolhidos em 2008.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE

  • Como é feita a distribuição dos livros do Programa Nacional do Livro Didático às escolas?

    A distribuição dos livros é feita diretamente pelas editoras às escolas, por meio de um contrato entre o FNDE e a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT). Essa etapa do PNLD conta com o acompanhamento de técnicos do FNDE e das secretarias estaduais de educação.


    Os livros chegam às escolas entre outubro e o início do ano letivo. Nas zonas rurais, as obras são entregues na sede das prefeituras ou das secretarias municipais de educação, que devem entregar os livros às escolas localizadas nessas áreas.

  • Concurso Escolha Premiada termina no próximo domingo

    A escolha dos livros didáticos que serão usados de 2010 a 2012 por alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental da rede pública vai até o dia 28 deste mês. Porém, outro prazo tem mobilizado professores e diretores responsáveis por registrar a opção das obras na página do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) na internet. O concurso Escolha Premiada distribuirá livros de literatura às secretarias estaduais e municipais de educação e também às escolas que apresentarem maior rapidez e participação na escolha até o próximo domingo, 21.

    O concurso é dividido em quatro categorias, que ordenam os 26 estados e o Distrito Federal conforme a quantidade de escolas e sua distribuição em áreas rurais e urbanas. Até o momento, lideram em suas categorias Ceará, com 32,5% de colégios com a escolha registrada, Distrito Federal (31,3%), Bahia (24,6%) e Paraná (19,6%). O resultado final será divulgado na segunda-feira, 22, no sítio do FNDE.

    Guia – Como orientação aos professores e diretores, o FNDE, em parceria com a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação, elaborou o Guia do PNLD 2010, com um resumo de todos os livros didáticos ofertados. Enviado em versão impressa para as escolas de ensino fundamental, o guia também pode ser consultado na primeira página do FNDE na internet, em Destaques. No mesmo local há, ainda, informações sobre como navegar no sistema, cuidados com a senha e com o código de segurança e as normas de conduta a serem seguidas pelas editoras e escolas durante o período da escolha.

    Premiação – O concurso Escolha Premiada vai distribuir 52 acervos completos do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), com 559 obras cada, totalizando cerca de 30 mil livros. Participarão do concurso apenas as escolas que optarem nas duas primeiras semanas da escolha, ou seja, de 8 a 21 de junho.

    Saiba quais são os livros que compõem cada prêmio no Acervo completo do PNBE.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Concurso premia boas práticas de utilização e conservação

    O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) lançou nesta quarta-feira, 15, o concurso Ações Inovadoras no Livro Didático. A iniciativa visa premiar e difundir boas práticas de escolas públicas e de secretarias estaduais e municipais de educação voltadas ao remanejamento, à conservação e à devolução dos livros didáticos distribuídos pelo governo federal.

    Segundo a coordenadora geral dos programas do livro do FNDE, Sonia Schwartz, o concurso é uma forma de reconhecer a gestão educacional eficiente. “Ideias simples, criativas e aplicáveis à realidade local fazem toda a diferença no ambiente escolar”, afirma.

    Premiação– Para incentivar gestores e professores no cuidado com o livro didático, a autarquia buscou uma premiação atrativa, que vai além de troféus e certificados para os primeiros colocados. As equipes vencedoras vão ganhar também os 361 livros do Programa Nacional Biblioteca da Escola e da Coleção Educadores, além de passagens e hospedagem para apresentar suas experiências no 13º Encontro Técnico Nacional dos Programas do Livro. O evento ocorrerá em Curitiba, no Paraná, de 4 a 7 de outubro.

    Inscrição– Os interessados em participar do concurso devem acessar o regulamento, a ficha de inscrição no sítio do FNDE. Depois de preenchê-los conforme orientações do regulamento, basta enviar os documentos por O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. eletrônica até 14 de agosto. O resultado sai em 14 de setembro.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Concurso premiará soluções para conservação de livros didáticos

    Termina no próximo dia 14 o prazo de inscrições no concurso Ações Inovadoras no Livro Didático, promovido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O objetivo é selecionar e premiar as melhores práticas sobre remanejamento, conservação e devolução dos livros, além de disseminar essas experiências para que redes de ensino possam aplicá-las em suas localidades.

    Diversos municípios e escolas brasileiros desenvolvem práticas que podem ajudar a aumentar o percentual de devolução do livro didático, no final do ano letivo. “Tem escola que marca prova com consulta no fim do ano e aproveita para recolher os livros, que serão utilizados por outros alunos no ano seguinte”, afirma Sonia Schwartz, coordenadora geral dos programas do livro do FNDE. “Em outras, são feitas oficinas para encampar os volumes no início do ano, o que ajuda na conservação e conscientização dos alunos.”

    Podem participar do concurso secretarias estaduais e municipais de educação e todas as escolas públicas brasileiras. A inscrição deve ser feita no sítio eletrônico do FNDE, no item consultas.

    Os vencedores vão apresentar suas experiências no Encontro Nacional do Livro Didático, a ser realizado no início de outubro, em Curitiba, e receberão coleções do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) – que seleciona e distribui obras literárias para escolas públicas de todo o país – e livros da coleção Educadores, que trata da obra, biografia e trajetória intelectual de importantes nomes da educação brasileira e mundial, como Paulo Freire, Darcy Ribeiro, Anísio Teixeira e Jean-Jacques Rousseau.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE



    Conheça o regulamento do concurso e a lista dos livros que compõem o prêmio
  • Conservação de livro didático é estimulada com premiação

    Foi divulgado nesta quinta-feira, 15, o resultado do concurso Ações Inovadoras no Livro Didático, promovido pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). Criado para selecionar e disseminar as melhores práticas sobre remanejamento, conservação e devolução dos livros, o concurso premiou três secretarias de educação, uma escola em cada uma das cinco regiões do país e uma unidade de ensino em âmbito nacional.

