Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Conheça Monique Dinato, autora do livro Teresa, que esperava as uvas

    A escritora Monique Revillion Dinato, autora do livro Teresa, que esperava as uvas, disse nesta sexta-feira, 13, que ficou surpresa ao ser questionada se os estudantes do ensino médio poderiam ler os contos do seu livro. A obra integra a coleção do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) do Ministério da Educação.

    Na avaliação da autora, os jovens estão expostos a esses temas há muito tempo, estão muito preparados e “dão um banho na gente” na discussão sobre os assuntos tratados em Teresa, que esperava as uvas.

    Talvez a surpresa suscitada pela mídia esteja no fato da história ser narrada do ponto de vista de um dos agressores e porque coloca o leitor na ação. “É literatura, e literatura ou é boa ou é má, não gosto de classificar se é para jovens ou não”, explica. Na minha casa, diz Monique, nunca proibi o acesso dos meus filhos a qualquer livro. “A biblioteca está aberta para eles”. Monique Dinato tem 49 anos e é mãe de dois filhos.

    A obra Teresa, que esperava as uvas marca a estréia de Monique no livro individual, em 2006. Publicado pela Geração Editorial, tem 158 páginas e os contos tratam de temas universais: amor, sexo, amizade, velhice, encontros e desencontros.

    Bem recebido por leitores e pela crítica, o livro ganhou três prêmios em 2006: Prêmio Açorianos Melhor Livro de Contos; Prêmio Açorianos Livro do Ano; Prêmio O SUL, Nacional e os Livros (autora revelação).

    Em 2009, a autora lançou o segundo livro de contos, Quatro quartos, obra que integra o Projeto Dulcinéia Catadora, que é uma ação social onde jovens de baixa renda confeccionam livros artesanais. A autora doou os contos para o projeto.

    Sua carreira literária, no entanto, começou bem antes com participações em antologias. A primeira foi com Contos de oficina 18, organizada por Luiz Antônio de Assis Brasil, em Porto Alegre, em 1997.

    Depois se seguiram: Contos de algibeira (Porto Alegre), Editora Casa Verde, 2007; Contos de agora (São Paulo), autores contemporâneos brasileiros, Editora Falante, 2006; Trinta contos imperdíveis (Porto Alegre), Editora Mercado Aberto, 2006; Contos de bolsa (Porto Alegre), Editora Casa Verde, 2006; Contos premiados (UPF/IEL), Concurso Josué Guimarães, 2006; Brevíssimos (Porto Alegre), Editora Nova Prova, 2005; Histórias de quinta (Porto Alegre), Editora Bestiário, 2005; 101 que contam (Porto Alegre), Nova Prova Editora, 2004; Habitasul Revelação Literária na Feira (Porto Alegre), Habitasul, 2000.

    Formação– Monique fez graduação em comunicação social (jornalismo) na Pontifícia Universidade Católica (PUC-RS) e tem mestrado e doutorado em administração pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente combina a carreira literária com a gerência de conteúdo e metodologia da Oscip Junior Achievement Brasil, entidade que faz cursos de administração voltados para o empreendedorismo e educação financeira, em Porto Alegre.

    Leia os depoimentos publicados em jornais sobre o livro Teresa, que esperava as uvas.

    Assessoria de Comunicação Social
  • Editoras devem inscrever seus livros de 3 a 18 de dezembro

    As editoras interessadas em participar do Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) 2011 devem cadastrar e fazer a pré-inscrição dos livros de 3 a 18 de dezembro. O passo seguinte é o da entrega das obras e da documentação, de 18 a 22 de janeiro de 2010, no período de 8h às 16h30.

    O PNBE 2011 vai distribuir livros de literatura para as escolas públicas federais e das redes de ensino municipais, estaduais e do Distrito Federal que oferecem os anos finais do ensino fundamental ou o ensino médio.

    Acessibilidade – Uma novidade desta edição do programa é que, além de livros impressos, serão aceitas inscrições de obras em formatos especiais voltados a estudantes com necessidades especiais, como caracteres ampliados, áudio e CD ou DVD em libras. Todas as obras devem estar atualizadas de acordo com o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.

    Outra inovação é que os livros adquiridos pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para serem distribuídas em 2011 também estarão disponíveis no portal do Ministério da Educação na internet em formato digital acessível Mec Daisy. Essas obras integrarão o acervo digital acessível, um espaço virtual que estará disponível no sítio do MEC.

    O software Mec Daisy é um programa baseado no padrão internacional Daisy-Digital Accessible Information System e consiste em uma solução tecnológica para a geração de livros em formato digital acessível, que permite a reprodução audível utilizando gravação ou síntese de fala, a navegação pelo texto, a reprodução sincronizada dos textos selecionados, a ampliação de caracteres e a conversão para o braille.

    Ampliação dos acervos – A fim de ampliar os acervos das bibliotecas escolares, não serão aceitas obras que tenham sido adquiridas nas edições do PNBE 2006 e 2009 e do PNBEM 2008. Tanto para os anos finais do ensino fundamental quanto para o ensino médio serão formados três acervos, cada um com até 50 títulos, num total de 150 livros.