    Na categoria 1, destinada a premiar iniciativas de secretarias de educação, a primeira colocação ficou com a Secretaria Municipal de Educação de Macaé (RJ), seguida da Secretaria de Estado da Educação de Rondônia e da Secretaria Municipal de Educação de Maranguape (CE).

    A categoria 2 selecionou a Escola Estadual Geraldo Melo dos Santos, de Maceió, como destaque em âmbito nacional, e outras cinco escolas em cada uma das regiões brasileiras: Escola Estadual Waldemiro Peres Lustoza, de Manaus, no Norte; Escola Estadual de Educação Básica Padre Francisco Goettler, de Jaboticaba (RS), no Sul; Escola Municipal Francisco Primo de Melo, de Araxá (MG), no Sudeste; Escola Municipal Luiza Bezerra de Souza, de Iguatu (CE), no Nordeste; e o Centro de Ensino Fundamental 306 Norte, de Brasília, no Centro-Oeste.

    Os vencedores vão apresentar suas experiências no Encontro Nacional do Livro Didático, a ser realizado em março de 2012, em Curitiba, e receberão coleções do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) – que seleciona e distribui obras literárias para escolas públicas de todo o país – e obras da coleção Educadores, que trata da obra, biografia e trajetória intelectual de importantes nomes da educação brasileira e mundial, como Paulo Freire, Darcy Ribeiro, Anísio Teixeira e Jean-Jacques Rousseau.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE

    Veja o resumo das práticas premiadas

  • Destinados R$ 61,7 milhões para compra de obras de literatura


    O Ministério da Educação liberou nesta segunda-feira, 5, R$ 61,78 milhões para pagamentos relacionados ao Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). O valor será repassado ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão responsável por efetuar o pagamento às editoras e à Empresa Brasileira de Correio e Telégrafos.

    As obras literárias e os livros didáticos adquiridos por meio do programa são distribuídos a escolas públicas de ensino fundamental e médio, em todas as unidades da Federação. Desde janeiro, o MEC liberou ao FNDE R$ 1,62 bilhão para pagamentos relacionados ao programa. Desde o início da atual gestão, o MEC já liberou ao FNDE mais de R$ 880 milhões para pagamentos do PNLD.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Dia Nacional do Livro Didático celebra sucesso de programa

    O Dia Nacional do Livro Didático é celebrado no Brasil em 27 de fevereiro. A data destaca um instrumento essencial no processo de aprendizado, tanto servindo de bússola aos educadores, quanto ofertando aos estudantes uma gama de conhecimentos necessários nas mais variadas etapas da vida escolar. Para o Ministério da Educação, a data lembra, também, a eficácia do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD), executado pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), autarquia da pasta.

    O PNLD tem como objetivo avaliar e distribuir obras didáticas, pedagógicas, literárias e outros materiais de apoio à prática educativa às escolas públicas de educação básica das redes federal, estaduais, municipais. “É um programa universal”, explica Renilda Peres de Lima, diretora de Apoio às Redes de Educação Básica do MEC. “Ele consegue garantir capilaridade porque chega a todas as escolas, em todas as redes, desde que a rede e a escola façam a adesão. O livro didático hoje em alguns lugares é o único apoio que o professor tem para desenvolver o currículo.”

    A aquisição de materiais didáticos ocorre de forma periódica e regular, de modo a atender todas as etapas e segmentos de ensino da educação básica: educação infantil; primeiro ao quinto ano do ensino fundamental; sexto ao nono ano do ensino fundamental, e ensino médio.

    Criado em 1985, O PNLD substitui outro programa, do Instituto Nacional do Livro (INL), ainda mais antigo, inaugurado em 1929. Mesmo sendo uma das mais antigas políticas educacionais brasileiras, o PNLD passou por muitas adaptações para tornar o trabalho de escolha tanto da rede, quando do professor mais fácil e dinâmico.

    “Nós tivemos avanços significativos a partir de 2017, com a mudança do desenho do PNLD, com a maior partição das redes, com a pluralidade na formação da comissão técnica como pessoas de várias regiões, com profissionais de vários setores da educação”, observa a diretora Renilda Peres. “Avançamos no formato da implementação do material, com um manual muito mais robusto para o professor, acompanhado de um conjunto de elementos e de material de apoio por meio de mídia digital.”

    Ainda de acordo com ela, para fazer a escolha, o professor que antes só tinha uma resenha, agora   tem acesso ao livro todo. “Hoje pode haver a opção de uma escolha unificada entre a rede e as escolas, e há melhorias muito importantes, desde a estrutura até a escolha”. Para o PNLD 2018, o Mec avaliou 166 coleções de 12 componentes curriculares diferentes, em parceria com 11 universidades diferentes. Ao fim, 97 coleções foram aprovadas.

    Após a etapa de avaliação pedagógica, abre-se o período de escolha do livro didático, quando são oferecidos digitalmente para visualização os livros didáticos e literários aprovados no Guia Digital do PNLD. Então, cada secretaria de Educação ou escola – por meio de seus professores e diretor – elege, dentre as obras aprovadas, aquelas que melhor se adequam a seu projeto político pedagógico.

    Assessoria de Comunicação Social

Fim do conteúdo da página