    As obras podem ser pré-inscritas nos seguintes gêneros literários: poema, conto, crônica, novela, teatro, texto da tradição popular, romance, memória, diário, biografia, relatos de experiências, obras clássicas da literatura universal, livros de imagens e de histórias em quadrinhos. Serão aceitas antologias, desde que se explicitem, em prefácio, os critérios que justificam a organização. Os livros devem ser apresentados em volume único e pré-inscritos individualmente, ainda que façam parte de coleções.

    As instruções para a pré-inscrição das obras estão detalhadas no edital do PNBE 2001, disponível no sítio do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) na Internet.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Livro reúne compositores e escritores consagrados

    “Aí por volta de 1910, não havia rádio nem televisão, e o cinema chegava ao interior do Brasil uma vez por semana, aos domingos. As notícias do mundo vinham pelo jornal (...).” Assim começa a crônica Como Comecei a Escrever, de Carlos Drummond de Andrade (1902-1987), um dos 12 textos literários que fazem parte da publicação O Pequeno Livro das Grandes Emoções, editado pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) em parceria com o Ministério da Educação.

    Na crônica, Drummond, que nasceu em Itabira do Mato Dentro, Minas Gerais, conta o início de sua trajetória pelo mundo das letras. Ele relata como aprendeu, na escola, a fazer redação, a escrever cartas, a narrar passeios e como tomou gosto pela literatura.

    Em O Pequeno Livro das Grandes Emoções, os leitores jovens e adultos em processo de formação vão encontrar textos de diversos gêneros, de alta qualidade, interessantes, escritos por autores consagrados. “A obra foi organizada para agradar, incentivar e divertir os novos leitores”, diz o educador Timothy Ireland, especialista em educação da Unesco e um dos organizadores da publicação.

    Contemporâneos de Drummond, os compositores Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira estão no livro, com a letra da música Légua Tirana: “Oh, que estrada mais comprida/Oh, que légua tão tirana/Ai, se eu tivesse asa/Inda hoje eu via a Ana (...)”. Luiz Gonzaga nasceu em Exu (Pernambuco), em 1912, e viveu até 1989; Humberto Teixeira nasceu em Iguatu (Ceará), em 1915, e morreu em 1979.

    Poemas, contos, crônicas e letras de músicas compõem a coletânea de textos que reúne Mário Quintana, Carlos Drummond de Andrade, Paulo Mendes Campos, Clarice Lispector, Cora Rónai, Victor Giudice, Humberto Teixeira, Luiz Gonzaga, Lygia Fagundes Telles, Chico Buarque, Marina Colasanti e Cora Coralina. A obra também apresenta um pequeno perfil de cada escritor.

    Com tiragem de cinco mil exemplares, o livro foi lançado durante a 6ª Conferência Internacional de Educação de Jovens e Adultos, realizada em Belém, no início deste mês. Como a obra deve integrar o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE) em 2010, a edição será ampliada, segundo Jorge Teles, diretor de políticas da educação de jovens e adultos da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) do Ministério da Educação. A proposta do MEC, diz Teles, é que O Pequeno Livro das Grandes Emoçõesintegre e fortaleça o acervo literário dirigido ao público da educação de jovens e adultos por meio do Biblioteca da Escola.

    Ionice Lorenzoni

  • Ministério convoca instituições para avaliar obras inscritas

    A Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação publicou nesta segunda-feira, 20, no Diário Oficial da União (DOU), dois editais de chamada pública para instituições públicas de educação superior. Os chamamentos convocam as instituições interessadas em participar da coordenação das avaliações pedagógicas de obras inscritas no programa Nacional do Livro Didático (PNLD 2016) e de obras inscritas no Programa Nacional Biblioteca da Escola 2015.

    O edital de chamada pública nº 1/2014 tem como objetivo selecionar as obras didáticas destinadas aos alunos e professores dos anos iniciais do ensino fundamental inscritas no PNLD 2016 nas áreas de letramento e alfabetização e língua portuguesa, alfabetização matemática e matemática, ciências, história, geografia, arte, livro regional.

    A avaliação deverá ser feita em estrita observância ao edital do PNLD e em atendimento aos pressupostos éticos, pedagógicos e estéticos. Para participar, as instituições devem apresentar manifestação de interesse institucional, projeto de avaliação pedagógica e equipe de avaliação.

    De acordo com o Edital de Convocação 2/2014, o MEC convoca as instituições públicas de educação superior interessadas em avaliar as obras literárias que farão parte do Programa Nacional Biblioteca da Escola, destinado às escolas públicas que oferecem os anos finais do ensino fundamental e ensino médio e que integram os sistemas de educação federal, estadual, municipal e do Distrito Federal.

    Em ambos os casos, a documentação deverá ser entregue eletronicamente em papel timbrado, com toda a documentação rubricada pelo dirigente máximo da instituição por meio de O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.. Também deverá ser encaminhada documentação impressa por correio para o Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Coordenação Geral de Materiais Didáticos, Esplanada dos Ministérios, Bloco L, anexo II – sala 412, CEP 70.047-900 - Brasília-DF, no prazo de até três dias úteis após o envio por meio eletrônico. O prazo para entrega das candidaturas termina em 24 de novembro.

    Assessoria de Comunicação Social

    Veja o edital de Chamada Pública 1/2014)

    Acesse o edital PNLD 2016

    Veja o Edital de Chamada Pública 02/2004

    Acesse o PNBE 2015

Fim do conteúdo da página